Assistindo a série Sexlife da Netflix, onde o personagem Brad (Adam Demos), durante uma cena de sexo, pratica o alinhamento coital fazendo sua parceira Billie (Sarah Shahi) enlouquecer, fiquei pensando que esta técnica merecia virar um post aqui no site.

SEXLIFE é uma série que relata a vida de uma mulher casada. Uma vida tecnicamente dos sonhos, casamento quase perfeito. Até Billie a personagem principal começar a paragonar seu presente com seu passado. Independente das escolhas que a personagem faz, eu recomendo muito esta série para casais que estão a muito tempo juntos.

Diálogo pode resolver muita coisa. Um ponto positivo da série que tem que ser ressaltado é que retrata que uma mulher, mesmo casada, com filhos (ela ainda está inclusive amamentando), pode e deve buscar por prazer. (novamente não estou romantizando as escolhas dela) Estou apenas dizendo que uma mulher também pode sentir e querer um sexo extraordinário e bem safado!

Afrodite Les Folies

Bom, sem mais enrolação vamos falar sobre uma técnica que prioriza a estimulação do clitóris, conhecida como técnica de alinhamento coital. 

A técnica de alinhamento coital


A técnica nada mais é do que uma variação da posição do missionário, a técnica de alinhamento coital é uma posição sexual pênis / vagina, em que o parceiro penetra pressionando o seu pênis contra o clitóris da sua parceira durante a relação sexual. Facilitando assim um orgasmo durante a o movimento de vai e vem deslizando.

A principal diferença entre a técnica de alinhamento sexual e a posição do missionário é que o sexo concentra-se principalmente no clitóris, além do pênis estar apontando para baixo na vagina em vez de para cima. 

No entanto, é semelhante ao sexo missionário porque uma pessoa está de costas e a outra por cima, de frente para o parceiro.

Dizendo isso, o parceiro ou (aquele que usa o pênis ou vibrador ), concentra-se na estimulação do clitóris enquanto penetra na vagina.” Já com o missionário, “quem está por cima não pode usar o peso para fazer pressão no clitóris ou pode usar os dedos para estimular manualmente”. 

Benefícios da técnica de alinhamento coital:


Eleva o prazer focado no clitóris.


Eis por que o clitóris é um botão de prazer: a parte externa do clitóris, chamada de glande ou cabeça, é parcialmente coberta por um capuz e preenchida com mais terminações nervosas do que você pode imaginar. Este capuz se conecta aos pequenos lábios (os lábios internos de uma vulva), e qualquer coisa que estimule os lábios também estimula diretamente o clitóris.

Os clitóris são considerados uma das zonas erógenas mais sensíveis, o que torna fácil entender por que a parte opressora e balançante do sexo de alinhamento coital é perfeita para quem busca estimulação dessa forma.

Além disso, estudos mostram que 81,6% das mulheres não têm orgasmo com sexo pênis e vagina sem estimulação clitoriana, e apenas 18,4% das mulheres relatam que a penetração sozinha é suficiente para o orgasmo.

Você fica extremamente perto


Como na posição de missionário, explorar essa técnica sexual significa que você e seu parceiro estão se esfregando e se esfregando. Mas, em vez de se concentrar em estocadas, a proximidade intensificada de seus corpos e genitais deslizando um contra o outro provavelmente aumentará seu prazer e o puxará para mais fundo no momento. Isso pode fazer o sexo parecer mais íntimo e intenso , se é isso que você gosta.

O contato visual aqui pode ser bem explorado e a visão que verão um do outro será arrebatadora, seja de intensidade sexual ou de sentimento caso possuam um envolvimento romantico.

A parceira que está na parte inferior pode envolver suas pernas em volta do parceiro enquanto se move lentamente para baixo, enquanto ele estiver subindo.

Mais variedade, menos complicações.


Quem não ama desfrutar de algo em mais de uma maneira? A técnica de alinhamento coital permite toneladas de variedade e atende as várias maneiras de apimentar o sexo. Se você adora estimulação clitoriana, brinquedos e masturbação mútua enquanto observa seu parceiro, isso pode ser divertido e fisicamente mais fácil para ambos

A prática leva à perfeição


A técnica de alinhamento coital exige prática, porque “é preciso conhecer bem o seu corpo e o do seu parceiro para aplicar pressão nas áreas certas e obter a quantidade certa de balanço e fricção”.

Como você tem que tentar essa técnica repetidamente para descobrir como ela funciona melhor para você e seu parceiro, você terá mais tempo para se conectar intimamente e aprender como maximizar o seu prazer.

Como fazer isso:

  1. Concentre-se em esfregar
    Para fazer a posição sexual alinhamento coital, a pareira deita-se de costas com as pernas abertas e o parceiro cima dela. Em vez entra e sai, vai e vem comum à posição do missionário, o parceiro (ou a pessoa usando um vibrador) esfregará o pênis contra o clitóris até deslizar para penetração.

É aqui que entra o alinhamento coital: o parceiro de cima deve inclinar seus quadris de forma que a pelve fique diretamente em cima da pélvis do parceiro de baixo. Durante a penetração, o parceiro deve ficar com o queixo acima da cabeça da parceira e o peito voltado para o rosto dela. Com esse alinhamento, a base do pênis pode criar uma fricção agradável contra a vulva e o clitóris, e o pênis ficará ligeiramente inclinado para baixo, o que torna mais fácil atingir a parede posterior da vagina.

  1. Vá mais devagar.
    A técnica de alinhamento coital é perfeita para um ritmo mais lento que aumenta o prazer focado no clitóris. Embora muitas pessoas possam desfrutar da posição missionária em um ritmo lento e íntimo, normalmente dá lugar a estocadas profundas e agressivas – e nada contra o sexo violento, mas as vezes, a melhor maneira de estimular um clitóris é ir devagar ( para depois acelerar).
  2. Comece com sexo oral.
    Antes de chegar à parte de penetração da técnica de alinhamento coital, se dedique a um caprichado sexo oral primeiro. Oral é uma ótima maneira de você e seu parceiro se abrirem antes de explorar outros tipos de sexo, especialmente se você estiver tentando algo novo. Além disso, com o atrito e fricção pesados ​​envolvidos no sexo, pode ajudar a envolver-se em uma atividade que aumente a lubrificação da vagina.

4. O ângulo certo! Um travesseiro para inclinar a vagina e a vulva para cima para obter melhor acesso”. Para fazer isso, coloque um travesseiro sob o cóccix do parceiro inferior para ajudar a inclinar seus quadris para cima no ângulo certo.

Dica de profissional: As almofadas sexuais geralmente têm uma curva de suporte que desliza facilmente sob a parte inferior das costas, permitindo uma penetração mais profunda e conforto e, possivelmente, desbloqueando sua capacidade de experimentar novos ângulos e posições.

  1. Incorpore brinquedos e métodos de estimulação variados.
    Sexo pode ser tão versátil quanto você e seu parceiro desejam que seja, então não hesite em incorporar qualquer um ou todos esses brinquedos sexuais e práticas de aprimoramento – ou seja criativo para encontrar o que funciona para você.

Você pode considerar:

Anéis vibratórios para pênis
Vibradores externos
Dildos
Masturbação
Conversa suja(palavrões)
Tapas no bumbum
Clamps conhecidos como Pinças de mamilo
Algemas
Provocação em zonas erógenas (ou seja, mordiscando sua orelha ou gemendo, traçando suavemente sua pele com sua língua ou dedo, agarrando sua cintura)

Riscos e desafios

Homens têm pênis de tamanhos e formatos diferentes, e as vaginas costumam ser inclinadas em direções diferentes e têm distâncias diferentes do clitóris.

Ou seja,

  • o ângulo do pênis também depende de quão tensos os músculos de conexão são. O ângulo que você precisa alcançar para todo esse esforço é questionável e pode até causar dor ou, nas piores situações, danos ao pênis.
  • perpetua a crença de que orgasmos de sexo com penetração são melhores do que orgasmos de mãos, boca ou vibrador . Mas a realidade é que sete em cada dez mulheres não atingem o orgasmo por meio do sexo com penetração. 

Apesar das realidades dessa técnica, experimente-a se achar que vai trazer mais prazer para você e seu parceiro.

Outras posições para experimentar.


Aqui estão algumas outras posições sexuais também focadas no clitóris. Elas merecem ser consideradas assim que você se familiarizar com esta técnica:

Lotus: Se esfregar lhe trás prazer, recomendo que você se sente no colo de seu parceiro. A posição sexual do lótus pode ser particularmente romântica.

Ou faça sua própria versão: “A parceira encontra a melhor posição possível, seja sentada no colo de um parceiro ou esfregando o clitóris na coxa dele.


Sobre a mesa: Sente-se ou deite-se na beira de uma mesa, cama ou cadeira enquanto seu parceiro fica entre suas pernas, segura sua cintura e penetra em você.


Concha do mar: Você deita com as pernas levantadas e os tornozelos cruzados atrás da cabeça, e seu parceiro entrará em você como se estivesse em uma posição missionária.


Alinhamento coital reverso: A parceira se senta sobre a ereção, se mantendo de costas (pode ser de frente também) para o parceiro que estará deitado, ao invés de “quicar” você vai rebolar deslizando nos ângulos que mais te der prazer. Isto te dará mais controle para alinhar seu clitóris com os pontos de pressão do corpo do seu parceiro.


A sentada em V: Para conseguir isso, sente-se em uma superfície alta (mesa ou bancada) enquanto seu parceiro fica na sua frente com os pés afastados. Depois de alinhar a pélvis, coloque os tornozelos sobre os ombros do parceiro e ao redor dele até ficar em “V” e, em seguida, receba a penetração.


Tesoura: Deite-se de lado com as pernas abertas e os joelhos ligeiramente dobrados e seu parceiro entrará em você deslizando-se entre suas pernas enquanto as dele estão dobradas em um “V” de cabeça para baixo.

O resultado final

A técnica de alinhamento coital é uma ótima opção para qualquer casal que queira explorar o sexo focado no clitóris. No entanto, se você sair do outro lado e perceber que não é para você, tudo bem! O importante é que vocês dois tiveram a mente aberta para tentar algo novo, o que muitas vezes aproxima os casais e fortalece seu relacionamento.

Afrodite Les Folies

“Sexo raramente é sobre sexo. É sobre desejo, é sobre liberdade, é sobre ser qualquer um, fazer qualquer coisa.”

Billie – Netflix

O que é o clitóris?


O clitóris é o principal órgão sexual para o prazer da mulher. É um corpo erétil (como o pênis) muito rico em terminações nervosas. Possui uma parte exposta e outra oculta. Ele está localizado na parte superior do Vulva, na junção dos pequenos lábios. Tem uma glande, exatamente como o pênis e exatamente como ele, é recoberta por um prepúcio. Quando é estimulado tem uma ereção, portanto torna-se maior e mais sensível. O prepúcio desce e deixa-o descoberto, oferecendo uma maior sensação de prazer. Essa parte é pequena em comparação a todo o resto, na verdade ela mede de 0,5 a 1 cm.

O clitóris é na verdade muito mais do que isso, a parte externa é apenas a menor parte de um órgão cuja maior parte está dentro do corpo. O interior, muito maior, pode medir cerca de 10 cm de comprimento, e entre 3 e 6 cm de largura. Possui duas raízes longas e dois corpos cavernosos, localizados sob os pequenos lábios e que envolvem a entrada da vagina. Esses corpos cavernosos, uma vez estimulados, incham e tornam a vagina e o ponto G muito mais sensíveis, proporcionando cada vez mais prazer nas brincadeiras íntimas, sozinhas ou acompanhada.

O Clitóris, portanto, não tem a forma de um pequeno botão, mas se parece mais com um Y duplo. Aqui, uma reprodução 3D.

Clitóris pequeno ou protuberante?


Como vimos acima, a parte visível do clitóris é apenas uma parte muito pequena do próprio órgão, de modo que as dimensões visíveis não são significativas. Cada vagina é diferente, assim como cada rosto e cada clitóris. No entanto, isso não impede ou aumenta o prazer nas mulheres. Esta parte do corpo humano feminino tem muitas terminações nervosas, cerca de 8.000, muito mais do que qualquer outra área do corpo e cerca do dobro daquelas contidas no pênis. Quando a área da glande do clitóris é estimulada, ela cresce, retraindo o prepúcio e deixando a glande descoberta, que aumenta de volume e se torna muito sensível.

O essencial é saber que este é o centro SUPREMO do prazer feminino, é daí que nascem os orgasmos e por isso é extremamente importante compreender como funciona e como o estimula.

Sexo e clitóris


Cada mulher tem sua forma de estimular o clitóris, há mulheres que gostam do contato direto. Outras que preferem um toque mais delicado que talvez comece mais longe pelos pequenos lábios. Outros ainda que gostam de sensações mais profundas, como pequenos tapas ou beliscões leves.

Seja qual for a sua forma de estimulá-lo, saiba que não existe certo ou errado, mas apenas o “certo para você”, então você deve se dedicar a si mesma, descobrindo essa parte tão preciosa para seu prazer. Por mais que goste de se acariciar, recomendo que sempre use um lubrificante à base de água para brincar. Isso permitirá que você deslize e aproveite cada sensação com mais facilidade.

Com o que estimular o clitóris


Lubrificantes e clitóris

O primeiro e mais importante para uma estimulação profunda é o lubrificante. E você pode encontrar diversos tipos, à base de água ou silicone. Neutro ou aromatizado. Você pode escolher o que mais gosta, o importante é sempre usar em abundância. Isso porque aumenta o prazer graças aos dedos ou estimuladores, que deslizam melhor e protegem a área de quaisquer pequenos arranhões que possam ser criados no calor do momento.

Estimulantes para o clitóris

Como escrevi acima, quanto mais sensível se torna o clitóris e mais poderosos são nossos orgasmos, este também é o primeiro passo para squirting *ejaculação feminina* e orgasmo do ponto G.

Para tornar o clitóris mais sensível, você pode usar géis estimulantes especiais. Que esquentam ou esfriam. E também usar vibradores específicos para esta área tão prazerosa.

Clitóris e vibrações.

Essa é uma parte que eu gosto muito e que quero compartilhar com vocês com muito prazer. Como qualquer outra parte do nosso corpo, o clitóris, é extremamente sensível às vibrações. Eles vão fundo e permitem que você alcance até suas partes mais escondidas. Cada mulher vai escolher o tipo de vibração e intensidade de que mais gosta porque, como sempre, somos todas diferentes. Pode-se optar por usar um pequeno brinquedo para usar até mesmo na calcinha. Você pode optar para os que sugam o clitóris. E pode escolher um como o We Vibe Unite, que além de ser extremamente elegante também é pequeno e discreto, portanto excelente para uso em casais durante a penetração. Ou se deseja algo potente, pode usar o Magic Hand conhecido, prepare-se para uma viagem ao hiperespaço do prazer quando usa-lo, uma verdadeira varinha mágica que, graças aos seus potentes motores, lhe proporcionará sensações únicas! E se for usar com o parceiro, ele vai se divertir e ficar muito excitado em usar em você, assistindo seus orgasmos contínuos.

Modelos de vibradores que sugam o clitóris

Antes eu falei dos vibradores que sugam, sim eles existem, este tipo de brinquedo, literalmente te deixará louca. Alguns oferecem tanto um estímulo interno à vagina quanto um externo dedicado ao clitóris.

Para finalizar, lembre-se que nós mulheres devemos quebrar os tabus, e nos dar muito prazer, nos permitir, seja estimulando o clitóris para autoconhecimento para uma melhor performance com o parceiro. Como para o nosso único e merecido prazer. O clitóris não é o único ponto do seu corpo que te proporcionará o orgasmo. Mas Eu digo que vale a pena aprender a conhecê-lo, estimulá-lo e aproveitá-lo … e agora …

BOA DESCOBERTA! E UM DELICIOSO ORGASMO!

Beijos da Afrodite Les Folies

Eu estava em minha última apresentação no palco. As luzes estavam concentradas em mim, a boate lotada e eu escutava os gritos dos homens.  Eu dava o meu melhor, eu estava apenas com o tapa mamilos e uma calcinha minúscula, enquanto eu escutava os aplausos finais. A assistente recolhia todo o dinheiro que estava jogado no palco para mim.

Eu estava indo para o camarim,  vestir algo provocante para voltar para o salão, quando a gerente da boate Nely, veio correndo até mim.

_ Mel, você foi chamada para uma dança particular em um dos quartos. Ele pagou toda a sua noite e dobrou tudo o que você ganhou, para ter um encontro com você, somente você, totalmente exclusiva para ele.

Eu sabia que a boate era frequentada por homens cheios de dinheiro. Mas a maioria queria sempre mais de uma mulher, para se divertir. Provavelmente seria algum pervertido, com algum fetiche estranho que queria privacidade. Respiro fundo, eu não gostava da ideia de fazer programas. Eu dançava, tirava a roupa, flertava, me embriagava com eles, mas raramente completava o programa. Mas eu estava precisando muito do dinheiro.  Meu ex marido, tinha me traído, me roubado e sumido, me deixando endividada. Eu nunca devia ter me casado com Roger.

Mas o homem que realmente amei, preferiu casar com uma mulher mais adequada para a vida dele. Eu sorrio para Nely que me encara ansiosa por uma resposta.

_ Ele já pagou, então tenho que ir. Não vou te decepcionar, fique tranquila.

Ela acena e sai. Eu tomo um banho rápido, retiro uma pequena lingerie transparente do meu armário, saltos vertiginosos e faço a maquiagem.

Lola entra no camarim, ver ela sempre me deixava alegre, pois ela sempre foi uma das minhas melhores amigas ali dentro.

_ Céus! Me leve com você, o seu cliente está te esperando na suite Master luxo, eu fui levar a chamapgne mais cara da casa, e ele me deu uma grossa gorjeta, mas nem sequer me olhou. Ele só perguntou por você, ele está aparentemente doido para ficar com você.

_ Você sabe que não gosto de fazer isto, mas eu preciso terminar de pagar minha faculdade e recuperar a casa que herdei dos meus pais que Roger hipotecou. _ela alisa meu braço com uma cara triste e eu continuo _ Ao menos me diz que ele não é um daqueles caras estranhos…

_ Mel, ele é lindo. Parece um modelo, eu nem acreditei quando todas estavam comentando como ele é incrivelmente lindo. Um corpo musculoso, roupas caras, perfumado…

Eu não sei porque mas meu coração acelera. Algo dentro de mim me dizia para sair dali correndo, outra parte de mim me dizia que eu teria que ir rapidamente encontrar este homem misterioso.

_ Que seja, o importante para mim na verdade, é ele não ser um babaca comigo. Então melhor eu me apressar já que ele está inquieto.

Ela sorri e me acompanha até o corredor. Eu vou para o elevador e subo para o último andar, coração acelerado quando bato na porta.

E quando a mesma se abre, eu fico paralisada com a visão na minha frente. O homem que quebrou meu coração, me abandonado para se casar com outra, uma que  a familia dele aceitava. A mulher perfeita para o seu dinheiro, para o seu luxo, para sua vida.

_ Melissa…

A voz dele carregada de desejo que eu conhecia tão bem, me causa arrepios. Ele me puxou tão rapidamente para dentro, que eu não tive tempo de reação. Logo eu estava pressinada contra a parede, com uma de  suas mãos nos meus cabelos, a outra em minha cintura e seus labios devorando os meus. Eu tentei resistir aquele beijo que eu conhecia tão bem, o beijo que senti falta por quatro malditos anos, eu tinha me casado com outro por desespero, tentando esquecê-lo, e me quebrei ainda mais.

Ele abria ainda mais meus lábios, o beijo se aprofundava, meus seios dando sinal por baixo da lingerie, e sua ereção pressionada entre nós, não deixava dúvida para onde isto nos levaria. Eu devia resistir. Reúno todas as minhas forças e empurro ele para longe depois de esbofetear seu rosto.

Ele mal se quer moveu seu rosto com o golpe que dei.

_ Veio me humilhar ainda mais Otávio? Veio me comprar com seu dinheiro, certo,  estou a venda…

_ Melissa eu te imploro, me deixe explicar. Eu fui um canalha, mas eu nunca te esqueci. Eu ainda queimo de desejo por você…

_ Eu nem sei o que te dizer. Mas para sua sorte ou azar, sou profissional. Mesmo o meu trabalho sendo este, eu o levo à sério.  Você pagou e vai ter o que desejou.

Assumida completamente pela raiva eu empurro-o para a grande  poltrona de couro.

Eu caminho até a bancada e coloco a música perfeita no player, Roxane. E subindo para o pequeno palco no meio do quarto, eu começo meus movimentos, ele abre a boca para falar, mas para, assim que vê  o meu olhar.

Os olhos dele me seguem, ele desfaz o nó da gravata e retira-a lentamente. Meus movimentos são passionais, cheios de raiva, tudo que fosse preciso para ocultar aquela maldita paixão que ainda queimava em mim. Eu desço do pole dance mais uma vez e retiro a delicada lingerie do meu corpo, resta apenas o tapa mamilo e a calcinha minúscula, eu queimava de raiva, de desejo, mas ver seu pomo de adão subir e descer e seu maxilar tencionar me davam a absoluta certeza de que ele realmente não estava imune à mim.

Eu subo mais alto no pole dance, faço um giro com a perna e desço com toda a minha força caindo com meu corpo para trás, segura apenas por minhas coxas, mas dando a impressão a quem assistia a visão de uma queda livre.

Ele se levanta tão rapido quanto o meu movimento, me puxando para o seu colo. Nossos olhos se encontram, estamos ambos ofegantes por diferentes motivos.

Ele se senta novamente na poltrona, me colocando  em seu colo. Eu não conseguia dizer nada, eu não queria dizer nada. Eu precisava senti-lo, mesmo que por uma última maldita vez.

Eu me encaixo em seu colo, ficando de frente para ele. Ele solta um pequeno gemido, quando minha buceta fica em contato com sua ereção sob a calça.

_Otávio eu…

Ele não me deixa falar nada, sua boca novamente prende tudo de mim. Me arrastando para ele, me cegando, me eenfeitiçando para os seus desejos, e pela maneira que eu retribuia o beijo, admitia ser também os meus.

Eu me apresso e tiro sua camisa, sua boca deixa minha por segundos e desce beijando meu pescoço, ele chupava, mordia, mostrando todo o seu desespero, jogo a cabeça para trás oferecendo descaradamente os meus seios, ele retira os nipples e abocanha meus mamilos alternando suas caricias em cada um deles, me fazendo gemer e segurar com força seus cabelos.

Eu aliso seus músculos  e ele em um gesto brutal puxa minha calcinha arrebentando o minúsculo tecido, eu abro sua calça  e ele rapidamente desliza-a até os joelhos,  liberando sua deliciosa ereção, dura como mármore. Eu sinto o pulsar do vazio dentro de mim, desejando-o.

Ele me puxa novamente, me beijando desesperadamente, ele posiciona sua ereção sob mim, ele segura meus quadris com força e eu sinto ele deslizar para dentro lentamente.

_ Não devíamos… não assim….

_ Mel você é minha, confia em mim.

Sua ereção cresce  dentro de mim e eu pulso envolvendo-o ainda mais.

Meu primeiro, o homem que achei que seria o último da minha vida. Para o qual perdi minha virgindade e a dignidade,  pois mesmo sendo substituída no altar, nunca deixei de desejá-lo.

O homem que amei por um bom tempo e agora eu queimava de desejo sentindo suas estocadas selvagens e seus gemidos em meu ouvido.

Meu corpo todo tremia, ele me apertava cada vez mais sobre ele. Um orgasmo intenso tomou conta de cada pedacinho do meu corpo, tudo queimava, os espamos não me deixavam abir os olhos para encarar o homem sob mim, mas eu sentia seu respiro, seu perfume, sua ereção e todo o seu desejo.

Ele aumentou o ritimo e seu dedo deslizou para o meu clitóris, ele estocou com ainda mais vivacidade nos arrastando para outro intenso orgasmo. E seus gemidos me levaram a um êxtase intenso enquanto ele gemia e acelerava seus movimentos dentro de mim.

Enquanto o ápice nos atingia, ele me apertou contra ele,  sussurando em meu ouvido:

_ Eu te amo Melissa. Eu te amo…

Eu sentia seu gozo quente me preencher, eu o apertava dentro de mim descontroladamente, mas meus pensamentos eram uma imensa  confusão diante de suas palavras sussurradas.

Nossas respirações estavam se normalizando. Ele alisava as lágrimas no meu rosto e eu não sabia se eu ainda estava tremendo pelo orgasmo intenso ou por suas malditas palavras. Eu tento me levantar mas ele me segura em seu colo e levanta o meu queixo.

_ Vamos conversar Melissa.

_ Claro que sim. Mas eu tenho uma proposta melhor antes…

Ele me olha sem entender minha reação pacífica.

_ Tudo o que você desejar Melissa.

_ Que tal você preparar a banheira para nós, enquanto eu busco outra champanhe, é uma bebida muita cara, para bebermos quente. E esta com certeza, não está mais gelada.
 

Eu o beijo demoradamente, cheia de paixão, eu precisava daquele beijo. Ele sorri quando eu deixo seus lábios e me levanto para pegar um roupão de cima da cama. Ele levanta terminando de tirar sua calça, ficando completamente nu. Meu coração acelera ainda mais, ele continuava malditamente lindo, intenso e gostoso como eu tinha conhecido no passado.

_ Não demore Melissa, precisamos conversar. Eu prometo que você vai entender…

_Eu volto logo.

Saindo eu podia ouvir Adele Rolling the deep

Apertei o roupão no meu corpo quando entrei no elevador, o meu reflexo no espelho mostrava os chupões recém feitos por Otávio, eu puxo ainda mais o tecido. Quando desço para os bastidores, eu vou rapidamente até Lola e conto tudo o que aconteceu, e quem é realmente Otávio em minha vida.

Eu explico rapidamente o que preciso que ela faça, enquanto ela busca a champanhe eu escrevo um bilhete.

“ A champanhe é cortesia da casa. O seu dinheiro será devolvido, eu não estou à venda para você. Volte para a sua esposa. Adeus!” Melissa

Eu entrego tudo para ela. E corro para me vestir após explicar tudo para Nely, que apesar de não ter gostado de ter que perder o lucro e talvez o cliente, me entendeu.

Pego minhas coisas e desço para o estacionamento. Eu tento dar partida na droga do meu carro, mas para variar ele resolve não funcionar. Eu apoio minha cabeça no volante, meu coração ainda acelerado.

Quem diabos ele pensa que é, para me procurar depois de todo este tempo, como se nada tivesse acontecido, transar comigo daquela forma e dizer que me ama?! Não, ele não vai quebrar meu coração mais uma vez.

Sinto batidas na janela do carro. A minha porta se abre em seguida, eu olho assustada para ver Otávio, sem camisa, descalço, descabelado, usando apenas suas calças jeans. Apesar de estar uma bagunça sua voz é forte e confiante:

_ Precisa de ajuda, querida?  _ ele diz ostentando um sorriso provocante.

Continua…

Eu estava na frente do computador fazia um tempo, eu via e revia as suas fotos fetichistas com outras garotas e eu desejava imensamente estar no lugar delas. Ele estava ali procurando prazer e eu também tinha o meu perfil para isto. Até então sempre fui libertina e sai com muitos daquele aplicativo. Eu gostava por ser seguro em todos os sentidos.

Todos tinham que fazer exames frequentes para sermos livres e saudáveis para uma experiência completa, devíamos comprovar quem realmente éramos na realidade, e a discrição devia ser absoluta, os encontros eram sempre sigilosos. Éramos um círculo fetichista da alta sociedade. Banqueiros, empresários, empresárias, políticos, de ambos os sexos, todos em busca de uma safadeza.

Eu já me encontrei com Max pelos corredores do Fórum, ele promotor de justiça, sério, profissional de respeito. E eu sou advogada criminalista, transferida na cidade fazia dois anos. Ele uma delícia de músculos definidos e aproximadamente 1,80 de altura, olhos cor mel, lábios carnudos e o pau de dar água na boca, as fotos do site eram bem explicitas e deixava pouco para a minha imaginação. Eu queria era sentir a potência daquele homem.

Olho novamente para a tela. Decido publicar uma foto minha apenas usando uma máscara veneziana e nenhuma roupa. Recebo várias curtidas e chamadas para conversar no privado. Mas a curtida que me chama atenção, é próprio aquela de Max.

Respiro fundo e finalmente tomo coragem e escrever para o perfil dele.

_ Olá Max, prazer sou Ellen, seu perfil meu chamou atenção. Você gostaria de me encontrar?

Aperto envio e espero, depois de quase uma hora esperando, eu mando um ponto de interrogação e então ele responde.

_ Me dê uma razão!

Eu fico excitada, meu coração acelera. Se fosse outro, eu mandaria se lascar. Mas Max, eu o cobiçava fazia muito tempo para bancar a difícil. Mandei uma foto minha nua em uma pose sensual.

Depois de alguns minutos ele me respondeu.

_ Estou analisando seu perfil. Gosta das mesas práticas que eu, spanking, D/s, controle do respiro, controle do orgasmo, se submeter, mas não gosta de sexo anal?

Eu respiro fundo, penso um pouco. Mas resolvo ser sincera.

_ Não sou uma inocente, já fiz. Mas achei bem desconfortável.

Ele demora mais alguns minutos e envia outra mensagem.

_ Fez com o homem errado! Não sou o tipo de forçar nada, até porque aqui no aplicativo fazemos tudo consensualmente. Eu amo sexo anal, mas respeito você.  Mas te aviso que quando e “SE” ficarmos juntos eu vou te tratar tão bem que vai ser você a desejar ser possuída por mim em todos os seus buracos.

Um calor familiar me percorre o corpo, aquele mesmo calor que nos últimos meses eu sentia, ao ver os vídeos e fotos dele no perfil. Eu não respondo, pensando no que falar.

Ele apenas me manda um número e a mensagem.

_ 0350028666 Adicione meu número, me mande uma foto da sua buceta molhada e esteja disponível.

Eu adiciono o número dele. Abro bem as pernas, massageio meu clitóris escorregadio e tiro a foto.

_ Gosto do que vejo. Que horas você estará no escritório amanhã?

Eu gelo por um momento, mas depois tento manter a calma. Obviamente ele sabe quem sou, já me viu no Fórum. Então eu respondo diretamente.

_ Amanhã eu trabalho somente depois das 14 horas.

Ele manda outra mensagem.

_Bom saber. Boa noite.

Ele não tentou mais nenhum contato. E eu adormeci com meu notebook aberto nas fotos de Max. Acordei com os raios de sol entrando pela cortina.

Após minha rotina da manhã, finalmente estou na frente da máquina de café, quando alguém toca a campainha. Eu acho estranho não ter sido avisada pela portaria. Mas olho através do olho mágico e vejo que não tem mais ninguém. Eu olho através das câmeras de segurança e após ver que não tem ninguém no corredor, abro a porta para ver o que deixaram do lado de fora para mim.

Assim que seguro o pacote em minhas mãos e fecho a porta, meu celular vibra, ao ler a mensagem entendo tudo.

_ Quero ver o quanto você me deseja realmente. Mandei um presentinho para você, coloque seguindo as instruções e mande uma foto para mim.

Eu abro a caixa e tem um vibrador bonito e um pequeno plug anal. Eu imagino que ele está pensando que eu não vou usar, visto que eu disse que não apreciei sexo anal quando tentei com outras pessoas. Mas eu realmente estava tentada em sentir como ele me convenceria para tal coisa. Pego os dois objetos da caixa e somente quando levanto eles, percebo que tem mais outro vibrador vaginal, junto com outro bilhete onde está escrito vá trabalhar usando este vibrador menor na sua buceta, e se você se sentir bem quero você usando o plug anal o dia todo. Prepare-se para uma tarde animada.

Eu me sinto quente e muito safada. Vou até o banheiro e coloco o vibrador de agora e o plug anal. Tiro as fotos e envio para ele. Ele me liga em seguida, tremendo respondo e sua voz grossa e sensual me diz.

_ Ótimo. Escute, agora quero que você se deite e apenas sinta o que farei.

Caminho até o quarto, minhas pernas tremem, me deito na cama.

_ Estou deitada. _respiro fundo.

Eu sinto apenas as respirações fortes dele e o barulho dele se masturbando e logo tudo dentro de mim se move, é como se eu estivesse sentindo.

_ Max…

_ Shhh. Apenas sinta, quanto mais eu vou enfiar o meu pau no dispositivo aqui, mas você vai sentir vibrar dentro de você, e cada vez que você apertar eu sentirei daqui relaxe…

As vibrações aumentam a um nível intenso e eu sou todas gemidos, ele está ofegante do outro lado.

_ Você vai implorar por meu pau dentro de você. E eu vou foder sua buceta profundamente com todo meu tesão. Aperte seus seios, toque seu clitóris, me sinta dentro…

Eu estou gemendo ainda mais alto. Toda aquela sensação nova, tudo era excitante demais para me conter. Eu tremo gozando no objeto, clamando por Max dentro de mim.

Eu escuto seus gemidos profundos. Depois ele diz.

_ Me mande uma foto quando chegar no trabalho. Nosso dia está apenas começando…

Ele desliga e eu fico ali ainda tremula de um orgasmo insano.

A tarde quando chego no trabalho vou direto para o banheiro tiro a foto para mostrar que estou usando o vibrador menor que ele destinou para este momento e ainda continuo com o plug anal.

Ele não responde nada. Eu começo a trabalhar, me perco no meio de tanta papelada e começo a me perguntar se ele se esqueceu de mim.

Quando sinto uma vibração que me faz saltar na cadeira. Ele está telecomandando o vibrador dentro de mim. Deve ser um daqueles que usa da qualquer parte do mundo, ele deve estar usando o aplicativo do celular para me torturar deliciosamente.

Eu estava desesperada depois de duas horas intermináveis de vibrações oscilando, algumas vezes quase imperceptível, outras tão fortes que eu tinha que me segurar em algo.

Ele não me mandou mais nenhuma mensagem, e apesar de ter ido no banheiro me aliviar gozando feito uma ninfomaníaca eu estava de certa forma decepcionada, pois ele não tinha me mandado mais nenhuma mensagem. A única coisa que me fazia pensar que ele estava pensando em mim, eram as vibrações que me acompanharam durante todo o expediente.

Quando entro no carro e estou para sair recebo uma mensagem.

_ Venha agora para o seguinte endereço…

Eu coloco o endereço no GPS do carro e apenas confirmo que estou indo. Ele não diz nada e eu avanço para a estrada. Seria agora meu tão sonhado encontro com Max.

Chegando no endereço eu pego o celular para avisar que cheguei, mas os portões se abrem, eu entro para o caminho que leva para a luxuosa mansão. Sigo até chegar de frente a casa, lá está Max a minha espera. Camisa preta aberta mostrando seus músculos bem definidos, calça jeans colada em suas coxas perfeitas e seu sorriso provocante naquela boca carnuda. Ele faz sinal de onde devo estacionar o carro. Quando abro a porta ele vem ao meu encontro, eu fico sem jeito pela primeira vez, em um encontro do gênero.

Ele se aproxima e sem dizer nada, com uma fome voraz, ele puxa meu corpo contra o seu e me beija com imenso desejo, eu retribuo. Ele alisa minha bunda e aperta.

_Vamos, você ainda pode mudar de ideia, você sabe…

_ Eu quero você Max…

_Então, bem-vinda a minha casa.

Ele sorri e me puxa para dentro. A casa por dentro é tão luxuosa quanto o que vi por fora. Tudo em cores sóbrias, mas gritando luxo assim como o dono.

_Você quer beber algo Ellen?

_ Uma água por favor.

Ele sorri e sai. Voltando em seguida com uma garrafa de água mineral nas mãos.

_Acho melhor você se hidratar, aliás vai precisar de muita água. _ ele me entrega a garrafa e nos sentamos no sofá.

Como de costume antes de qualquer encontro fetichista, conversamos um pouco sobre os limites de cada um e o que faríamos e como faríamos.

Caminhamos juntos por um longo corredor até ele parar na frente de uma porta.

_ Aqui está a minha sala de jogos e tenho que te dizer que meus gostos são peculiares! _ diz ele rindo da situação.

_ Sim Senhor Grey, eu sou Anastácia, mas não sou virgem.

Ele dá uma risada alta e beija meus lábios.

_ Você possui um humor sagaz e estou adorando conversar com você Ellen. Mas agora realmente precisamos entrar em ação.

_Sou toda sua Max.

Ele sorri satisfeito e abre a porta. Uma grande e luxuosa cama king size toma conta de uma boa parte do quarto, do outro lado duas portas. Eu olho para ele curiosa.

_ A porta da esquerda é o banheiro, a da direita nosso parque de diversões…

Ele abre a porta e um sofá inflável para posições sexuais me chama atenção e também um balanço erótico suspenso ao lado da cama. Algumas velas perfumadas deixavam o ambiente ainda mais sexy. Ele tira os sapatos e sua camisa mantendo o contato visual. Depois ele se senta lentamente em uma poltrona.

_ Você conhece o jogo. Dispa-se!

Eu tiro as minhas roupas e fico totalmente nua em poucos segundos.

_ Quero você de quatro no chão!

Eu, como uma gata manhosa, me estico no chão, empinando minha bunda e deitando minha cabeça totalmente colada no carpete macio. Sinto ele soltar o ar pesadamente.

_ Você está completamente inchada. Pelo jeito gozou várias vezes durante o dia, vai ter dificuldades de aguentar meu pau…

Lembro das fotos e vídeos, o pau dele sempre me deixou com água na boca, perfeito, grande sem exageros e grosso na medida certa.

_ Farei um sacrifício! _ eu o provoco

_ Então a senhorita gosta de provocar. Tenho que te dar uma lição!

Ele se aproxima de mim, aperta minha bunda, puxa meus cabelos, beija minha boca e coloca meu rosto na posição de antes, colado no carpete, mas virado para o outro lado. Eu vejo seus pés nus indo em direção a um armário. Quando ele abre, vejo de relance vários acessórios, chicotes, padles, cane de bambù, algemas e tantos outros acessórios. Tenho de ver o que ele pegou, mas ele foi mais rápido. Sei que neste jogo eu tenho que esperar ele me dar uma ordem, funciona assim, mas eu me viro e a visão do seu corpo perfeito me deixam com ainda mais coragem para uma sessão mais intensa. Ele termina de tirar sua calça jeans e se vira. Eu rapidamente volto minha posição.

_Venha até aqui Ellen!

Eu me viro em direção a sua voz e vou engatinhando para ele que está se sentando na poltrona, totalmente nu. Eu vou lentamente até lá e me posiciono entre as suas pernas, ele alisa meu corpo, aperta a minha bunda. Sinto as vibrações voltarem dentro da minha buceta, vejo que ao lado dele na cama está o seu celular.

Ele me puxa para o seu colo e invade a minha boca em um beijo quente. Ele desliza os dedos sobre o vibrador e faz ainda mais pressão em meu clitóris e eu choramingo. Ele me gira rapidamente em seus braços me colocando de bunda para cima em seu colo. Ele alisa minha bunda, abre o máximo que pode e toca lentamente o plug, eu contorço-me e ele sorri. Ele me mostra a pequena padle de couro e meu coração acelera.

Ele alisa a minha bunda e enrolando meus cabelos em suas mãos ele se aproxima e sussurra.

_ Lembre-se da palavra de segurança que você escolheu…

_ Excelentíssimo _ eu sussurro em seus lábios e ele lambe demoradamente os meus.

Uma música invade o ambiente, eu a conhecia muito bem Dirt do Depeche Mode

Ooh, eu tenho sido indecente
E eu não me importo
Ooh, eu tenho sido indecente
E eu não me importo
Porque eu estou queimando por dentro
Por dentro eu anseio
E eu sou o fogo da vida

Ele aperta a minha bunda e eu sinto o primeiro golpe, tudo dentro de mim treme, seja pelas vibrações do vibrador, como também pelo desejo. Ele repete o golpe com ainda mais força e sinto o plug se mover. Eu solto meus primeiros gemidos. A sinfonia vai aumentando a cada golpe, a minha excitação a nível imensurável e sua ereção dura como pedra sob mim. Meus gemidos misturados com seus que eram bestiais.

Eu estava tremendo e ele golpeando ainda mais, até eu sentir o tremor que me levou para fora do meu corpo, um orgasmo intenso me invade, me deixando fraca em seus braços e o squirting sair abundante da minha buceta.

Ele me pega com cuidado e me leva para a cama, ele me beija e isto me acalma ao mesmo tempo que me deixa com ainda mais tesão ao ponto de implorar.

_ Max por favor… eu preciso te sentir dentro…

Ele alisa meu rosto, seus dedos vão para a minha boca e seu polegar demora em meus lábios. Eu chupo-o sofregamente e ele geme. Eu quero chupar ele e ele já entendeu, mas não está disposto a me dar isso neste momento.

Ele se abaixa entre as minhas pernas e faz uma longa lambida em minha buceta, eu acaricio seus cabelos e ele tira lentamente o vibrador de mim. Eu estou encharcada e trêmula, sem falar em todo o inchaço.

Ele pega um lubrificante na gaveta ao lado da cama e lambuza o seu pau, sempre mantendo contado visual comigo. Eu estou com a respiração entrecortada desejando-o dentro de mim. Ele se aproxima, posiciona sua ereção e tenta entrar em mim. Ele vai lentamente abrindo minha carne me trazendo dor e prazer ao mesmo tempo. Ele faz mais pressão e entra devagar. Eu estou gemendo, ele se abaixa e me beija enquanto estoca até o fundo.  Eu tremo sentindo toda a sua extensão me preencher, então ele para.

_ Max por favor…_ movo meus quadris e ele me segura sob ele.

_ Calma, eu não posso ir com força agora, você está muito sensível e extremamente excitada não sentiria se eu te machucasse, preciso que relaxe e te darei todo o prazer que você anseia.

Eu fico quieta apenas sentindo ele latejar e me moldar para o seu prazer, seus lábios estão no meu pescoço, nos meus seios.

Ele começa lentamente o vai e vem e eu gozo apertando seu pau, ele resiste e continua fodendo com força, suas mãos me puxam contra ele, que vai ainda mais fundo. Eu estou uma bagunça com certeza, estou sorrindo, chorando, gozando de prazer.

_ Que buceta gostosa Ellen, eu não quero parar de foder, você me apertando deste jeito me deixa ainda mais doido.

Ele acelera ainda mais, seus quadris estão batendo com toda força nos meus, até ele gemer alto e eu sentir seu gozo me preencher enquanto estou em espasmos em volta da sua grossa ereção.

Desabamos na cama recuperando a respiração. Eu estava trêmula e extremamente sensível com o toque dele na minha pele. Ele estava abraçado comigo fazia alguns longos minutos.

_ Você está bem?

_Sim. Não se preocupe foi intenso.

Ele sorri nos meus cabelos.

_Podemos continuar se você quiser experimentar algo mais.

Eu estou com pouca energia, mas sentir que sua ereção não desapareceu e está colada na minha bunda me deixa ainda mais excitada.

_Anal? _eu pergunto rapidamente

_ Você quer tentar?

_ Sim. Não sei se vou gostar, todas as vezes que fiz não gostei.

Ele me aperta em seus braços e desliza seus dedos em minha bunda fazendo o plug se mover.

_Eu não sou eles!

_Ainda bem…

Ele me levanta e me puxa para o banho. Enquanto a água corre por nossos corpos, a boca dele não deixa a minha e o tesão volta com força total.

Ele se afasta e estamos ofegantes. Um sorriso provocante surge nos seus lábios e eu entendo o que ele quer.

Eu caio de joelhos aos seus pés e engulo seu pau até sentir ele bater no fundo da minha garganta, me fazendo engasgar. Ele puxa os meus cabelos e fode minha boca de maneira selvagem. Sentir sua ereção na minha garganta, me preenchendo me deixa extasiada.

Ele se retira de dentro e me puxa para seu abraço me beijando em seguida. Ele fecha a água e seca meu corpo, em seguida seca o seu.

Ele me leva de volta para o quarto, ele me olha com malícia e aponta em direção ao balanço do lado da cama.

_Nunca experimentei um desses. _ confesso

_Fico feliz em ser o primeiro a te apresentar. Venha, vou te ajudar.

Ele me senta no balanço, passa com cuidados as alças em minhas coxas e meus pés. Ele me mostra onde tenho que segurar com as mãos. Sorrindo, ele se afasta e volta com gel lubrificante, ele se abaixa entre minhas pernas abertas ao máximo, uma pose ginecológica. Eu sinto seu hálito quente entre minhas coxas, seus dedos brincam com o plug e eu me seguro forte no balanço. Ele lentamente retira o plug e eu sinto a ausência do objeto que me alargou para ele durante o dia todo.

Sinto ele esparramar gel onde estava o plug e lentamente me invadir com seus dedos. Eu me sinto profana, extremamente excitada.

_ Max … Max isto é… delicioso…

Ele sorri baixinho e sinto seus lábios quentes em minha buceta. Abrindo minha carne e deslizando sua língua esperta em cada pedacinho de mim.

 Meus mamilos estão duros de desejo e eu estou gozando novamente em sua boca enquanto seus dedos fodem despudoradamente meu cuzinho.

Após beber cada gota de mim ele me olha nos olhos.

_Use sua palavra de segurança se quiser que eu pare. Assim fica mais fácil perceber que você realmente não quer. Entendeu?

Eu afirmo e ele posiciona seu delicioso pau na minha bunda, sinto a pressão e jogo automaticamente meu corpo para trás.

Ele segura meus quadris e puxa para ele avançando cada vez mais para dentro de mim.

_Max… espera…

_ Se acalme, relaxe querida.

Ele começa a tocar meu clítoris e eu me abandono em delicioso toque em minha buceta escorregadia.

Não demora e ele me penetra a buceta com dois dedos deixando a palma da mão virada para cima, seu polegar sobre meu clítoris massageando. Eu estou rebolando, sentindo seu pau invadir meu cuzinho, seus dois dedos dentro da minha buceta flexionando freneticamente e seu polegar castigando meu clítoris eu gozo em seus dedos e eu mesma desço em sua ereção. Eu sinto-o profundamente em minha bunda. Ele solta um gemido em meu ouvido.

Ele fica parado e então entendo que ele está esperando-me acostumar-se. Assim como ele fez com a minha buceta, quando eu estava inchada.

Alguns minutos depois ele começa as investidas deliciosas abrindo minha bunda para nosso prazer.

Quando ele chupa meus seios ele puxa ainda mais o meu quadril e me enche com seu gozo.

_ Que delícia de cuzinho. Você é deliciosa Ellen

_ Você também é gostoso. _ pisco para ele, que sorri e me ajuda a descer do balanço.

_Vamos senhorita provocante. Vou dar um delicioso banho em você e te colocar para dormir em meus braços. Só quero deixar explícito o meu desejo que este encontro seja o primeiro de muitos outros.

Fomos para a banheira com água perfumada, ele me encheu de beijos e muito carinho. Dormi em seus braços como ele prometeu e aquela foi a primeira de muitas de nossas deliciosas aventuras juntos.

Continua… https://afroditelesfolies.com/2021/07/09/excelentissimo-me-foda-2/

Eu já tinha perdido a conta de quantas doses de tequila eu tinha bebido.  Hoje era minha folga do restaurante e encontrei algumas amigas na boate.  Eu estava feliz por estar de folga, a única coisa que me chateava quando estava longe do trabalho era não ver o motivo dos meus orgasmos a noite o Chef da cozinha, Fabrizio.  Todos os pratos que ele preparava eram perfeitos e uma delícia assim como ele. O problema é que ele adorava me irritar o tempo todo e eu retrucava. Mas quando os olhos dele fixavam-se nos meus, eu sempre sentia um calor inexplicável pelo meu corpo, que se concentrava entre as minhas pernas.

Uma das minhas amigas me puxa para a pista de dança e eu me abandono ao som de Dua Lipa – New Rules e ignoro meus pensamentos.

Eu estava dançando animadamente, até pensar ter visto um rosto familiar em meio à multidão que me olhava sem parar. Eu paro de dançar e olho novamente naquela direção, mas não vejo mais nada. Tudo gira ao meu redor e sinto vontade de vomitar.

Eu tento chegar o mais rápido que posso no banheiro, lavo meu rosto e tento me recompor, aliviada por ter sido apenas um mal-estar momentâneo e eu não ter abraçado o vaso como eu previa.

Eu volto para onde estão minhas amigas, pego minha bolsa e despeço-me de todas, era hora de voltar para casa e descansar. Elas insistem para que eu fique, mas nego e sigo para fora em busca de um táxi. O que obviamente seria difícil naquele horário. Eu então resolvo ir para a estação de trem ali perto, ficava a apenas dois quarteirões.

Eu aperto passo e tento me equilibrar nos meus saltos, passo perto de dois homens encostados no muro e os mesmos assoviam para mim. Eu amaldiçoo o meu vestido curto e meu decote. Mas me amaldiçoo mais ainda por ter tido a ideia estúpida de caminhar sozinha até a estação de trem. Eu apresso os passos, mas escorrego e caio no chão.

Sinto mãos fortes me levantando e logo estou nos braços de alguém, meu grito é interrompido quando vejo o homem que está me segurando, Fabrizio.

_ Desculpe, eu não quis te assustar Leticia. Mas eu estava indo buscar meu carro e vi você cair. _ sua voz quente me causa arrepios

Eu olho para ele tentando pensar, tentando ser coerente com meus pensamentos.

_ Você andou me seguindo? _ eu aliso seu peito, mas depois disto a escuridão me consome.

Acordo com um delicioso perfume de comida. Olho em volta, pela fresta das cortinas posso ver que é dia. Eu estou completamente nua em baixo dos lençóis. Eu tento entender onde estou até ver a foto na cabeceira da cama, puta que o pariu, como vim parar na casa do Fabrizio? Na cama dele!

Me levanto da cama meio zonza e procuro algo para vestir, encontro uma camisa de Fabrizio e sigo em direção ao aroma de comida que estava sentindo, chego na cozinha e vejo Fabrizio em frente ao fogão concentrado no que estava fazendo enquanto saboreio aquela visão maravilhosa dele só de calça cozinhando, respiro fundo sem perceber que fiz isto alto demais, ele se vira e sorri.

_Leticia, que bom que acordou. Espero que esteja com fome, estou preparando uma massa para nós, espero que não esteja enjoada. Afinal acho que você bebeu um pouco além da conta, pois você praticamente desmaiou em meus braços.  

 __ Estou bem Fabrizio obrigada por se preocupar e por ter me ajudado. Desculpe, eu …

Ele me olha um olhar de repreensão.

_ Todos nós já perdemos a linha alguma vez na vida. Relaxa, não estou te julgando.

Ele sorri e volta a mexer as panelas, eu observo seu corpo perfeito, eu me sinto quente tanto quanto a comida que ele está fazendo. Eu preciso tirar as dúvidas que ainda pairam na minha mente, mas preciso criar coragem.

_ O cheiro está muito bom, aliás você prepara os melhores pratos que eu já experimentei.

Ele ergue a sobrancelha e me olha curioso. Ele joga o pano de prato sobre o ombro, e o movimento dos seus músculos se esticando me fazem salivar. Ele me olha confuso e eu sem pensar disparo.

_ Eu queria saber… quer dizer eu quero saber _ele está sorrindo do meu embaraço então reúno forças_ Por que acordei nua na sua cama? Aconteceu algo entre nós?

_Não, Letícia eu tirei suas roupas só para que você ficasse mais confortável, além do mais estavam sujas, eu as coloquei para lavar. Eu mal te olhei, e dormi no sofá da sala. _ ele faz uma pausa.

Ele pega uma garrafa de água na geladeira e me entrega, demorando seus olhos nos meus. Antes de se afastar ele fala.

_ E fique sabendo que quando nós ficarmos juntos você vai se lembrar com riqueza de detalhes. Você vai estar sóbria e vai implorar para eu te pegar de jeito.

Seus olhos percorrem meu corpo, e apesar de sua camisa ser longa e tampar cada curva, eu me sinto nua sob seu olhar. Eu fico calada tentando pensar em uma resposta e ele continua.

_Você vai me sentir dentro de você por horas, eu vou fazer você implorar por meu pau dentro de você. _ele fala baixinho no meu ouvido e me sinto molhada no mesmo instante.

Ele se afasta e vai terminar nossa massa, eu não consigo falar nada, eu bebo a água buscando hidratar e criar coragem de falar algo, pois meu corpo já me denunciou, olho os meus mamilos duros sob o tecido da camisa dele. Diante do meu silêncio, ele calmamente, pede que arrume a mesa.

Faço as coisas automaticamente, perguntando apenas onde estão o que precisarei para arrumar a mesa e ele não diz mais nada com contexto sexual.  Mas eu não consigo tirar da minha cabeça ele me falando que vou sentir ele dentro de mim por horas. Sinto ele chegar atrás de mim, ele se encosta propositalmente me fazendo sentir a sua ereção pressionando levemente em meu corpo, e isto me faz me sentir ainda mais quente. Molhada por ele está estar me rodeando enquanto arrumo os pratos. Enfim ele diz que a refeição está pronta.

Sentamos a mesa e mais uma vez eu agradeço Fabrizio por ter me ajudado. Ele apenas sorri e serve a pasta para mim enquanto naturalmente diz:

_ Não finja que você não percebeu o meu desejo. Aliás Letícia, confesso que te acho sexy tempo todo. Eu me controlo para não te agarrar todas as vezes que te vejo no restaurante, me seguro para não te levar para a despensa e beijar sua boca até você dizer sim.

_ Nunca percebi isso. Aliás nunca te vi tão direto assim.

_ Nunca tivemos a oportunidade. _ ele sorri provocante

Durante todo o almoço sinto o olhar de Fabrizio em mim, enquanto conversamos amenidades, terminamos a refeição e começamos a tirar a mesa, eu faço questão de limpar a bagunça, já que ele cozinhou, ele não se opõe, ele se acomoda na bancada e fica me observando enquanto organizo as panelas e pratos na lava louças.

_Você não imagina o quão duro estou com essa visão do seu traseiro.

Até agora eu deixei ele me provocar, mas agora eu mostraria para ele que este jogo em dois é mais divertido. Eu me viro devagar, olho nos olhos dele e peço:

_ Venha me mostrar! Pois estou curiosa!

Ele se aproxima lentamente encosta os lábios e na minha orelha e morde lentamente. Ele pega minha mão levando na frente da calça dele, eu acaricio seu membro e ele geme, com um olhar desafiador ele diz:

_ Sua sobremesa está pronta docinho.

_ Quer me dar na boca? Preciso experimentar para ver se é do meu agrado.

Ele me dá um beijo quente e me coloca sobre a bancada da cozinha e leva suas mãos no meio das minhas pernas e começa a me acariciar.

_ Você está encharcada! Que delícia. Leticia sinto em te informar, mas acho justo que o Chef saboreie a sobremesa dele primeiro, faz muito tempo que eu salivo desejando te provar.

Ele abre minhas pernas apoiando em seu ombro e começa a me chupar com vontade, eu seguro seus cabelos bem forte para que ele não pare, a sensação é muito gostosa, de repente ele enfia dois dedos em mim e sua língua continua me devorando.

_ Me fode! _ eu falo olhando em seus olhos.

_ Ainda não Leticia. Quero te levar ao êxtase.

Ele continua com seus dedos dentro de mim, atingindo um ponto mágico que me deixa em total descontrole e eu explodo em um gozo fenomenal. Esse homem me faz gozar forte como sempre imaginei que faria, eu imaginava assim quando me tocava a noite pensando nele. Penso comigo.

Ele se levanta lentamente, lambendo os lábios de forma tentadora. Ele leva seus dedos molhados dos meus líquidos em sua boca e geme baixinho.

_ Seu gosto é muito melhor do que eu imaginava docinho, a melhor sobremesa do mundo.

Ele me beija e quando ele me solta eu estou com mais tesão que antes ao sentir seu pau duro pressionado contra mim.

_ Eu ainda estou com água na boca Chef, você não pode me deixar sem a minha sobremesa, agora e a minha vez de me saciar.

Ele sorri e me ajuda a descer da bancada, eu fico de pé com um pouco de dificuldade, por causa do êxtase que experimentei com a boca dele na minha buceta.

Ele me puxa para a sala, ele se despe rapidamente e se senta no sofá.  Eu tiro a sua camisa do meu corpo, lentamente, e fico nua para apreciação dele, vou andando devagar na direção dele olhando em seus olhos, eu me ajoelho diante dele e seguro seu membro em minhas mãos, seguro bem firme e começo a saborear o objeto dos meus pensamentos, dou uma lambida nele e ele suspira, eu o engulo até senti-lo no fundo da minha garganta.  Eu não paro de olhar ele nos olhos. Ele fica hipnotizado a cada movimento de vai e vem dos meus lábios e isto me deixa ainda mais excitada. Em ver ele perdendo o controle, enquanto me vê saboreando seu membro, sentindo-o bater no fundo da minha garganta e dando uma leve engasgada, vê-lo sair da minha boca bem babado.

De repente ele segura meu cabelo e sem tirar os olhos de mim me beija com fúria, com desejo.

_ Eu preciso te foder, sente-se no meu pau agora!

E eu como uma boa garota me levanto e começo a rebolar sobre seu pau, me posiciono e sinto ele me preenchendo de uma maneira maravilhosa. Eu quase perco o controle das minhas pernas, eu agarro seus ombros e subo e desço sentindo seu pau me preencher deliciosamente.

Ele me segura impedindo que eu me mova sinto ele pulsando dentro de mim, de repente ele me libera eu começo a rebolar novamente, ele leva seu dedo até meu clitóris massageando e sua boca até os meus seios, eu gemo seu nome me sentindo hiper estimulada por ele. E não quero que essa sensação acabe nunca.

Ele me agarra com força e fica por cima de mim. Ele sai lentamente de mim e eu choramingo. Ele sorri, ergue minhas pernas e me penetra com força total. Os movimentos dele são frenéticos me preenchendo toda.

_ Ah! Letícia você é gostosa demais. E eu não vou me acostumar a ficar sem me enterrar nesta buceta…

Eu ofego e com as suas estocadas, balançando meu corpo contra o seu, confesso:

_Eu estou disposta a experimentar muito mais…

_  Então você vai ter. _ ele sorri.

Uma onda ainda mais forte me percorre o corpo. O orgasmo vem ainda mais potente. Ele sai de dentro de mim, e chupa minha buceta até eu perder as forças em sua boca novamente.

Quando estou no ápice de outro orgasmo ele me penetra com toda sua força esticando minha carne. Ele geme profundamente e urra meu nome. Ele estoca mais algumas vezes e me enche com seu gozo quente.

Ele me puxa para os seus braços e ali permanecemos até recuperamos o fôlego.

_ Espero que você saiba que eu estava falando sério Letícia. Eu sempre quis você, desde que você começou a trabalhar ali, durante estes dois malditos anos te desejei nos meus lençóis. Mas nunca tentei, pois, achei que não me queria.

_ Quem não quer você Fabrizio? Eu achava que você mal me via. Tantas que querem você, a mulherada faz fila no restaurante por sua causa.

Ele alisa minhas costas lentamente e olhando em meus olhos ele diz:

_Nunca me importei e não me importo com nenhuma delas. E depois de te provar, eu fiquei viciado no teu sabor.

Ele me beija com paixão. E permanecemos em um silêncio confortável, como se já fossemos íntimos a muito tempo.

Descansamos um pouco no sofá. Depois de um momento ele se levanta e me pega pela mão, me levando para o banheiro.

Ele abre o chuveiro deixa que eu entre primeiro quando estou debaixo do jato de água sinto ele atrás de mim, ele pega o sabonete das minhas mãos e me ensaboa lentamente, demorando nos meus pontos mais sensíveis, me alisa com muito carinho.

_ Agora é a minha vez de ensaboar você Chef.

Eu aproveito e deslizo minhas mãos naquele peitoral perfeito que sempre me encantou. Desço lentamente e agarro o seu membro em minhas mãos, eu o ensaboo devagar numa deliciosa tortura, ficamos nessa brincadeira por um tempinho até que ele desliga o chuveiro e me estende uma toalha.

 _ Vou pegar sua roupa na lavanderia.

Eu sabia que estava quase na hora de irmos para o trabalho eu teria que ir. Eu sigo para o quarto dele, me enxugo, enxugo meus cabelos. Eu sinto frio então coloco outra camisa sua, coloco uma calcinha limpa que estava na minha bolsa, e calço meus saltos altos.

Quando ele chega com meu vestido nas suas mãos me olha nos olhos e diz:

_ Realmente minhas camisas ficam muito melhores em você, e o que é isso que está em seu corpo? _ ele alisa sob a camisa.

_ Minha calcinha? _ respondo divertida

 _ Meu Docinho, quando estivermos juntos, lembre-se, não há necessidade de calcinhas! Eu quero ter livre acesso a sua buceta, e para provar que eu não estou brincando vou te mostrar o que farei…

Ele me pega nos braços e me leva para a cozinha sempre me beijando. Ele me coloca na bancada da cozinha e continua a me beijar. Ele morde meus lábios e desce fazendo uma trilha de beijo e chupões até os meus mamilos, ele termina de tirar a camisa, eu tento alcançar meus sapatos ele segura minhas mãos.

_ Deixe os saltos! Sempre quando eu te via na recepção andando de um lado para o outro exibindo suas pernas perfeitas eu ficava imagina te foder, enquanto você usaria apenas seus saltos.

_ Pelo jeito você nutria muitas fantasias comigo. _ eu beijo seus lábios.

Quando me afasto uma de suas mãos vai para os meus cabelos, ele os enrola e me puxa para mais perto.

_ Eu ainda tenho muitas fantasias com você, ainda temos muito a fazer. _ ele sussurra

As palavras dele foram uma promessa quente que molham minha calcinha. Parecendo perceber o efeito que me causa, ele apenas sorri e me beija com mais paixão. Ele puxa a toalha que está em seu quadril e posso ver a sua majestosa ereção pronta para mim. Ele sorri ao ver minha reação, ele se toca se masturbando por um pouco, enquanto ele alisa minha calcinha molhada com seus dedos. Eu me contorço e seguro a bancada com ainda mais força. Ele se aproxima se colocando entre as minhas pernas e sussurra.

_ Você confia em mim?

_ Sim.

Ele se curva ainda mais sobre mim, sinto que ele alcança algo na bancada e volta beijando com ainda mais paixão, sua ereção pressionada contra mim. Eu tento alcançá-lo, mas ele se afasta e me olha. Ele mostra o objeto em sua mão. Uma pequena faca. Eu arfo e ele sorri.

_ Se você não confiar posso parar.

Eu dou o consentimento e ele aproxima o objeto da minha pele, ele levanta o tecido delicado da minha calcinha e começa a cortá-lo tão lentamente, que me faz ofegar ainda mais, desejando-o dentro de mim desesperadamente.

_ Eu disse, nada de calcinhas Docinho! _ ele beija minha barriga e depois o interno das minhas coxas

_ Fabrizio, por favor…

Ele se abaixa novamente e suga meu mamilo. Ele termina de cortar minha calcinha e joga a faca na pia. Ele desce lambendo minha barriga, até me abrir com sua língua esperta e tirar todo o orgasmo possível de mim. Quando estou exausta, ele se levanta e me penetra lentamente, quase uma tortura cada um dos seus movimentos. Eu o quero mais rápido, mais potente. Mas ele vai lentamente, despertando sensações que eu desconhecia. Eu tremo e ele vai mais fundo.

_ Você é quente Leticia….

_Sou por você, eu quero mais, mais, por favor…

Ele acelera os movimentos, ele fecha os olhos e me aperta por um segundo onde ele perde o controle. Logo se recupera, ele me olha de maneira sensual e dominante.

_ Goze comigo…

Ele desliza seu dedo em meu clitóris e o castiga deliciosamente, enquanto seu pau me preenche toda a cada estocada. Nossos corpos são suor, desejo e paixão. Gritamos no mesmo momento em que com contrações ritmadas eu o apertei dentro de mim e ele pulsando me encheu com sua porra.

Depois de muito carinho e beijos indecente, concordamos nossa ida ao trabalho juntos. Eu tinha meu uniforme no armário, então poderia ir com ele sem problemas.

 Nossos dias a partir daí seriam bem mais divertidos. E depois daquele dia na minha culinária passou a ser bem mais saborosa e no meu quarto nunca mais faltou sexo apimento e cheio de prazer.

Conheci Ramon na minha adolescência, através de meu irmão. Ramon era alto, moreno claro, tinha os olhos apertadinhos e um sorriso lindo. Ramon se tornou figura presente em minha casa e sempre foi um amigo querido por todos.

Ramon se mudou para outro estado e perdemos contato. Anos mais tarde, reencontro Ramon através das redes sociais e percebo quão bonito ele se tornou com o passar do tempo.
Por várias vezes tentei reatar a amizade, com a intenção de que ele perceba o desejo que sinto por ele, mas ele sempre me tratou com respeito e certo distanciamento.

Até que um dia, após um sonho em que Ramon surgia de sunga branca, levemente transparente, e eu rebolava minha bunda em seu membro. A partir daí tudo mudou entre nós, pois decidi contar para Ramon sobre o sonho, mesmo sabendo que poderia ser o fim definitivo de nossa amizade.
Mas fui surpreendida quando ele se mostrou interessado a ouvir tudo o que aconteceu entre nós, no meu sonho depravado.
A partir deste momento, nossas conversas se intensificaram e nos falamos todos os dias, aumentando ainda mais o nosso desejo e a vontade de estarmos juntos em breve.

Enfim chegou o dia em que Ramon retornou à minha cidade para visitar a família e saciar seu desejo incontrolável de estar dentro de mim. Quando a noite chega, ele finalmente vem me buscar, cheiroso, lindo como sempre. Não posso deixar de reparar em seu corpo, ainda mais definido que da última vez que nos vimos. Depois de uma breve conversa amigável, nossos olhares já não deixam dúvidas para mais nada. Ele me leva até seu carro e abre a porta para mim. Quando ele entra, imediatamente toca o meu rosto, me beija com delicadeza mas posso perceber o quão excitado ele está. Nossos momentos juntos foram agradáveis mas não podíamos mais esperar, o tesão nos consumia.

Chegamos ao hotel em que Ramon fez reserva. Adentramos o elevador, ele me abraça, passando suas mãos grande ao longo das minhas costas e não me contive, beijei Ramon com intensidade e ele retribuiu pegando em minha bunda com força, me trazendo para mais perto de seu corpo, mostrando para mim o quão duro ele está. Aliso seu pau por cima da calça e ele retribui alisando meus seios.

Assim que entramos no quarto, Ramon me faz sentar em seu colo, de frente para ele, mantendo seus olhos nos meus.
Na playlist do meu celular toca Desire, de Meg Myers.



Ele começa a me beijar calorosamente, sua língua encontra a minha e nosso beijo só faz aumentar o meu desejo. Ele desce sua boca carnuda por meu pescoço, enquanto suas mãos tocam meus seios.
Seu toque me faz arquear involuntariamente. O arrepio na minha pele me condena, estou muito excitada. Rapidamente, Ramon tira o meu vestido e me deita na cama. Começa a beijar todo o meu corpo, e enquanto sua boca alcança meu seio, a outra desce por minha barriga até chegar ao meu clitóris. Solto um gemido e Ramon dá um sorrisinho safado de quem vai me torturar a noite toda, da maneira mais deliciosa.


Agora toca Do ir for me


Ele se torna mais intenso quando desliza seus dedos para dentro da minha boceta molhada, que a esta altura está sedenta por ele. Ele me beija com paixão, suas mãos percorrem todo o meu corpo e eu toco seu pau, batendo uma punheta para ele.


Ele quer me ver saciada, então tira sua boca da minha, puxa minha pernas para a beira da cama e abocanha meu clitóris. Eu agarro seus cabelos, trazendo-o mais para perto de mim. Ele entende a minha necessidade e me chupa por inteiro.
Seu pau é ainda mais gostoso do que eu poderia imaginar. Eu o desejo cada vez mais, controlo
minha respiração, relaxo os meus músculos da garganta enquanto toca Dangerous Woman


Levo-o profundamente até senti-lo por inteiro. Volto engasgando com a sensação dele me preenchendo, ele urra e segura os meus cabelos, dizendo o quanto eu o deixo louco.
Preciso sentir Ramon dentro de mim e então peço que ele me foda. Prontamente ele me atende e começa a pincelar seu pau na entrada da minha boceta e sem que esperasse, ele me invade. Gememos juntos, enquanto aperto seu pau grosso com minha boceta. Ele começa a me foder lentamente até eu me acostumar com ele dentro de mim. Pouco depois, ele me fode freneticamente, me fazendo delirar de prazer.

Eu quero mais, preciso aliviar todo o desejo que consumia meu corpo, me fazendo arder de prazer. Ramon percebendo minha necessidade, me coloca de quatro e começa a chupar minha boceta, ao mesmo tempo em que coloca um dedo dentro do meu cuzinho. Assusto com seu toque inesperado mas o prazer que sinto é inigualável, então permito que ele continue.


Novamente Ramon está posicionado na minha entrada e agora sem nenhuma piedade, me fode de maneira violenta. A cada estocada, sinto uma onda de calor percorrer meu corpo. Sua mão toca meu clitóris enquanto ele me faz sua, me levando rapidamente a um orgasmo intenso. Ramon não está longe de explodir e então eu me posiciono à sua frente, e com um toque suave, alcanço seu pau com minha boca. Ele geme e eu o devoro. Passo minha língua por toda a extensão do seu pau delicioso até chegar em sua glande, que de uma só vez, engulo todo. Mais uma vez me vejo engasgada e preenchida por ele. Repito os movimentos, cheia de desejo.

Desço uma de minhas mãos e acaricio o meu clitóris duro de tesão. Mantenho contato visual com ele e em um momento percebo que os músculos de suas coxas tremem e ele busca o consentimento e eu continuo mostrando a ele que quero senti-lo até o final.


Ramon ainda está rígido e diz que precisa se aliviar dentro de mim. Rapidamente me posiciono de maneira que minha bunda fica totalmente exposta para ele. Ele alisa minha bunda, me deixando ainda excitada, e em uma estocada apenas, explora minha buceta com rápidos movimentos de vai e vem.


Imploro para que ele continue, para que me faça gozar em sua ereção. E assim ele faz, intensifica ainda mais o ritmo de suas estocadas ao mesmo tempo em que puxa meus cabelos. O meu gozo não tarda e ao ver meu corpo se contorcendo, ele explode junto.

Agora estamos extasiados, nossos corpos colados e um beijo apaixonado finaliza, momentaneamente, nossa transa.
Continuamos a nos dar prazer durante toda a noite, misturando tesão com carinho, desejo e
posse.
Ramon me fez sua e agora, todos os dias, meu corpo clama por ele.

Alice

Como dar a ele uma punheta incrível
As mãos não são apenas úteis para realizar nossas tarefas diárias, mas também podem proporcionar prazer sexual requintado. Podemos acariciar o rosto de um amante enquanto o beijamos, despir um ao outro tão rápida ou lentamente quanto desejarmos e estimular as partes externas e internas do corpo com precisão especializada. Neste artigo, vou lhe dizer como fazer uma deliciosa punheta nele.

O que nos rodeia pode ter um impacto dramático em nosso prazer. Em outras palavras, é mais provável que você desfrute de momentos sensuais em um quarto descontraído, confortável e arrumado do que cercado por roupas sujas e canecas de café velhas. Não precisa ter luxo, mas ordem e limpeza são fundamentais.

Limpe com antecedência e evite um momento de último minuto “vamos tirar toda essa merda do caminho primeiro”, que pode ser um verdadeiro assassino da paixão.

Use lubrificante
Fricção ao esfregar? Não, obrigado. Deslizamento sedoso e sensual? Sim, quero isto!

Certifique-se de usar o lubrificante em todas a extensão de suas mãos. Uma punheta incrível nunca incluirá dor ou desconforto.

Lambuze!

O lubrificante à base de água tem tendência a evaporar com o tempo e devido à temperatura corporal, por isso muitas vezes tem de ser reaplicado varias vezes. Se você não quiser interromper para colocar mais lubrificante, pode optar pelo lubrificante de silicone. Lubrificantes de silicone não evaporam durante o uso, eles só podem ser lavados com água e sabão. Isso torna o lubrificante de silicone uma escolha popular.

Algumas pessoas não gostam da sensação do lubrificante de silicone, então sempre opte por outro tipo, apesar de sacrificar alguns escorregadios ou ter que reaplicar durante a sessão. Outros tipos de lubrificantes incluem híbrido, que é uma mistura de água e lubrificante de silicone, bem como lubrificante à base de óleo (geralmente óleo vegetal ou óleo de coco).

Contato visual
Há algo intensamente erótico em olhar diretamente nos olhos de alguém enquanto você a estimula sexualmente, ou em seu amante olhando nos olhos enquanto lhe traz satisfação sexual. Olhar nos olhos dele enquanto usa suas mãos para dar prazer ao seu pênis é com certeza uma grande emoção, adicionando outra camada de estimulação.

Pode ser divertido desafiá-lo sem palavras a manter contato visual com você, enquanto ele está lutando para não deixar seus olhos rolarem para trás, suas pálpebras fechando contra a estimulação orgástica enquanto ele solta gemidos guturais de prazer.


você está se concentrando em dar prazer intenso ao pau e às bolas do seu parceiro com as mãos – e deveria estar conversando ao mesmo tempo?

Eu não recomendo que você comece a falar sobre o clima ou as tarefas domésticas que precisa fazer em casa ou problemas do trabalho, mas existe uma conversa quente durante uma punheta que pode deixar seu parceiro ainda mais duro em suas mãos.

Diga a ele como você está excitada por tocá-lo assim. Como cada gemido que ele faz te excita. Mantenha aquele contato visual enquanto diz que você não pode esperar para sentir ele em todos os lugares, do jeito que você e ele gostam. Que anseia por seu esperma quente jorrando abundantemente em …Você.

Uma conversa suja durante a punheta também é uma oportunidade para garantir que você acertou os pontos certos. Pergunte se ele gosta disso, diga-lhe para colocar as mãos onde quiser, pergunte se você deve ir mais rápido ou mais devagar. Ouça os sons que ele faz e observe o que o fez estremecer assim – e se foi um suspiro agradável ou não!

Agora algumas dicas práticas para a punheta mais incrível de sua vida.

Acredite ou não, há mais para fazer uma punheta incrível do que empurrá-la por um tempo e esperar que haja um esguicho feliz no final. Confira toda a anatomia por lá. Dê uma boa olhada. É mais do que apenas paus e bolas.

Dica
A cabeça do pênis, que pode ou não ser envolvida ao serrar pelo prepúcio durante os movimentos.

A cabeça do pênis é extremamente sensível, portanto, tome cuidado ao estimular essa área. Se você tiver um prepúcio, a sensação da pele movendo-se para cima, e sobre a pele da ponta do pênis pode ser melhor do que tocá-la diretamente com os dedos.

Dito isso, uma técnica de grande consistência e em agarrar seu eixo com uma mão e usar a palma de sua mão na cabeça de seu pênis. Certifique-se de que você e ele estão lubrificados e massageie suavemente em círculos giratórios.

Colarinho
O frênulo é uma área pequena, mas extremamente sensível; um feixe de nervos na parte de baixo do colarinho.

Use as pontas dos dedos para acariciar levemente o frênulo enquanto move sua haste. O lubrificante que você está usando garantirá uma aparência espetacular, sem qualquer sensação horrível de fricção seca.


Existe o comprimento longo e pulsante de seu eixo duro e quente. A pulsação pode ser ainda mais vigorosa na base de seu eixo, onde o pênis encontra seus testículos.

Alterne entre uma pegada firme (mas não MUITO firme!) E uma pegada mais leve, quase preguiçosa, de seu eixo enquanto você o trabalha para cima e para baixo. Aproveite a sensação dele apertando em sua mão e a pulsação enquanto seu pau se aproxima da satisfação. Observe o que o deixa louco e lembre-se dessas técnicas … pode ser uma pressão um pouco mais forte com um dedo em um determinado ponto, ou uma certa velocidade e ritmo sustentado.

Você pode então provocar, mudando para outras formas de sensação quando sentir que ele está perto do orgasmo e atrair prazer enquanto você ousar ou ele puder suportar. O orgasmo final será intensamente poderoso e inesquecível!

Testículos
Suas bolas cheias se movem mais alto durante a excitação intensa e o saco da bola (escroto) aperta e contrai a pré-ejaculação.

É fácil focar apenas na extensão do pênis ao fazer uma punheta; afinal, essa é a área em que está o centro das atenções. Mas não se esqueça de tomar cuidado com as bolas dele também. Eles podem parecer delicados e frágeis, mas sua sensibilidade tem o benefício colateral de ser capaz de dar-lhes um prazer delicioso.

As unhas roçadas levemente contra a superfície farão com que a “mochila” se contraia e se contorça de prazer. Segure-os em uma mão, enquanto a outra continua a estimular seu eixo, fazendo-o sentir que você o cobriu completamente. Puxe-os para baixo – com cuidado, veja quanta pressão é boa para eles – e então com mais firmeza, mas novamente lentamente. Você está almejando uma deliciosa sensação de puxar e esticar suas bolas enquanto bombeia seu eixo, não um empurrão ou puxão! Deixe que as reações dele o guiem até o fim.

À medida que as bolas se movem para cima devido ao seu estímulo e sua subsequente excitação, e o saco parece mais firme, outra região sensível fica mais acessível aos seus dedos aventureiros …

Períneo
O períneo é a área entre as bolas e o ânus.

O períneo é uma área divertida para explorar e estimular. Você pode fazer uma massagem firme ou círculos extremamente leves para se misturar com o estímulo que está dando com a outra mão.

Jogo anal
E então, é claro, você sempre pode misturar algum jogo anal se é isso que ele (e você) gostem. Eu definitivamente recomendaria uma discussão preliminar para isso; ninguém gosta de um dedo ou quatro introduzidos sem aviso previo em uma região tao sensível e cheia de tabus para muitos homens, especialmente alguém que nunca usou brinquedos de sexo anal ou experimentou brincadeiras anal.

Se vocês dois decidirem adicionar um pouco de anal, certifique-se de que suas unhas estejam lisas primeiro e, em seguida, adicione mais lubrificante. A zona anal contém pele muito fina que, embora tenha a vantagem de ser muito sensível, também pode sofrer lesões se não tomar cuidado. Seu objetivo é dar prazer, não dor!

Claro, você definitivamente não precisa ir diretamente para um anal para tirar o máximo proveito dessa área extra … Você pode apenas provocar e acariciar o ânus com a ponta dos dedos para adicionar uma sensação de excitação perigosa ao trabalho manual.

Deixe-o guiá-la


Como você pode ver, há muito espaço para uma sessão de estimulação abrangente quando se trata de dar ao seu parceiro um trabalho manual incrível.

Não pense que você tem que aperfeiçoar uma determinada rotina ou que existe apenas um método certo; sinta-se à vontade para misturar e combinar. Observe e ouça suas reações, esteja aberto a quaisquer pistas verbais ou não-verbais e deixe-o ser seu guia.

Mãos a obra! Beijinhos da Afrodite

Hoje eu não tinha hora para voltar para o hotel. Eu estava apreciando cada segundo desta noite de liberdade. Outra cidade, outros ares e uma determinação, realizar minha fantasia. Eu e minha amiga Kelly estávamos na boate Extasy , a batida era envolvente, as luzes alucinantes. E eu me sentina extremante feliz, ali era o lugar certo para realizar minha fantasia de ménage. Kelly conhecia bem o lugar já tinha amigos de longa data neste local. Eu conheci alguns bem interessantes. Mas nada que realmente despertasse meu interesse.

Eu já estava perdendo as esperanças, mas então, minha amiga chega acompanhada de dois amigos, gêmeos idênticos. Olhos claros, ombros largos e pela camiseta justa de ambos, podia se dizer que os abdominais não me decepcionariam. Ela se aproxima e me apresenta.

_ Beth, estes são Adônis e Gael , nem preciso dizer que são idênticos não é mesmo?_ ela diz divertida.

Eles se aproximam se apresentando, um de cada vez e me beijam lentamente no rosto, quase tocando o ângulo dos meus lábios. Os dois possuíam cheiros diferentes, ambos deliciosos.

_ Então Beth, a Kelly nos disse que é sua primeira vez aqui na boate. Está gostando?

Eu ainda estou hipnotizada por eles, que me olham atentamente como se eu fosse ser devorada por eles em poucos segundos. Eu mal consigo disfarçar.

_ Sim, eu estou gostando muito, nunca me diverti tanto.

Um deles se aproxima e sussurra no meu ouvido.

_ Não tanto quanto se divertirá com nós dois.

Eu quase engasgo com minha bebida e olho para eles, ambos ostentam um sorriso indecente nos lábios.

_ Nossa vocês são diretos não é mesmo?
Minha amiga que estava um pouco afastada se aproxima.

_ Ei, não assustem ela. É a sua primeira vez no mundo das ousadias. Ao menos mostrem um pouco de cavalheirismo.

Ambos sorriem e piscam para mim e Kelly. Ela sussurra no meu ouvido.

_ Eu tenho que ir, você sabe, compromissos me esperando. Mas te deixo em boas mãos, aliás para ser precisa 4 delas, grandes e experientes. Pode confiar neles. Te vejo amanhã.

_ Eles são lindos. Mas como funciona?

_ Amiga, você não é virgem. Então o que devo te explicar? Eles são super de boa, os dois são da corporação dos bombeiros. Eles são certinhos, gostam de uma libertinagem, um sexo selvagem, mas sempre respeitam quem saem com eles. Fica tranquila.

_ Tudo bem. Mas eu me referia aqui na boate, é mesmo seguro?

_ Sim, claro que sim. Os quartos aqui são super limpos, eles provavelmente já tem a chave de algum no bolso. Se vocês estiverem a fim vão para lá e bom… o resto você sabe, vai fluir como quiserem. Eles vão te tratar como rainha. Já tive amigas que saíram com eles e disse que eles são super carinhosos, mas são insaciáveis. Se prepare.

_ Bom, eu vim aqui para isto não é mesmo? É uma boate para encontros eróticos. Então, vou ver o que rola. Obrigada amiga, te vejo amanhã.
Eu me despeço dela, e volto minha atenção para a perfeição em dose dupla na minha frente. Eles se

aproximam lentamente, eu fico preocupada de saber quem é quem.

_ Pode parecer bobo, mas como vou saber com quem estou falando?

Eles se entreolham e sorriem. Eles se aproximam contemporaneamente um de cada lado do meu ouvido, e falam um de cada vez.

_ Quando nos ver nu, vai ver que temos tatuagens diferentes pelo corpo.

_ Na hora que você sentir nos dois dentro de você, não vai se preocupar em saber quem é quem, eu te garanto docinho.

A voz deles é praticamente idêntica, mas você já conseguia distinguir o sarcasmo e a sedução de cada um deles. Você dá uma risada e provoca alisando o peitoral dos dois enquanto fala.

_ Eu já percebi que vocês gostam muito de provocar. Sabem o que dizem não é mesmo? Quando muito se fala, pouco se faz.

Parece que minha frase fez o efeito desejado, ambos me puxam para a pista de dança, um se encaixando na minha frente e outro atrás, o calor do corpo de ambos e o tamanho deles perto de mim era intimidador, mas eu estava no jogo. A batida envolvente ajuda nossos movimentos, eles sabem exatamente deslizar as mãos em meu corpo.


Sinto um beijo na minha nuca, quando levanto minha cabeça, o outro me beija possessivamente, eu retribuo o beijo e quando estou querendo aprofundar ainda mais eles me viram e agora o outro me beija, o que esta atrás alisa descaradamente os meus seios, eles me abraçam mais perto e sinto a ereção de ambos, isto me faz gemer. Eles me levam até um corredor no segundo andar, luzes vermelhas e penumbra deixam o lugar ainda mais com cara de sexo. Quando um deles abre a porta, o outro me encoxa e começa a tirar lentamente meu vestido. Eles são rápidos e agora eu estava praticamente nua, exceto pela lingerie carmim em meu corpo e meus saltos vertiginosos.

Eu tento não encarar eles tirando as roupas. O quarto é aconchegante, cama de dossel, lençóis de seda vermelho bordo, toda a mobília do quarto era de mogno escuro. Algumas luzes foram acesas estrategicamente na cabeceira da cama. Quando olho para os dois, estão totalmente nus, eles se aproximam, mas não me tocam.

O Primeiro se gira e vejo alguns tribais e no seu antebraço da parte interna o nome Gael o outro obviamente possuía também em um dos braços o nome Adônis. Na virilha de cada um existiam tribais maoris diferentes, seguidos de suas iniciais.

_ Estamos aqui, agora ficará mais fácil de você saber quem é quem de agora em diante, apesar que vai se confundir mesmo assim, mas esta é a parte divertida querida. Não saber quem está te comendo gostoso.

_ Você diz? Pensei que a parte divertida era outra.
Ele ergue a sobrancelha e me mostra um belo sorriso. Seu irmão me estuda e morde o lábio quando me fala:

_ Para começar a diversão você tem que vir mais perto, não queremos intimidá-la.

Eu olho os dois, perfeições musculosas, olhos claros e perigosos, e duas ereções majestosas pulsando querendo atenção. Eu engulo em seco, e penso coragem, eu vim aqui para isto!
Eu caminho de maneira segura enquanto eles estudam cada passo meu. Quando me aproximo tudo é muito rápido. Estou entre os dois e entre beijos, e o corpo dos dois colados em mim pressionando suas ereções nas minhas costas e na minha barriga me deixando com as pernas bambas.

Um deles arrebenta a minha calcinha, enquanto o outro desabotoa o meu sutiã. Meus mamilos agora estão na boca deles sendo mordiscados, chupados. Eu estou gemendo sem parar, os lábios macios deles em meus seios me faz escorrer entre as pernas.

_ Ela está molhada, tremula, eu vou primeiro._Constata com seus dedos dentro de mim, depois brincando com meu clitóris.

Dizendo isto eles me colocam sentada na cama um cai de joelhos e afasta as minhas pernas, me abrindo totalmente. Ele não espera nada, dá uma longa lambida na minha fenda molhada, sua língua vai no fundo da minha buceta, ele mordisca meu clitóris e eu jogo a cabeça para trás, a boca de Gael está no meu seios, Adônis devorando, explorando cada ângulo de minhas entranhas como ninguém o fez até hoje.

Gael então se levanta, sua ereção está ainda maior ele empurra batendo levemente nas minhas bochechas, cheia de tesão eu engulo ele de maneira selvagem, movida pelo desespero entre minhas pernas causada por aquela lingua esperta de Adônis. Eu relaxo os músculos da minha garganta e o sinto me preencher até o fundo da minha garganta, ele agarra meus cabelos e fode minha boca enquanto eu passo a língua e acaricio suas coxas, me segurando também tentando recuperar minha estabilidade retirada pela pressão descontrolada da língua de Adônis que não me deixa.

Gael sai abruptamente da minha boca se abaixa e me beija abafando meu grito enquanto gozo pela milésima vez na boca de Adônis.
Minhas pernas tremem, me sinto pulsando descontrolada, eles se posicionam em pé na frente da cama e sorriem se masturbando. Eles nem precisam dizer nada, eu caio de joelhos e abocanho cada um mostrando toda minha fome.
Gael se deita na cama e me puxa para sua ereção eu o abocanho novamente, Adônis se aproxima atrás de mim.


Ele começa a me lamber novamente, mas agora um de seus dedos molhados por meu gozo, faz a pressão certa e me penetra por trás, ele faz isto de uma maneira tão lasciva que eu rebolo pedindo por mais, ele sorri.

_ Você é gostosa demais. Eu não vou aguentar muito, preciso penetrar esse buraquinho, alargar você até você não saber que nome vai gritar primeiro.

Eu solto um gemido no pau de Gael que segura meus cabelos.

_ Que boca gostosa, e melhor você se sentar no meu pau, ou vou acabar inundando sua boca de porra.

_ Calma maninho, eu preciso preparar ela para o meu pau, neste cuzinho macio. Ele agora lambe de forma despudorada e alterna os dedos. Eu sinto uma devassidão neste gesto e fico ainda mais louca com vontade de sentir ele dentro.

_ Eu estou pronta, por favor, eu quero tudo.

Eles não dizem nada. Gael me puxa para sua ereção, quando ele começa a me penetrar me falta o folego , ele me preenche, mas fica quieto, Adônis se abaixa atrás de mim, se posicionando em minha bunda, começo a sentir a pressão e ele entra lentamente, por um momento penso que não vou aguentar o tamanho dele, mas Gael começa a estocar lentamente, e a acariciar meu clitóris ainda inchado da boca de Adônis.

Eu começo a rebolar, gemendo alto sentindo a mãos deles por meu corpo, meus cabelos, seus dedos em minha boca. Eu estou plena, preenchida, tremendo, gozando sem parar no pau de Gael que aperta minhas pernas comigo debruçada sobre ele, ele beija minha boca enquanto outro orgasmo me invade e meu cuzinho se dilata e a sensação de Adônis me fodendo me faz quase perder os sentidos, ele aperta meus quadris e me estoca mais profundo, agora eles alternam os movimentos de vai e vem, é algo surreal, eu me sinto em outra dimensão meu corpo explode em um gozo descontrolado e eles me seguram forte em seus braços enquanto me enchem de porra.


Gentilmente eles me deitam na cama, eu fico pequenininha em meio a esses dois deuses gregos, que me abraçam e fazem carinho aqui e ali.

_Então, valeu a pena nos escolher? _Adônis sussurra no meu ouvido.

Eu abro um sorriso satisfeita, totalmente desfalecida nos braços deles.

_ Claro, quem sabe na próxima …

_ A próxima é daqui alguns minutos dentro da banheira, vamos te lavar todinha… _ Gael diz isto enquanto suga o meu mamilo para sua boca ávida.

Ali eu percebi que a noite estava apenas começando.

Vincenzo me levanta, me coloca sobre a mesa e alisa meus pulsos, massageando-os.

_ Eu espero que não reste dúvidas que sou louco por você. Jamais transei ou transaria com outra na minha empresa. Mas você Sabrina eu quero te possuir, te fazer minha em cada canto do planeta. Nunca terei o bastante, nunca me canso.

Meus batimentos estão acelerados com seu rosto perfeito tão perto, seu olhar pesado concentrado em meus pulsos, seus dedos hábeis pressionando minha pele.

_ Você está tentando me fazer te amar ainda mais? Isto é possível?

Ele levanta o olhar e sorri.

_ Eu pretendo te conquistar todos os dias para o resto de nossas vidas. Já te disse só vou me afastar se você não me quiser.

Um frio me percorre o corpo. Alguns meses atrás até mesmo cogitei nosso término devido a estranheza que estava entre nós por causa dos sentimentos que ocultávamos. Mas agora ficando ou não juntos como um casal já teríamos um elo para sempre, que estava se formando dentro de mim.

_ Já possuímos um elo, independentemente de ser um casal ou não. Estaremos ligados para sempre._ suspiro.

Ele segura meu rosto , ele se aproxima para me beijar e para.

_ Sabrina, eu lamento que as coisas aconteceram em um momento que você está cheia de coisas para fazer na sua vida, nossa relação sentimental foi assumida em meio ao caos e em meio a tudo isto descobrimos o bebê. Mas fica calma, que mesmo que entre nós não funcione eu jamais serei um canalha. Vou sempre te apoiar, sempre. As coisas talvez possam ficar difíceis obviamente somos falhos, mas naquele momento se acontecer e eu espero que nunca aconteça, deveremos ignorar nossas diferenças amorosas e dar suporte ao bebê da melhor forma possível.

Eu tremo com a ideia de não ficarmos juntos. Mas me assusta a velocidade que nosso relacionamento está indo. Ele percebe meu tremor e me abraça, seu perfume, sua respiração e seu toque me acalmam.

_Eu tenho que ir. Já devem estar todos comentando.

Ele levanta meu rosto e pousa seu olhar no meu.

_A Julia já devia ter percebido o nosso relacionamento antes mesmo do que aconteceu hoje. Ela fez isto de caso pensado, se você disse que ela demorou tanto para voltar e ela chegou aqui apenas uns 20 minutos antes de você. Ela deve ter parado em outro lugar. Dado tempo para que todos, principalmente você, pensassem que ela demorou aqui comigo.

_Ela conseguiu. Eu fui uma idiota. Ela saiu do elevador ajustando as roupas, descabelada e com o batom borrado, eu fui impulsiva…

_Ei, Sabrina, está tudo bem. Ela soube te provocar, te encontrou em um momento sensível, seus hormônios estão oscilantes. Eu vou resolver isto, vou marcar uma reunião…

_Não, por favor. Se você fizer isto aí sim todos me tratarão diferente, por eu estar com você.

_Sabrina, você está comigo, está esperando um filho meu! E não tem nada de errado nisto. Antes de ser seu chefe eu já era seu amante. E não devemos satisfação a ninguém. _ele fala irritado.

_Sim, claro. Para você é fácil falar, você é o chefe, é um homem, você pode fazer o que quiser. Minha posição é diferente, estou em desvantagem, sou uma estagiária mulher, provando uma ascensão na carreira, que luta por respeito todos os dias, para provar que é capaz. Para eles, serei a mulher que dormiu com o chefe e ficou grávida.

Ele fica sério. Ele me solta e se gira para a grande janela com a panorâmica da cidade. Eu começo a me vestir, com minhas mãos tremendo novamente.

_ Você tem duas opções Sabrina. Enfrentar todos e mostrar seu valor. Ou parar de trabalhar!

Ele nem se virou para falar, as suas tatuagens de asas em suas costas me lembravam que o diabo também foi um anjo.

_ Você está querendo me dizer o quê?

Escutando minha voz irritada ele se gira lentamente. Seu rosto não demonstra nenhum tipo de emoção. Ele se aproxima um pouco, mas mantêm distância entre nós.

_ Você terá todos os direitos e benefícios. Te afasto do trabalho a partir de hoje e te demito quando você voltar após o bebê nascer, assim te deixarei livre para o que você quer buscar, não te faltara nada, assumirei tudo até você conseguir outro trabalho que goste.

_ Sim claro. Eu sou um business para você. Você assina o cheque, me mantêm em casa e minha vida para….

Ele parece acordar do que disse e tenta me tocar o rosto, eu desvio.

_ Eu não quero que me toque e nem quero falar agora. Não se preocupe não vou sair correndo, mas preciso ir.

Eu caminho e bato a porta atrás de mim, deixando um Vincenzo atônito. Eu passo por sua secretária que me faz um sorriso compadecida.

Eu entro no elevador e seguro meu choro. Se eu começar a pensar no que aconteceu no que ele me falou, vou entrar em crise de choro bem aqui. Quando as portas se abrem eu caminho firme para a minha mesa.

Sinto alguns olhares e murmurinhos, com certeza a Júlia já tinha falado para todos que eu estava com Vincenzo.

Eu me concentro no trabalho e não penso em mais nada sobre Vincenzo. Quase na hora de ir embora eu olho meu celular e nenhuma mensagem dele.

Amaldiçoei por estar sem carro, teria que pegar um táxi para casa ou teria que pegar uma carona. Eu vejo Aline pegando suas coisas para sair e me aproximo dela, mas antes de chegar em sua mesa um homem atravessa na minha frente.

_Ei Sabrina, tudo bem? Eu queria tirar umas dúvidas com você e trocar algumas ideias. Você tem um minuto?

Olho para o moreno alto, olhos castanhos claros sorrindo para mim. Roger fazia parte das relações públicas, mas ele algumas vezes nos ajudava em nosso setor, possuía experiência na área.

_Oi Roger, na verdade eu estava indo atrás da Aline. Preciso pegar carona com ela, estou sem carro. Podemos falar amanhã?

_Eu posso levar você para casa. Assim no caminho falamos. Quero sua opinião, eu vim do andar de baixo só para isto, prometo que não vai ser demorado. _ ele fala e mantém o sorriso esperando por minha resposta.

Eu olho em volta a Aline já não está no andar. Eu olho rapidamente meu celular e nenhuma mensagem de Vincenzo. Sem graça e sem pensar eu respondo.

_ Tudo bem. Pode ser.

Caminhamos juntos para a garagem ele o tempo todo explanando suas ideias, conseguindo falar tudo o que desejava.

_Então? O que você acha da minha estratégia? Seja sincera, quero apresentar ela para o Senhor Vincenzo na próxima reunião.

Sentir o nome de Vincenzo me fez lembrar de tudo o que aconteceu durante o dia. Ninguém ousou dizer ou insinuar nada depois que voltei da sala dele. Mas as risadinhas de Júlia aqui e ali já me davam a entender que todos do nosso departamento já sabiam.

Eu mantive a pose, fui profissional, mas consciente que isto era apenas a ponta do iceberg. Ainda tínhamos outros andares e as filiais dele.

Eu paro na frente do carro do Roger.

_ Achei sensacional suas ideias. Acredito que o chefe ficará impressionado.

Ele me dá um sorriso genuíno e quando vai abrir a porta para mim, seu rosto muda a expressão quando olha por cima do meu ombro. Me giro lentamente e Vincenzo está se aproximando com passos firmes e largos em nossa direção, sua expressão é de fúria, até mesmo quem não o conhece poderia perceber. Minha boca fica seca.

_Roger eu … Preciso ir. As suas ideias estão…

_ Sabrina, preciso falar com você agora! _ Vincenzo estava tentando manter um tom profissional, mas falhava miseravelmente

Ele cumprimenta Roger apenas com um gesto e se vira me encarando impaciente.

_Tudo bem. Eu… Podemos…

_Sabrina, eu posso te esperar. Quando terminarem te levo para casa. _Roger diz, sem saber que a tensão entre mim e Vincenzo não era profissional. Antes que eu pudesse responder Vincenzo o faz.

_Gentil da sua parte, mas ela vai comigo! Tenha uma boa noite . _ele não disfarçou o tom desta vez, vejo confusão no rosto de Roger, quando Vincenzo me pega pelo braço e me conduz para o seu carro.

Quando entro ainda trêmula da cena que ele fez, fico irritada.

_ Foi desnecessário! Foi machista! Eu não vou aceitar você me tratar assim!

Ele não fala nada. Ele dá partida no carro e arranca para a estrada.

Eu observo de canto de olho, sua mandíbula está tensa

Eu observo de canto de olho, sua mandíbula está tensa. Seus dedos estão apertando com força o volante.

A música no rádio  deveria me distrair, mas não ajuda. Logo a emoção toma conta e eu abaixo meu rosto encarando minhas mãos.

Aí estávamos nós, primeiro dia de trabalho juntos, no qual duas brigas sérias aconteceram. Isto não iria funcionar. Eu estava contendo o choro pois sabia que seria complicado e por causa da gravidez seria pior. Ele nunca tinha sido possessivo, nunca fez uma cena como aquela no estacionamento interno do prédio. Foi constrangedor e amanhã o Roger pode passar uma reação errada para outras pessoas, e se isto se alastrar vai acabar afetando ele mesmo. Eu tento respirar, eu tento manter a calma e não explodir. Ele teve a mesma reação que eu tive por causa da Julia. Eu só não confrontei a Julia, mas também foi por pouco que não o fiz. Eu olho para ele, seu rosto está mais calmo. De repente ele para o carro, só então percebo que não prestei atenção na estrada. Ele parou na entrada de um parques da cidade, situado ao redor de um grande lago com fontes de água, bem iluminado e cheio de bancos e pistas para caminhadas e ciclismo. Ele fica quieto por um momento depois ele encosta a cabeça para trás no banco.

_ Precisamos conversar! Antes quero te pedir desculpas, eu me descontrolei, pela primeira vez o ciúme realmente me deixou cego. E eu te repreendi a tarde por seu comportamento e fiz pior. Estamos em um campo minado Sabrina. Precisamos esclarecer algumas coisas.

Eu sinto sinceridade e dor na sua voz. Fazia muito tempo que não o via desconcertado daquela maneira. Estávamos realmente perdendo nosso controle, era preciso encontrar um ponto de equilíbrio.

Continua…

Atenção no wattpad os capítulos estão numerados diferentes, por questão de estética.

O fim de semana com Vincenzo foi de descobertas, incrível como morar sob o mesmo teto traz novas visões sobre o outro. Obviamente foram apenas alguns dias e já tínhamos viajado no passado por até quinze dias consecutivos juntos. Mas agora era dentro da minha casa, com nosso sentimento declarado, com Vincenzo apaixonado tanto quanto eu. E com nosso bebê em meu ventre.

O sexo nestes dias foi tranquilo, ainda é um tabu para  Vincenzo se deixar levar comigo, no estado que estou…grávida. Mas, o que mais me preocupava neste momento era o trabalho. Eu teria uma semana antes de contarmos tudo para todos na festa que aconteceria no sábado.

Na segunda estávamos prontos para sair para o trabalho e começou nosso primeiro impasse.

_ Sabrina, de jeito algum vou deixar você dirigir. Sendo que eu estou indo para o mesmo lugar que você.

_ Vincenzo, você prometeu que até sábado tudo ficaria como está entre nós no âmbito do trabalho. Eu não acho saudável já começarmos chegando juntos.

_ Você está sendo exagerada. O que tem de mais? E você está passando mal, nem deveria ir para o trabalho.

_ Eu não estou sendo exagerada. E aliás eu já estou ótima…

Eu acredito que nosso bebê já tenha um preferido, pois quando ainda estava falando o enjoo veio forte e tive que voltar para o banheiro pela milésima vez nesta manhã.

Vincenzo como sempre se apressa a segurar meus cabelos e assistir minha degradação. Por mais que eu peça para ficar sozinha, ele não se move.

Depois de me limpar, e fazer todo o ritual pós enjoo, eu refaço minha maquiagem com o reflexo de um Vincenzo preocupado no espelho. Ele não tem como estar mais bonito, sua camisa azul clara, suas calças escuras adornando aquelas coxas perfeitas. Eu apesar de tentar esconder minha aparência pálida atrás de algumas camadas de base, ainda estava com uma péssima aparência.

_ Você deveria ficar em casa. Eu tenho uma reunião importante, mas posso voltar em algumas horas.

_ Escuta aqui Vincenzo, eu te deixei bem claro que vou trabalhar, que não vou ficar no privilégio por ser sua…

_ mulher que amo, mãe do meu bebê. A qual eu me preocupo e estou falando também como chefe se isto te faz acordar. Ter você passando mal e trabalhando o dia todo, me fará passar como um tirano para os outros funcionários, principalmente para as mulheres que ali trabalham._ Seu olhar é sério e sua voz irritada.

_ Boa tentativa. As mulheres ali não sabem que estou grávida, bom não todas, visto que Aline é nossa cúmplice. E além do mais se você se preocupa tanto comigo e com este bebê, não deveria deixar sua vida de lado, não te queremos frustrado e com problemas na empresa por nossa causa.

Ele se aproxima e me abraça por trás, colocando suas mãos em minha barriga acariciando lentamente.

_ Vocês jamais vão me atrapalhar. Eu sou bastante versátil e sei resolver os problemas da empresa sem ter que estar fechado naquela sala. Posso perfeitamente trabalhar de casa se assim eu desejar. Tirando um compromisso ou outro que obviamente tenho que comparecer, o resto posso fazer e resolver a quilômetros de distância.

Eu expiro profundamente e mesmo sentindo seu doce toque me alisando a barriga e seus beijos no meu pescoço tento raciocinar.

_ Está bem, neste ponto já estamos quase atrasados e posso ir com você. Isto não muda o fato que posso vomitar no seu carro e você chegar atrasado para sua reunião e pior, todo sujo.

Ele levanta a cabeça assustado, mas com uma expressão divertida.

_ Bom, podemos levar alguns sacos de papel ou sacola caso você precise mesmo vomitar. E fazer você concordar sem sexo é uma novidade para mim.

_ Não sou tão pervertida como você pensa. Vamos._ respondo fingindo indignação e ele sorri.

O caminho para o trabalho foi tranquilo e eu sem algum enjoo. Quando chegamos no estacionamento interno do prédio eu dou um beijo rápido em sua boca antes de descer. 

Sigo na sua frente para pegar as escadas para o escritório. Ele me alcança e me puxa para ele.

_ Está com medo de eu te agarrar no elevador? Sou tão irresistível?

_ Você é um grande convencido. Eu só quero ir pelas  escadas porque faz bem eu praticar algum exercício visto que ficarei um tempo sentada. Tudo pelo bebê…

Ele sorri, seus olhos possuem um brilho diferente. Ele segura minha mão e começa a subir as escadas comigo.

_ Vincenzo o quê?

_ Se você precisa de preparo físico eu também. Vou com você!

Ele continua e eu sigo ele. Ele realmente me surpreende.

_ Você lembra que você está na cobertura? Vai chegar suado lá em cima, não que sua visão suada desagradará a mulherada que possui fetiches com você.

Ele se gira e me encara com a expressão divertida.

_ Elas tem fetiche comigo? Tipo como aqueles que tenho com você na minha mesa?

_ Céus Vincenzo! Você é um safado. Mas, sim muitas delas te acham um pecado em pessoa, mal sabem elas que você é mais que o pecado, você é o diabo em pessoa.

Ele para e me encosta na parede pressionando seu corpo no meu. Ele alisa minha coxa e sobe lentamente apertando meu seio. Sua ereção pressionada em mim me fazendo ofegar muito mais do que os degraus que tinha subido.

_ Pare! Alguém pode nos ver…

_ Minha Doce Sabrina, eu poderia te convencer a pecar bem aqui e agora. Mas o meu lado diabólico vai ter que esperar…

Ele se afasta como se não tivesse feito nada e continua subindo as escadas segurando minhas mãos. Ao chegar no meu andar ele abre a porta para mim e quando passo a sua frente ele me acompanha. Eu olho para trás e ele ostenta um sorriso travesso nos lábios.

_ Eu não pretendo despertar a luxúria nas outras com um corpo suado. Prefiro deixar esta visão do meu corpo suado reservado para você. _ Ele sussurra ao meu ouvido quando passa por mim. 

Quando chegamos no corredor de entrada ele vira em direção ao elevador e pisca discretamente para mim.

Eu entro no corredor principal, ainda não tem ninguém no setor, eu vou até minha mesa, ligo o laptop e encontro os documentos que eu tinha que terminar para que o Sandro desse a Vincenzo.

 Alguns minutos depois escuto outros passos se aproximarem. Uma Aline sorridente se senta perto de mim.

_ Bom dia. Tudo bem com vocês?

_ Sim. E muito obrigada pelo que você fez, foi importante para nós._ respondo sorrindo

_ Nossa Sabrina, tenho que te dizer, ele é bem apaixonado em você e será um grande pai, acredite no que te digo. Quando ele me ligou estava todo nervoso, e quando ele me disse que tinha escolhido algumas coisas em uma loja de presentes e precisava da minha ajuda para que eu pegasse, eu fiquei emocionada. Eu não escolhi nada, ele fez tudo através do  site da loja, achei super fofo e atencioso. Eu não sabia que o relacionamento de vocês era assim tão lindo.

_ Obrigada. Então, não éramos assim. Mas depois que nos declaramos as coisas ficaram mais românticas, mais intensas e a descoberta do bebê tudo fez tudo se  multiplicar.

_ Eu imagino que estão descobrindo tudo juntos e isto é maravilhoso. Você teve outros episódios de enjoos?

_ Sim. Nesta manhã veio com força total, do trajeto de casa até aqui não aconteceu e agora me sinto bem.

_ Se você passar mal e precisar ir descansar vá. Não fica pensando no trabalho, você precisa de muito descanso e energia. Principalmente neste início e se precisar de algo me chame. Você sabe que não vai poder esconder por muito, não é mesmo? Daqui a pouco a sua barriga será bem visível.

_ Obrigada. Sim, eu sei que não dará para esconder, eu vou avisar o Recursos Humanos nos próximos dias. E no sábado, iremos assumir a relação. Apesar de eu sentir que isto será um inferno.

_ Como eu te disse, eu te apoio. E vocês já tinham uma história de anos juntos e mesmo se não tivessem, isto não deve mudar nada aqui dentro. Eu sei o quanto você é profissional e a fama dele como diretor executivo é bem respeitada. Você não devia temer nada.

_ Sim, mas de qualquer maneira não pretendo continuar trabalhando para ele. Mas agora grávida, ficará difícil outra empresa me contratar.

_ Você vai se acostumar com a ideia e vai aprender a ignorar. As pessoas vão sempre falar algo de nossas vidas.

_ Eu sei, você tem razão. Eu apenas quero que funcione sem que isto nos prejudique de alguma forma.

Aline aperta minha mão e sorri cúmplice. Logo Sandro chega e mudamos de assunto automaticamente. Aline se volta para sua sala. Entrego a Sandro todos os documentos, já imprimidos e com as devidas modificações para que ele levasse na sala de Vincenzo. 

_ Obrigada Sabrina. Eu vou passar tudo para a Julia levar para o Senhor Vincenzo.

_ A Julia??

Ele parece surpreso com a minha reação, até eu mesma estava surpreendida.

_ Algum problema Sabrina?

_ Não, nada. Só achei que seria você a levar visto que o chefe do departamento.

_ A Julia é articulada e o conhece fora da empresa, saberá apresentar melhor tudo para ele.

_ Não tenho dúvidas disto.

_Sabrina, você está melhor?

_ Um pouco, ainda estou me sentindo mal, mas nada para se preocupar.

Sandro me olha desconfiado. Depois ele dispara.

_ Então, a respeito disto, peço que da próxima vez que você precisar de ser liberada e não voltar ao trabalho, eu seja avisado em primeiro lugar. Você não precisa ir ao Diretor executivo para informar que não pode trabalhar. Você estava liberada para ir ao médico e obviamente, se não se sentia bem não deveria trabalhar, o que quero que entenda é que você não deve pular a hierarquia. Eu sou seu chefe direto.

_ Sim claro.

Ele sorri e sai da minha frente com as pastas em suas mãos. Eu fico ali pensando o quanto isto será complicado. Vincenzo é que ligou avisando que eu não iria trabalhar no dia da consulta. Eu devia ter avisado, estava tão abalada que deixei ele cuidar de tudo.

Eu me sento na minha mesa e me concentro no meu trabalho, até ver Julia com uma micro saia e um decote escandaloso requebrar seu quadril, se equilibrando em saltos vertiginosos indo para o elevador com as pastas que preparei nas mãos.

Um sentimento de raiva me invadiu e eu queria puxar ela pelos cabelos, não somente por ciúmes que na minha cabeça já era evidente, mas pelo fato que ela tinha convencido o Sandro a deixar ela assumir o controle como ela fazia com o ex diretor da empresa. Ela é uma alpinista social, cheia de ambição e com caráter duvidoso.

Eu volto minha atenção para o trabalho e me concentro de verdade até escutar a Carla perguntar onde estava Julia. Eu olhei no relógio e fazia quase uma hora que ela tinha ido para a reunião com Vincenzo. A ideia dela se esfregando nele, trancados em uma sala por uma hora, não me agradava em nada. Eu sinto meu estomago revirar. Aperto a caneta nas minhas mãos até escutar o barulho sonoro do elevador, e ver Julia saindo do mesmo ajustando a saia e o decote sem algum pudor, ela está descabelada e seu batom borrado. Ela sorri para Sandro e entra na sala dele.

Eu fico tremula. Começo a contar para distrair, tento me concentrar no trabalho. Mas é mais forte do que eu. Eu me levanto pego uma pasta em mãos e sem me importar com nada entro no elevador ainda sentido o perfume enjoativo de Julia. Aperto para a cobertura, assim que as portas se abrem, a secretária de Vincenzo sorri para mim educadamente.

_ Olá Sabrina. Posso te ajudar?

_ O Senhor Vincenzo está?

_ Na verdade ele está, mas…

Eu ignoro minha ética profissional bato rapidamente e entro de uma vez. Vincenzo está terminando de vestir sua camisa. Ele fica pálido quando me vê.

_Nem tente explicar Vincenzo. _falo irritada e me viro para sair.

_ Sabrina espere, não é nada …

Eu nem tento escutar, meu coração está acelerado e estou morrendo de raiva. Entro no elevador e aperto insistentemente o meu andar. Mas antes que a porta se feche ele a segura colocando o pé no sensor. Sua camisa está aberta, ele está ofegante.

_ Ei , você não pode fazer isto Sabrina. Você veio até aqui  e vai me escutar antes de tirar conclusões precipitadas!

Eu mordo o interno dos meus lábios com raiva do que meus olhos viram. Obviamente eu sabia que eu não podia julgar apenas pelo que vi. Mas eu estava tremendo, estava nervosa e nem eu mesma entendia. Ele me puxa delicadamente para fora do elevador, sua secretaria assiste a cena sem entender nada. Eu percebo a burrada que fiz e começo a chorar. Ele automaticamente me abraça me fazendo apoiar a cabeça no seu peito nu. Ele me beija os cabelos e logo seus lábios estão no meu. Eu já tinha fodido com tudo, eu sabia disto, agora sim todos teriam uma ideia errada, mas eu não me importava mais em ter que enfrentar.

_ Meu amor, eu imagino que você tenha visto algo para te deixar assim e eu tenho uma ideia do que seja. Mas não é nada disto. Vamos para a minha sala, eu vou te explicar.

Ele me leva com ele, eu abaixo a cabeça quando vejo o olhar surpreso e confuso da sua secretária.

_ Por favor, eu não estarei disponível por um bom tempo. Não quero ser incomodado por nada. E peço que seja discreta._ ele ordena.

Ela apenas balança a cabeça em afirmativo. E Vincenzo fecha a porta atras de nós. Ele apesar de calmo está sério e parece bem chateado.

_ Sente-se Sabrina!_ Ele diz pegando uma garrafa de água e colocando na minha frente.

Ele continua a se vestir enquanto bebo a água. Ele se senta a minha frente na mesa, sua presença é intimidadora.

_ Eu estou realmente muito decepcionado. Entendo que você viu uma coisa e logo você tirou conclusões errôneas. Mas daí a você desconfiar de mim e querer fugir principalmente no seu estado. Você poderia ter se machucado correndo, eu jamais me perdoaria. E você precisa me ouvir antes de …

Ele faz uma pausa, passa a mão nos cabelos e respira profundamente.

_ Sabrina, a Julia veio até minha sala para trazer os documentos que você preparou, eu esperava o Sandro, que será repreendido por mim em breve por esta infeliz decisão. Eu comecei a analisar os documentos e a recusar qualquer flerte da sua parte. Ela tentou me beijar enquanto eu estava lendo os documentos, sua maquiagem sujou minha camisa, por isto tive que trocar. Na hora, eu me afastei e a adverti que se ela fizer isto novamente eu vou mandar ela embora sem alguma piedade, ela está proibida de entrar na minha sala. Eu irritado falei para ela me respeitar e te respeitar. Ela entendeu que estamos juntos a partir da minha declaração…

Eu tremo e me sinto enjoada com tudo.

_ Ela ficou uma hora aqui com você…

_ Sério Sabrina? Ela saiu daqui pouco antes que você chegou, e fazia no máximo 20 minutos que ela ficou aqui. Vou te provar…

Ele levanta o telefone da mesa e em viva voz chama a secretária dele pedindo para ela trazer sua agenda de compromissos.

_ Vincenzo…_eu tento argumentar. 

Ele faz um sinal e eu me calo. Sua secretária entra toda sem jeito com a agenda em mãos, sem saber o que fazer.

_ Quero que você coloque a agenda na frente da Sabrina.

_ Não precisa, por favor Vincenzo._imploro mais uma vez.

Ele me ignora e faz sinal para que ela o faça. Ela obviamente obedece, eu não olho a agenda. Eu o encaro magoada, irritada, mas acima de tudo envergonhada. Ele se gira para a pobre moça.

_ Quero que me responda. Quando a Julia chegou na minha sala?

Ela responde prontamente.

_ Há uns 20 minutos atrás. Eu não queria deixar ela entrar, eu disse que a reunião era com o Senhor Sandro. Mas ela ligou para o Sandro na minha frente dizendo que era ela que apresentaria no lugar dele, que o Senhor já sabia.

_ Exatamente, eu estava com pressa pois eu teria uma reunião daqui uma hora a qual obviamente, você pode cancelar da minha agenda se ainda não o fez, tenho situações pendentes com a Senhorita Sabrina.

_ Sim, Senhor.

_ Obrigada, chame as pessoas que eu me reuniria, use a agenda virtual, deixe esta aqui. E novamente não quero ser incomodado até segunda ordem.

Ela sorri sem graça e concorda. Ela fecha a porta e ele me encara. O Vincenzo cheio de amor está morto enterrado pelo jeito, penso comigo.

_ Não tinha necessidade disto tudo Vincenzo, eu errei… eu expus nós dois e era o que eu mais temia…

_ Eu obviamente gostaria de não fazer uma cena na frente dos meus funcionários, mas na verdade isto não me preocupa. O que me preocupa aqui é o fato de você duvidar de mim. Então te peço, além de tudo o que minha secretaria já falou, peço que olhe a agenda.

Eu cruzo os braços em cima dos meus seios e o encaro furiosa.

_ Me desculpe, mas você realmente é um idiota.

Ele caminha lentamente em volta da mesa. Quando chega ao meu lado, ele se aproxima e alisa meu cabelo, ele pressiona levemente seus dedos no meu pescoço. E ele sussurra.

_ Talvez eu seja um idiota, mas as suas desculpas não serão o bastante neste caso.

_ O que vai fazer? Bater na minha bunda?_ irritada eu provoco-o.

_ Bem que você gostaria, mas NÃO. _ Ele responde rapidamente e mantem um sorriso no canto dos lábios.

Ele se inclina atrás de mim, colocando suas mãos a minha frente enquanto ele alisa a agenda.

_ Eu devia sim te castigar por pensar que eu tocaria outra, sendo que já faz quase dois anos que não consigo tocar outra mulher. Que penso em você cada maldito segundo. Eu devia ficar irritado, eu devia brigar com você._ Seu sussurro quente no meu ouvido me faz me movimentar apertando as coxas.

Ele parece sentir o cheiro da minha excitação, ele se aproxima ainda mais e mordisca minha orelha. Eu abaixo minha cabeça, eu olho a agenda e meu coração aperta. O horário realmente batia com o que a secretária falou, me senti idiota e eu realmente agi de impulso.

_ Desculpe eu fui impulsiva, eu não devia ter te constrangido, me constrangido…

Ele me faz levantar e me empurra contra a mesa, ele se abaixa e cola sua testa com a minha.

_ Eu pensei que seria eu a perder o controle, mas você me surpreendeu diabinha. E eu ainda estou muito puto. A minha vontade …_Ele aperta levemente meu quadril com uma de suas mãos, a outra possessivamente vai para o meu queixo enquanto me beija.

Ele me solta, seus olhos são pura chama de desejos, de fúria talvez. Ele desce sua mão entre minhas pernas e quando eu abro-as permitindo seu toque, ele sorri diabolicamente. Ele se afasta, eu sinto a necessidade do seu toque, meu lábio treme ao ver ele tirar o cinto de sua calça, ele o dobra e faz um estalo quando as duas tiras se encontram. Eu tremo de excitação, ele se aproxima encostando seu corpo no meu. Sinto o volume de suas calças enquanto ele sussurra.

_ Bem que você queria que eu marcasse sua bunda… não é mesmo?

Seu cheiro sempre despertou a súcubos em mim, e desta vez não era diferente.

_ Sim, por favor…

Ele respira forte em meu ouvido, e mordisca minha orelha. Ele tira a minha blusa deixando meus seios expostos. Ele se abaixa e os lambe com lentidão me fazendo gemer baixinho.

_ Ah Sabrina, farei melhor que isto.

Ele rapidamente me gira e me dobra sobre a mesa, meus seios tocando a superfície fria, minha saia estava quase na metade da minha bunda quando ele abriu o zíper lateral e a deixou cair no chão, depois se abaixando, delicadamente deslizou minha calcinha para baixo. Seus dedos percorreram lentamente minha panturrilha até chegar na minha buceta. Uma de suas mãos, me acariciou o clitóris de forma rápida me levando quase lá, quando eu estava louca rebolando em sua mão e mordendo os lábios ele interrompeu o contato, me fazendo gemer de frustração e olhar para ele, que novamente pegou seu cinto. Ele o pressiona na minha bunda e eu espero o golpe, mas ele alisa, morde, lambe minha bunda, depois se inclina sobre mim, passando o cinto para prender meus pulsos. Quando termina ele sussurra.

_ Agora sim, vou começar a me divertir… sem pressa alguma.

_ Vincenzo, por favor…

_ Shhh! Eu ainda nem comecei para você implorar. E te aviso que eu estou pouco me importando de te fazer gritar meu nome para que todo o prédio escute que te foderei. Sim, você escutou bem, não vou fazer amor, vou te foder como você sempre adorou.

Sua voz era sensual e rouca, me deixando sentir todo o desejo que seu corpo estava sentindo. A antecipação era uma coisa que me enlouquecia e ele sabia como acender isto em mim.

_ Acho que está faltando algo minha Doce Sabrina. Fique exatamente ai, não se mova.

Ele se afasta por um pouco e pega do seu armário uma caixa com uma de suas gravatas. Ele sorri e se aproxima, o tecido sedoso desliza sobre meus olhos, ele me venda. E agora os meus sentidos estão amplificados ele sabia exatamente o que estava fazendo, me tirando da zona de conforto, me fazendo confiar no seu toque.

Sinto sua mão alisando meu corpo, logo sua ereção ainda vestida está tocando minha bunda, ele se inclina sobre mim e beija meu pescoço e desce para os meus seios, ele belisca e massageia cada um dos meus mamilos, eu tento me mover, mas ele me pressiona ainda mais e faz tudo com muita calma. Eu tinha que me acalmar e ficar quieta ou ele tornaria tudo muito mais lento. Já tínhamos feito isto e eu o conhecia bem. Eu fico imóvel o máximo que posso.

_ Você está muito silenciosa, acredito que eu deva te fazer falar um pouco, gemer meu nome talvez…

Ele se fasta por um momento e eu fico na expectativa do seu toque, minha respiração é ofegante. Ele pode estar apenas parado se tocando e me observando. Ele me tira dos meus pensamentos quando seus dedos me abrem e sua língua dança em meu clitóris, seus dedos brincam me penetrando, com a outra mão ele desliza em meu clitóris molhando-os e depois ele os usa para me penetrar   atrás, ele estava me preenchendo por todas as partes e eu só sabia gemer. Eu estava tremula, pingando em seus dedos.

_ Vincenzo, por favor, por favor…

_ Eu amo quando você implora para eu te aliviar.

Ele tira seus dedos dentro de mim, se inclina sobre meu corpo, até eu sentir o meu gosto em seus dedos, que eu chupo sem algum pudor o fazendo gemer.

_ Você é uma diaba quando faz isto, eu fico louco. E agora quem está perdendo aqui sou eu, me arrastando para o seu fogo Sabrina, minha deliciosa e doce Sabrina_ Ele sussurra no meu ouvido e sua ereção me penetra lentamente, estamos quentes, molhados e o seu vai e vem começa. Eu aperto cada centímetro dele dentro de mim, suas mãos estão no meu cabelo, ele retira a venda dos meus olhos. Ele golpeia violentamente o ângulo perfeito dentro de mim, o tremor se espalha pelo meu corpo e eu clamo por mais e mais. E ele sem piedade empurra mais profundamente, ele se retira rapidamente de dentro de mim e goza nas minhas costas. Eu olho para trás por cima do meu ombro, ele está delicioso com o cabelo bagunçado, seu rosto um pouco avermelhado e ele está gozando abundantemente sobre meu cóccix.

_ Hoje vou te marcar com a minha porra… por que você é minha. ” V- I -N -C -E -N -Z -O”_ Ele escreve com o delicioso líquido ainda quente sobre minha pele, as letras do seu nome. Seu olhar é lascivo e potente, e eu já estou quase pedindo para ele me foder de novo.

_ Eu te Amo Vincenzo.

Ele abre seu sorriso perfeito, ele está sem camisa, sua ereção para fora da calça e eu totalmente nua sobre sua mesa, de bunda para cima com seu nome escrito com seu próprio gozo em minha pele. Ele se abaixa na lateral da mesa, puxa meus cabelos e beija minha boca.

_ Eu te amo Sabrina, NUNCA duvide disto.

Ele me abraça e me beija. Logo me puxa para mais perto, percebo que junto ao urso têm uma pequena caixa que ele coloca nas minhas mãos.

Ele beija minhas lágrimas e me olha ansioso enquanto eu trêmula abro-a. E dentro encontro um pequeno macacãozinho branco.

_ Eu queria ser o primeiro a dar algo ao nosso bebê. Eu espero que você não se chateie…

_ É lindo! _ deslizo minhas mãos sobre o tecido delicado, imaginando pela primeira vez nosso bebê em nossos braços. Eu aperto a mão de Vincenzo e o beijo delicadamente.

_ Eu estou feliz de verdade Sabrina. Eu não vou dizer que não estou assustado, lógico que estou. Mas a imensa alegria que está em meu peito, me fortalece.

Eu crio forças para falar, sem chorar ainda mais.

_ Você não vai parar de me surpreender? Como você fez isto tudo? Eu não te dei as chaves.

Ele ri e faz uma cara de culpa.

_ Eu pedi ajuda. Falei com a Aline mais cedo, enquanto estávamos na minha casa, visto que você me disse que podíamos confiar nela, eu disse a ela o que queria, trocamos algumas mensagens ao decorrer do dia e ela foi uma cúmplice perfeita. Eu não podia te deixar sozinha para organizar e nem podia deixar para outra hora, já sofremos o bastante estes dias. E apesar de estarmos ainda em choque, se não comemorássemos hoje, no futuro com certeza nos arrependeríamos.

_ Nunca imaginei que este seu lado existia. A Aline é sim de confiança, tanto que deixei uma cópia das minhas chaves com ela, em caso de uma emergência, em uma das noites que ela dormiu aqui comigo.

_ Sabrina você terá tudo de mim. Eu não mudei, eu sou o mesmo diabinha._ Ele aperta minha bunda e pisca para mim.

_ Ei, a versão Diable está aí afinal…

_ Não tenha medo amor, esta versão está sempre aqui pronta para você. Mas agora se acalme, tenho mais coisas para você.

_ No quarto?

Ele solta uma risada e me morde o lábio.

_ Sabrina, seus hormônios estão realmente bem descontrolados, você estava chorando à cinco minutos atrás. E agora está aqui me provocando. Eu não vou cair nesta. Quero saber o que você deseja para o jantar? Quer ir a algum restaurante?

_ Eu farei algo para nos dois Vincenzo…

Ele me olha seriamente.

_ Esta não é a resposta para as minhas perguntas!

Me dou por vencida.

_ Na verdade, eu não quero sair, ainda me sinto muito cansada. Me surpreenda!

_ Seu desejo é uma ordem. Você pode relaxar, tomar um banho, assistir uma série, o que quiser fazer. Eu cuidarei de tudo!

Eu ainda fico um segundo tentando saber onde foi que me perdi todo este tempo, por não perceber o Vincenzo assim. Lógico que ele estava mostrando um lado que sempre tentávamos esconder um do outro. Éramos amigos, amantes sexuais. E agora, tudo isto era muito novo. Eu devolvo a roupinha do bebê para a pequena caixa, enquanto Vincenzo sorri para mim e se afasta para os armários da cozinha, guardando nossas compras.

Aliso as rosas vermelhas e abraço o grande urso, deixando um sorriso bobo me escapar dos lábios ao sentir a maciez. Antes de colocar o urso novamente na mesa percebo um envelope vermelho, Vincenzo deve ter colocado aqui na hora que veio deixar as compras. Eu me viro procurando Vincenzo, ele está pegando panelas e não presta atenção em mim. Abro o envelope e obviamente reconheço a letra de Vincenzo, rapidamente começo a ler.

Minha Doce Sabrina

Você entrou em meu coração e chegou para habitá-lo sem me pedir alguma permissão. E eu não soube te dizer não. E jamais saberei como te tirar daqui de dentro.
Confesso que antes, quando eu sentia a palavra amor eu tremia, eu me tornava insensível. Mas com você foi tudo natural. E agora eu tenho certeza que com você eu vivo a história mais linda do mundo.
Às vezes eu tenho medo de que tudo desmorone. Mas eu não vou deixar nossos medos nos impedir de tentar, de lutar.

Confesso que eu não sou capaz de explicar o porquê quando estou com você tudo parece tão certo, meu coração ri, o fato é que eu sou um homem melhor por você.

 Eu sei que você está assustada, que isto tudo parece uma confusão, mas eu te peço, não duvide do que sinto, e nem mesmo duvide do quanto vou proteger e amar você e nosso bebezinho.

Eu quero poder te abraçar forte e quero que você me abrace forte todas as vezes que estivermos com medo. Merecemos nos permitir a felicidade juntos Sabrina. Quero fazer planos futuros contigo, para nossa vida, que poderá não ser perfeita, que poderá ter falhas.
Mas em dois, o que é difícil se torna mais simples quando se existe amor.

E eu te amo muito diabinha.

Ps.: Não se preocupe vou satisfazer TODAS as suas necessidades mais sacanas.

Seu Diable Vincenzo

Dou uma risada entre as lágrimas. Quando me viro, esbarro em seu peitoral. Ele me segura.

_ Eu gosto de ver você desidratando por mim, mas não com este tipo de lágrimas!_ Fala com aquele maldito sorriso provocante nos lábios. 

_ Você é um romântico pervertido!

Eu abraço-o e ele suspira em meus cabelos.

_ Eu sou o que você quiser, na hora que você quiser, do jeito que você quiser.

_ Cuidado com o que me promete Vincenzo.

_ Você realmente possui uma mente suja Sabrina.

_ E isto te incomoda?

_ Eu amo tudo em você.

_ Eu também amo tudo em você Vincenzo.

_ Esta é uma confissão deliciosa de se ouvir, diabinha.

Ele me beija lentamente, minhas mãos vão para o seus cabelos. Ele alisa meu pescoço e desliza pelos meus seios acariciando-os lentamente. Eu empurro meu corpo para ele. Ele se afasta e sorri.

_ Só estou conferido se sua sensibilidade mudou. Você continua reagindo muito bem ao meu toque.

Eu o encaro irritada, ele se aproxima e sussurra no meu ouvido.

_ Tenho pensando em ideias de explorar para o nosso prazer esta sua hipersensibilidade nos seios. Em breve você descobrir!_  Ele morde o lábio, me provocando.

_ Eu tinha esquecido o quanto você pode ser perverso e irritante.

Ele solta uma risada e belisca minha bochecha.

_ E eu adoro este beicinho que você faz. Mas agora tenho que colocar o macarrão na água que está fervendo.

Ele me joga um beijo e vai para cozinha. E eu decido tomar um banho rápido. Vou até o quarto, deixo o urso e a caixa da roupinha do bebê sobre minha cômoda.

Escolho um vestidinho leve e corro para debaixo do chuveiro. Eu deixo a água escorrer um pouco e tento não pensar no quanto tudo está indo rápido demais, apesar de estar feliz com isto.

Quando estou terminando de me enxugar ele dá uma batida fraca na porta e assim que respondo que a porta está aberta, ele entra.

_Está tudo bem?

Ele encara com desejo o meu corpo nu. Eu de maneira depravada respondo.

_ Na verdade você pode deixar tudo melhor …

_ Sabrina meu amor, eu vou deixar tudo melhor cuidando de te alimentar. Vista-se e venha.

Ele evita olhar direto para o meu corpo e continua._ Eu te espero na sala.

Divertida eu observo ele se afastar. Eu termino de me vestir e sigo para a sala, o cheiro está delicioso. Ele sorri ao me ver e afasta a cadeira para eu me sentar. Diante de mim está um prato de macarrão com queijo e molho branco. Ele obviamente está bebendo vinho, e na minha frente ele colocou uma garrafinha do suco vitaminado que o médico receitou.

_ Prendado! _ dou uma piscadinha para ele.

Ele me encara divertido.

_ Achou que eu era um homem somente de cama, não é mesmo? Pois eu não sou somente um corpinho para usar!

Eu dou uma risada e jogo um beijo. Ele espera eu comer e eu cheia de fome não o decepciono, dou uma garfada e me delicio, está saborosa. Ele come, mas não deixa de me observar com seu olhar intenso e ostentando um sorriso satisfeito.

_ Você devia parar de me olhar assim, foi me olhando assim, que você fez este bebê que está aqui dentro.

Ele joga a cabeça para trás gargalhando.

_ Bom, já que já fiz o bebê, temos alguns meses para fazermos mais e mais e mais sexo, sem ter perigo que eu faça outro.

_ Engraçadinho. Você fala isso, mas quando te provoco, você está me deixando na vontade.

_ Sabrina, minha Doce Sabrina, lembre-se que não vou a lugar algum, de hoje em diante estamos sob o mesmo teto, você vai dormir com sua bunda colada em mim toda noite. Sugiro que não me provoque tanto.

A sua voz é tão carregada de desejo, que meu corpo não deixa passar despercebido e reage, me deixando molhada. Eu dou um longo gole no meu suco e ele vitorioso me provoca.

_ Perdeu a voz querida?

_ Não sei do que você está falando! A pasta está deliciosa…

Ele dá uma risadinha e fala.

_ Eu poderia…

Ele fica calado e bebe o vinho, me olhando de um jeito safado. Eu engulo com cuidado para não engasgar quando ele lambe os lábios. Então eu interrompo o silêncio.

_ Você poderia o quê?

Ele torce o nariz e ri com o canto dos lábios.

_ Você é curiosa demais Sabrina. Eu vou te mostrar depois. Não quero fazer promessas vou fazer, simples assim.

Ele apenas aperta minha mão sobre a mesa. Terminamos de jantar e eu finalmente o convenço em me deixar ajudar. Ele diversas vezes se esbarrou de propósito em mim, enquanto organizávamos tudo. 

_ Terminamos e agora?

_Como você é ansiosa meu amor. Agora eu vou tomar um banho …

Eu sorrio amplamente. Ele caminha para o banheiro e me aponta o sofá diante da Tv da sala.

_ Eu disse que vou tomar um banho, você fica sentadinha aqui querida. Volto rápido e podemos ver um filme.

_ Não é a resposta certa, mas pode servir Vincenzo.

Ele sorri e entra para o banheiro, eu desligo a luz da sala e me jogo no sofá pegando o controle da Tv. Faço alguns giros de canais. E um tempo depois ele volta para a sala perfumando o seu sabonete que eu conhecia tão bem, seu corpo ainda úmido e ele usando apenas uma boxer preta. Uma visão deliciosamente infernal.

_ Vai ser divertido…

Eu falo e me levanto antes dele se sentar. Eu vou até ele e o abraço inalando profundamente o seu perfume, ele sorri em meus cabelos.

_ Eu te dou meu coração e você só quer usar meu corpo.

Eu dou uma risadinha.

_ Bom, seu coração está no seu corpo e eu amo tudo, então…

Ele belisca minha bunda e tenta me puxar com ele para o sofá. Mas eu desvio.

_ Preciso ir ao banheiro. Mas antes que você se preocupe, eu estou bem.

Ele sorri e se joga no sofá. Eu vou para o banheiro e enquanto lavo meus dentes fico pensando como ficará a cara dele quando eu voltar. Eu vou na minha cômoda do quarto e pego uma camisola transparente, tiro a minha calcinha e a deslizo pelo meu corpo. Passo meu perfume preferido nos meus pontos estratégicos e volto para a sala. Ele está jogado no sofá e vou lentamente até ele, que ao perceber minha presença, se senta e me puxa para perto me observando.

 Ele está jogado no sofá e vou lentamente até ele, que ao perceber minha presença, se senta e me puxa para perto me observando

_ Eu devia imaginar que você ia jogar sujo, Sabrina.

_ Eu estou apenas vestida para dormir. Não sei do que você está falando. Eu poderia estar totalmente nua, mas em respeito a você estou vestida.

Ele gargalha. Enquanto sorrio provocativa.

_ Você é uma pestinha. Mas eu tenho muito auto controle. Venha aqui.

Ele me puxa para o colo dele e me beija. Eu tento aprofundar o beijo, mas ele para, e me faz deitar com ele no sofá. Eu tento resistir, mas ele vence.

_ Você precisa descansar meu amor.

Eu não rebato, deixo ele me abraçar e fico quieta por um pouco. Mas não deixo de me mover algumas vezes, fazendo alguma pressão em seu quadril como se eu não pretendesse nada com isto. Ele me aperta algumas vezes e tenta prestar atenção no filme. Mas vagarosamente seus dedos fazem círculos nos meus mamilos e eu realmente não me importava mais com a tv no momento que senti sua ereção crescer sob mim. Ele alisa lentamente minhas coxas e desliza sua mão entre minhas pernas.

_ Porra Sabrina, sem calcinha e extremamente molhada para mim!_ Sua voz rouca é forte em meu ouvido.

_ Eu não tenho culpa de estar molhada, se você ficou se esfregando em mim Vincenzo.

Ele agarra meus quadris e empurra ainda mais sua ereção em meu corpo.

_ Eu tento, tento ser gentil, ser cavalheiro. Te deixar descansar, mas você me provoca, e aí eu já não posso mais parar, é isto que você quer?

Ele aperta ainda mais meus quadris e empurra sua ereção novamente em mim. Eu viro meu braço para trás e aliso o volume em sua boxer.

_ Eu quero você dentro de mim … agora.

Ele rosna e desce sua cueca, libertando sua ereção, ele passa minha perna para trás da sua e me inclina contra seu corpo. Ele me penetra com força e seus dedos seguem um ritmo acelerado sobre meu clitóris e em segundo eu estou tremendo e apertando seu pau e ele continua impiedosamente seus golpes dentro de mim. Ele sai de dentro de mim e eu solto um gemido de frustração. Ele me empurra de bruços no sofá e ergue minha bunda colocando uma almofada embaixo dos meus quadris. Ele alisa minha buceta e enfia dois dedos dentro enquanto eu rebolo.

_ Que delícia Sabrina, eu não aguento te ver assim… é um paraíso e eu quero me afundar.

Ele tira os dedos de dentro de mim eu viro meu rosto buscando seu olhar, ele chupa os dedos lambendo meus fluídos, a visão é devastadoramente sexy. Ele posiciona sua grossa ereção e entra em um só golpe, mas não se move, eu me contraio envolta dele, ele se abaixa e sussurra.

_Você me provocou várias vezes hoje, e agora eu vou te dar o que merece safadinha.

Ele volta a se mover para fora e dentro de mim e eu grito de prazer a cada estocada profunda dele que acerta o ponto mais sensível dentro de mim com seus movimentos. Eu solto uma de minhas mãos da almofada e tento alcançar meu clitóris, mas ele segura meu pulso e ele mesmo o alcança intercalando suas estocadas com os castigos no meu clitóris. A onda quente de orgasmo toma conta de todo meu corpo que treme descontroladamente sob ele, que não para o ritmo, eu gozo desesperadamente mais de uma vez e ele ainda está mantendo o controle, mantendo o ritmo.

_ Mais , Vincenzo, me dê mais por favor…

Ele empurra mais profundo e tremo mais uma vez. Eu rebolo e tento assumir o controle, mas ele pega meus pulsos e os levanta acima da minha cabeça, pressionando-os contra o sofá. 

 

O seu quadril continuou a tortura deliciosa, de movimentos fortes com uma deliciosa lentidão, eu o sentia  cada vez mais duro, mais grosso e latejante. E logo ele aumenta o ritmo, apertando meus pulsos com mais força ainda, ele se curva ainda mais e movimenta os seus quadris me fodendo de uma maneira selvagem como a tanto tempo ele não fazia, não demora para ele explodir seu gozo me preenchendo toda. Ele solta meus pulsos imediatamente e me puxa para ele, me abraçando.

 Ele solta meus pulsos imediatamente e me puxa para ele, me abraçando

_ Desculpe, eu te machuquei?

Eu fico perplexa com o quanto a minha gravidez está afetando-o.

_ Eu estou bem, não se preocupe. Eu gozei deliciosamente, como posso estar mal? Você está preocupado por que estou grávida, é isto?

Ele fica tenso e me aperta em seus braços.

_ Sim. Eu não quero te machucar, eu sei que o Doutor nos explicou que grávidas saudáveis podem ter relações sexuais, mas eu ainda fico com medo.

Me aperta o peito, ele realmente está com medo. Então tenho uma ideia.

_ Vincenzo, lembra todas as vezes que tínhamos relações com práticas do BDSM*? Você me fazia te dizer uma palavra de segurança se eu não me sentisse confortável ou não estivesse bem, lembra?

Apesar do seu olhar triste ele me dá um sorriso safado.

_ Eu não vou castigar sua bunda linda enquanto você estiver grávida querida._Ele ergue uma sobrancelha e pisca me provocando e continua.._Mas eu entendi, você quer usar a palavra de segurança caso não se sinta bem quando faremos amor.

_ Pena não rolar a sessão de spanking* com padle*_Suspiro frustrada. E vendo o sorriso em seus lábios eu continuo:_mas na verdade, você com o chicote na mão era muito mais sexy Vincenzo!  

Provoco-o tentando fazê-lo relaxar. E funciona, ele de maneira instigante me adverte.

_ Eu vou me lembrar disto, assim que pudermos executar tal prática querida. Então sua palavra de segurança será a mesma de sempre?

_ Sim, se eu não me sentir bem enquanto estivermos fazendo amor, eu vou falar minha palavra de segurança.

Falamos os dois em uníssono.

_ Diable.

Ele sorri e me beija com paixão. E eu me entrego no seu beijo. 

BDSM “Bondage, Disciplina, Dominação, Submissão, Sadismo e Masoquismo”, mas cada termo tem o seu próprio significado.

Spanking é uma prática sexual na qual cada um dos envolvidos adota um papel de dominador ou dominado para obter prazer sexual por meio do castigo físico.

Paddle Acessório que normalmente tem o formato de um remo e pode ser feito de vários materiais como madeira, couro, borracha e outros materiais.

Chicote

Continua…

Perfeita

Estamos nos acalmando, a água é deliciosa, perfumada, os jatos fazem a pressão em nossos corpos. Eu estou no colo de Vincenzo e minha cabeça está apoiada em seu peitoral. Ele alisa vagarosamente minhas costas. Eu já estava quase dormindo assim, até ele quebrar o silêncio.

_ Eu percebi que ficar com você, fazer o acordo somente de sexo, seria perigoso, eu sabia que não resistiria.

Eu levanto meu rosto para olhar seus olhos. Ele está bem sério.

_ Você se arrependeu?

Ele procura meu olhar.

_ Sim. Me arrependo…

Eu me assusto e tento me afastar e ele me mantêm presa em seu colo, enquanto continua.

_ …me arrependo de ter perdido tanto tempo enganando a mim. Não estou dizendo que já era amor, mas todo nosso flerte de adolescente já era um sinal que devíamos ficar juntos. Depois alguns anos atrás, quando começamos a sair com mais frequência com nossa turma de amigos, ali eu já estava perdido. Me amaldiçoava pelo medo de compromisso e morria um pouco mais ao saber dos seus flertes com outros caras. Eu precisava agir…

Ele faz uma pausa. Eu fico tentada a interromper com o que penso, mas entendo que ele precisa falar. Então me limito a alisar seu rosto.

_ Eu sempre gostei de sexo, a depravação e luxúria me ajudavam a não me envolver, não entregar meu coração. Mas quando começamos a sair a nos divertir com nossos amigos eu comecei a sentir algo muito forte por você. A atração sempre foi existente e você sabe, eu podia sentir o cheiro da sua excitação cada vez que eu te tocava casualmente, que eu te beijava o rosto como seu amigo. Deus Sabrina eu estou apaixonado, mais que isto eu estou te amando. E agora descobrir que aqui dentro de você está crescendo um filho meu… Céus…

Ele acaricia meu ventre com um sorriso nervoso. Eu me aproximo e deposito um beijo casto em seus lábios. Ele afunda seu rosto no meu pescoço e respira profundamente. E então continua.

_ Obrigada por me deixar desabafar Sabrina. Eu quero que você saiba que estará segura comigo. Vou cuidar de você e do bebê mesmo que você não queira ficar comigo.

Eu me afasto para olhar novamente em seus olhos.

_ Eu que te agradeço por falar o que sente. Eu também me sinto assim, foi medo, medo de perder o amigo, o amante. E nossas relações passadas deixaram marcas, mas também aprendizados. Você me conhece tão bem e eu a você amor. E’ novo para mim ter você assim tão romântico, tão doce, tão carinhoso. Me dá medo do futuro, sobre nós, sobre meu trabalho, sobre meus estudos. E mais ainda, cuidar de um bebê.

_Sabrina, vai ficar tudo bem. Vamos conseguir. Eu vou te apoiar no que for preciso, você terá tempo para estudar, para trabalhar fazer tudo o que você quiser. E eu vou ajudar a cuidar do bebê, não era o que esperávamos, mas era para ser, então tente não ter medo…

Com lágrimas nos olhos confesso.

_Meu maior medo é perder você, Vincenzo. Você sempre foi libertino, sempre gostou de ir nestas baladas ousadas…

Ele leva o dedo indicador em meus lábios.

_Minha querida, quem está assustado em perder aqui, sou eu. Quanto a libertinagem, ao sexo arrebatador, foi sempre você. Você não consegue mesmo ver? Você não se sentia segura para assumir um relacionamento, nem eu, você apreciava o extremo e isto me atraia como um imã. E nada nos impede de o fazer depois, se assim quisermos. Sabrina, você não vai me perder, porque eu não vou a lugar algum. Quero ser teu amante, o teu homem apaixonado, o pai atencioso do seu bebê e se você assim o permitir, o teu marido.

Ele limpa minhas lágrimas, enquanto entre soluços confesso.

_ Daqui uns meses estarei enorme com o bebe na minha barriga, serei uma bagunça de hormônios, logo depois chegará o bebê, as responsabilidades, os estudos, viver com você…

_ Respira, respira. Primeiro você vai ficar linda com o barriga enorme carregando nosso bebê, eu vou cuidar de você como disse, seja quando você estiver chorando, enjoada, frustrada, com fome, entendo não somente de comida._  ele sorri provocativo e continua. 

_ Vou apoiar você, vou te satisfazer, eu estou bem aqui Sabrina e não vou te abandonar.

Sorrindo entre as lágrimas eu afirmo.

_ Você está me tratando como porcelana agora no início da gravidez, duvido que vá satisfazer seus desejos mais insanos comigo nos próximos meses…

Ele sorri e um fogo se acende nos seus lindos olhos.

_ Quer dizer que na verdade sua preocupação é que eu não te possua da maneira como sempre fiz? Ah! Minha Doce Sabrina, eu quero tudo e te darei tudo. Estou apenas me adaptando a nossa nova situação, mas acredite, vou aproveitar sua fase gravida e faremos mil novas posições e realizaremos tantas fantasias minha pequena diabinha.

Dizendo isto ele desliza seus lábios em meu pescoço, lentamente mordendo, sugando. Eu ofego em seu ouvido, ele sorri.

_ você é insaciável Sabrina. Amo isto, mas temos que sair desta banheira e decidirmos o que faremos hoje a noite. você ainda quer ir para sua casa?

_ Sim, quero ir para a minha casa, até me acostumar. Mas você pode vir comigo e ficar lá se assim o desejar, mesmo eu achando exagero, eu estou bem. E além do mais sua casa com certeza vai precisar de algum tempo para que esteja pronta para vivermos dentro. Sua mudança chega amanhã, mas você com certeza terá ainda ajustes para fazer. Outra coisa …

Me ajudando a sair da banheira ele fala:

_O que você quiser.

_ Nosso acordo, contrato seja lá como você queira chamar Vincezo, acaba aqui…

Ele assustado ergue uma de suas sobrancelhas curioso.

_Se é para tentarmos algo juntos, não vou aceitar você com outra.

Ele solta um suspiro.

_ Sabrina, já faz mais de 1 ano que estou somente com você. E durante as raras vezes no início do nosso trato em que eu fiquei com alguém foi sexo casual de uma noite, tentativas frustradas para tentar matar meu sentimento por você. Seu pedido vale para você, não quero outro homem se engraçando para cima de você. Não sou teu marido oficialmente falando, mas não quero mais pensar na ideia de ter que aceitar que você não seja minha. Ao menos não quando estivermos tentando algo sob o mesmo teto.

Ainda surpresa por sua revelação, eu o acalmo.

_ Não haverá outros. Somente você. E eu também não fico com outro já faz mais de 1 ano…

Falando isto, eu penso, como ele realmente confia em mim. Afinal, este bebê poderia ser de outro visto que nosso trato era não se envolver e nada de exclusividade. Mas fomos mais exclusivos do que pensávamos.

_ Sabrina, você está me ouvindo?

_Desculpe, eu me perdi pensando algo e não te ouvi.

_ Conhecendo você tão bem, com certeza deve ter se assustado com minha confissão. Mas o que tenho a dizer em minha defesa é que valia a espera dos nossos encontros para me satisfazer. Fora que nossas trocas de mensagens, fotos, vídeos, vídeos chamadas quando estávamos longe, deixava tudo mais excitante. você não tem ideia de quanto pensei em você deixando minha mão fazer todo o trabalho de trazer para fora todo o desejo reprimido.

_ Depois a depravada sou eu?

Ele sorri e me ajuda a fechar meu vestido. O toque leve de seus dedos na minha pele me faz arrepiar e meus mamilos dão sinal. Como sempre nada passa despercebido por ele, que ao ver toda a cena sorri orgulhoso e mordisca meu mamilo coberto pelo tecido fino do vestido.

_ você não tem ideia do quanto será difícil para mim morar com você neste tempo, vou ter que me controlar muito.

Eu me aproximo fechando o botão de seu jeans naquele V perfeito de seus quadris que sempre deixavam evidenciar o caminho para o inferno dos seus desejos. Eu provoco-o.

_ E quem disse que eu quero que você se controle? Se é para morarmos juntos, que seja divertido e extremamente proveitoso.

Ele solta uma gargalhada e enquanto descemos as escadas ele sussurra ao meu ouvido

_ Não me provoque. Não desperte o que você não será capaz de controlar docinho.

_ Soa uma promessa deliciosa._ pisco para ele.

Ele me abraça e me conduz até o sofá, sentando-se na poltrona a minha frente.

_Agora outro assunto delicado.

_Vincenzo, não falamos coisas sérias demais por um dia?

_Desculpa meu amor, sim falamos. Mas esta é a última, prometo. Quando você quer contar para nossas famílias, amigos, funcionários?

_Vincenzo eu não tenho funcionários, você que têm. E quanto a nossa família e amigos eu prefiro esperar até o terceiro mês. Tudo bem para você?

_Eu gostaria de sair gritando para todo mundo, mas entendo sua decisão e respeito. Vamos esperar. E quanto ao trabalho?

_ você não pode demitir mulheres grávidas.

_ Deixe o sarcasmo de lado, e pare de me provocar, posso pensar em maneiras de fazer você ser boazinha para mim.

Dou uma risada e ele continua com ar provocativo.

_ Estou de acordo com mantermos a gravidez em segredo por enquanto, em respeito ao seu psicológico. Mas não podemos mais esconder que somos um casal. Eles são meus funcionários e eu não devo satisfação, mas visto que você é funcionária da Venice, eu concordo que é melhor saberem tudo do início. Por mim, chegamos lá segunda de mãos dadas, te dou uns amassos no corredor ou …

_ Quanta sutileza! Então, o que acha de contarmos no sábado? Terá festa com todos os funcionários do escritório, então seria a oportunidade perfeita.

_E eu vou ter que ficar longe de você no trabalho, até sábado?

_ A ideia é você continuar longe de mim no trabalho Chefe.

Ele faz uma cara de irritado.

_ Tudo bem. E eu prometo ficar longe respeitando seu espaço de trabalho. Mas o meu espaço de trabalho não precisa ser respeitado, querida. Desde que te vi na minha sala de reuniões fiquei pensando mil maneiras de te curvar sobre minha mesa e te penetrar profundamente. E eu pretendo ter meu sonho realizado!

_ Você é um depravado…

_O seu depravado! Sugiro que você se comporte esta semana. E sugiro que venha até minha sala algumas vezes do dia. E se você se sentir mal, eu a levarei pessoalmente para casa sem discussões. Eu não vou ser seu segredinho sujo por muito tempo. Uma semana e vamos falar para todos. Sua barriga também vai crescer em breve, não podemos fugir das consequências dos nossos atos, meu amor. Vamos encarar de frente!

_ Eu sei. Sábado contamos a história ao pessoal do escritório. São apenas uns 40 funcionários me julgando de imediato, até chegar no resto da sua empresa.

_ Não permitirei que ninguém te aborreça!

_ Eu sei me defender, não quero você mostrando a eles que terei tudo, por privilégios. Não quero isto, e te informo que de qualquer maneira continuarei a minha procura por outro trabalho.

_ Eu não quero, não acho necessário. Mas vou respeitar sua escolha.

_ Será para depois que o bebê nascer, afinal quem vai me contratar grávida?

_ Eu não teria problemas com isto, aliás poderia trocar de posto com minha secretária…

_ Claro Vincenzo, vamos para os clichês onde o chefe se envolve com sua secretária.

Ele da uma risada por me ver irritada.

_ Estamos juntos antes. você não ganhou nenhum privilégio porque é minha.

_ Eu sou?

Ele se levanta e rapidamente se joga no sofá ao meu lado, me puxando para o seu colo e fazendo cócegas.

_ Nos meu sonhos você é minha para sempre. Mas já estou feliz por te ter por alguns meses até que se decida. Eu vou batalhar pelo meu lugar ao seu lado.

_ Vincenzo o cavalheiro? Quantos de você existem?

_ Por você, quantos quiser meu amor.

Ele beija e mordisca minha orelha.

_ Vamos para sua casa? Mas antes insisto em passarmos no mercado tenho coisas para comprar. Podemos cozinhar nosso jantar ou você quer comer em algum restaurante?

Ele fica muito engraçado todo ansioso. Eu me aconchego nele e concordo com tudo. Depois de uma pausa e um pequeno cochilo eu acordo sozinha no sofá, levanto-me procurando por ele. Escuto sua voz ao longe, novamente ele está fora no celular, caminhando de um lado para o outro no jardim. Ele trocou de roupa, provavelmente usou a que estava na sua mala no carro. Ele se vira e me faz um aceno se apressando para terminar a ligação.

Ele caminha em minha direção ainda falando no celular.

_isto… Eu preciso que esteja disponível. Me confirme por e-mail o mais rápido possível.

Ele desliga o celular e me abraça.

_Você poderia ter me acordado Vincenzo.

_ você precisava descansar. Você se sente bem?

_ Sim estou. Podemos ir se você quiser

Ele concorda. Ele fecha a casa e seguimos para o carro.

_ Amanhã tenho uma reunião de manhã. Sigo com o início da tarde ocupado. Mas depois das duas estarei livre e gostaria que você saísse mais cedo.

Ele fecha a porta e contorna o carro. Quando ele entra eu respondo:

_ Já vi que será difícil as coisas.

_ Eu preciso da sua ajuda na verdade. Preciso comprar alguns itens para casa nova, coisas que não tenho ideia de como escolher.

Eu sou consciente que para ele pedir algo é porque realmente se sente perdido.

_ Tudo bem. Mas eu tenho que trabalhar hoje a noite em casa para adiantar as coisas.

_ Tudo bem. Você trabalha e eu preparo o jantar.

_ Você vai fazer sanduíches como sempre?

_ Assim você me ofende Sabrina. Eu tenho uma descendência italiana para zelar. Eu apenas não tive a oportunidade de mostrar à você, visto que sempre quando estávamos juntos, pouco eram os momentos que eu não estava dentro de você.

Sua fala tranquila não me passa despercebida, me movo um pouco no banco. E um leve sorriso se forma em seus lábios, mesmo com seu olhar na estrada.

_ Isto significa que por hoje acabou?

Ele dá uma gargalhada.

_ Sabrina, teremos que voltar ao médico e perguntar se este fogo é normal na gravidez. Você já era bem safadinha, mas de ontem para hoje está se relevando uma ninfomaníaca. Vou ter que tomar algumas vitaminas.

Eu respondo afrontosa.

_ Talvez você esteja perdendo a energia, querido.

_ Eu não disse que por hoje chega. Vou apenas respeitar sua concentração no trabalho. Eu poderia enfiar a minha língua incansavelmente na sua doce boceta, enquanto você trabalha no seu laptop …

Eu arregalo os olhos e solto uma risadinha.

_ Despudorado! Você não caberia em baixo da minha mesa de qualquer maneira. Você é muito alto.

_ Isto é um desafio?

_ Vincenzo se controle. Depois sou eu a ninfomaníaca. Mas você não se lembra de quem me desperta tais desejos.

Ele sorri e se concentra na estrada. Não demora muito e chegamos no mercado, ele pega um carrinho e sai pegando milhões de coisas, eu no início tento argumentar, mas depois desisto. E quando chegamos em casa, ele me faz um pedido muito estranho, mas resolvo aceitar. Ele leva as compras para dentro do prédio, e me pede para esperá-lo na portaria. Eu fico ali feito boba, mas rindo dele, o que será que ele está aprontando?

Ele não demora muito e volta, sorrindo.

_ Vem vamos para casa.

Eu olho ele desconfiada, tentando ler algo em seu olhar. Mas esta versão romântica não conheço tão bem, fica difícil ler. Ele me abraça e me leva até o elevador. Se mantêm em silencio quando eu  interrogo o que está acontecendo.

Quando chegamos na porta do meu apartamento, ele passa na minha frente e abre a porta, a musica Perfect – Ed Sheeran invade o ambiente.

Eu adentro minha sala e vejo um grande buquê de rosas vermelhas, caixas de chocolates e um grande urso de pelúcia. Eu fico sem palavras, mas as lágrimas falam por mim. Ele me abraça e sussurra.

_ Precisamos comemorar nosso amor se concretizando dentro de você.

Ele continua sorrindo. Embora eu estivesse feliz, uma angústia me perseguia os pensamentos.

– Vincenzo, eu estou falando sério. Você acha que porque estou grávida têm que se casar comigo? Você…

– Não Sabrina. Eu já estou decidido desde que consegui falar que eu te amo. São dois anos juntos. E eu tentando me enganar , tentando fugir de um compromisso que anseio faz muito tempo. Eu disse que jamais me casaria depois do que a minha ex me fez. Mas eu me pego pensando sempre em ter você na minha vida para sempre. E por favor, o fato de  estar te  dizendo não é para que se sinta obrigada a nada. Eu quero que saiba que eu vou lutar por você, por nós. E se no final, você disser não, não me restará nada além de concordar com a sua vontade. Por mais que isto me quebre…

Eu seguro sua mão e ele a leva até seus lábios depositando um beijo. Eu absorvo o suas palavras mas decido  não dar uma resposta. Ele respeita meu silêncio e se concentra na estrada. 

– Vincenzo, eu preciso ir para o trabalho.

Ele me olha por um segundo e volta a atenção para a estrada.

Ele para na farmácia mais próxima, e compra tudo o que preciso não me deixando pagar nada. Eu tento argumentar, mas ele me ignora. Entramos no carro e ele pega uma estrada para a parte oeste da cidade, o oposto do escritório.

– Sério Vincenzo, eu preciso trabalhar. Todas as mudanças que você pediu eu tenho que terminá-las hoje, para segunda-feira estar na sua mesa. E…

Ele para por um segundo em frente uma casa com grandes portões e um jardim enorme. O portão se abre e ele entra com o carro. Ele desce e abre a porta me estendendo a mão para eu descer.

– Vincenzo, por favor, eu não quero brigar. Eu estou bem e tenho muito trabalho…

Ele me puxa para mais perto, abaixa seu rosto e me olhando nos olhos me diz:

– Não vai demorar eu prometo, e quanto a você trabalhar, o doutor disse que você deveria descansar nos próximos dias.

– Eu estou bem. Não tive mais enjoo desde o café da manhã.

– Eu te peço uma chance. Alguns minutos do seu dia Sabrina, se depois de me ouvir você não quiser ficar, eu te levarei embora.

Eu concordo e ele tira as chaves do bolso e me leva para dentro da casa.

O hall de entrada é lindo, possui um jardim interno embaixo das escadas para o segundo andar. A sala é enorme, um open space com a cozinha e sala de jantar. Todos os móveis em mogno escuro, fazendo contraste com o mármore claro do chão. Eu caminho lentamente observando tudo, me viro e ele está parado com as mãos no bolso, sustentando um sorriso nervoso.

– Esta é a sua casa aqui?

– Na verdade Sabrina, é minha casa definitiva, assim espero. Quer dizer, a casa na nossa cidade eu aluguei. E a que eu tinha comprado aqui a um mês atrás, eu a vendi ontem. E comprei esta, peguei as chaves ontem mesmo antes de ir para o jantar. Os móveis são incluídos, mas posso mudar tudo. São quatro quartos no andar de cima, dois são suítes, tem um banheiro no corredor para os outros dois quartos. Aqui embaixo como você pode ver fica a cozinha, sala de jantar e Tv tudo junto. A varanda lá fora possui área barbecue, piscina e um grande jardim.

– Uau Vincenzo , não sei o que te dizer. Meu apartamento cabe no seu open space…

Ele se aproxima e me puxa com ele para sentar-se no sofá.

– Se… e eu estou dizendo “se” você aceitar, poderia vir morar comigo.

Ele coloca os dedos nos meus lábios pedindo silêncio e continua:

– Eu não estou falando para você largar sua vida e casar forçada comigo. Só pensa no bebê, seria mais fácil aqui. Apesar da escada me incomodar e…

– Vincenzo, eu não acho que seja uma boa idéia…

– Sabrina, eu já tinha contratado um pessoal para me ajudar com a casa. Cozinheira, limpeza, manutenção da casa, como você sabe não tenho tempo para fazer isto. E você precisará de suporte durante todo este tempo. E quando o bebê nascer, você quer continuar sua faculdade, eu posso contratar uma babá…

– Vincenzo, isto é um casamento mascarado. Não assinarei um papel dizendo que sou sua, mas estarei sob o mesmo teto que você, com seu dinheiro, luxo, e não me sentirei confortável.

– Sabrina, se te incomoda eu posso dormir em outro quarto, outra cama. Ou se te incomoda tanto posso ir viver em um apartamento e te deixar a casa…

– Meu Deus Vincenzo. Não! Não e isto, e só que…

Ele alisa meu rosto.

– Vamos fazer assim, pensa. E só uma proposta. Eu só quero que você esteja bem cuidada e não fique sozinha. Imagina se você passa mal a noite? Até eu chegar em você…

Eu dou uma risadinha e provoco.

– Se e só por isto, você pode ir dormir lá em casa até o bebê nascer. E quando nascer e eu continuar minhas coisas você contrata uma babá e eu venho buscar ele.

– Se te deixa segura, sim. Posso deixar tudo por conta dos meus funcionários aqui e ir hoje mesmo para sua casa por todos os meses que estão por vir.

Eu fico atônita, achava que ele não renunciaria a todo o luxo que está acostumado para morar em um apartamento minúsculo o qual ficará ainda menor no momento que eu transformar o quarto de hospede em quarto do bebê.

– Vincenzo eu vou pensar, eu juro. Mas, agora me diz…onde é seu banheiro?

Ele me aponta a porta do outro lado do sofá. Rapidamente ele se levanta e me acompanha.

– Você está bem? Enjoo?

– Só estou morrendo de vontade de fazer xixi.

Ele sorri e me deixa privacidade.

Quando termino, lavo minhas mãos e me encaro no espelho. Por semanas eu tinha olheiras, estava realmente sem brilho. Mas agora apesar de ainda estar pálida eu estava bem. Ele me fazia bem e eu não podia negar isto. Mas o território minado onde caminhamos se tornava cada vez mais perigoso.

Eu saio do banheiro e vejo sua figura elegante lá fora perto da piscina, falando no celular. Eu saio e sinto a brisa fresca, a grama bem cuidada, flores por todo o lado, bastante espaço para um bebê correr. Apesar da piscina, mas observando bem, notei que ela tinha uma proteção automática. Ele comprou a casa ontem, mas porque vendeu a outra que eu nem cheguei a conhecer? Ele volta guardando seu celular na jaqueta, ele me abraça.

– Oi meu amor…

– Oi meu doce diabão.

Ele dá uma gargalhada.

– Você realmente é uma pestinha Sabrina.

Eu me aproximo dele, e deslizo minha mão em seu peito, ele aperta minha cintura e me beija. Provocante eu deslizo minha mão pelo volume na sua calça.

– Puta que pariu Sabrina. Eu estou tentando me controlar… eu não quero…

– Ei Vincenzo, você vai ficar todos estes meses sem me tocar porque estou grávida? O doutor disse que não têm problema, lembra?

– Eu só tenho medo de não ser gentil o bastante…

– Céus Vincenzo, eu não sou de porcelana e não estou doente.

Eu invado sua boca, ele chupa minha língua e me morde o lábio. Eu puxo ainda mais ele para mim e toco novamente sua ereção.  Desta vez, ele me puxa para dentro, se senta no grande sofá e me faz montar em seu colo.

– Você é uma diaba. Acha que não percebi que você colocou este vestidinho preto para me fazer perder o juízo? Eu estava me controlando muito, até agora…

Ele desabotoa meu vestido e o tira rapidamente. Eu levanto e tiro minha calçinha enquanto ele abaixa sua calça, e abre sua camisa. Eu monto novamente e ele puxa meu soutien. Eu preparo para a dor dele tocar em meus seios. Mas ele magicamente faz carinhos tão delicados e beija e chupa meus mamilos me deixando encharcada de tesão. Nunca foi tão sexy ele me lambendo, mordiscando e chupando os seios. Eu gemo alto e ele para.

– Por favor continua, por favor Vincenzo….

Empurro meus seios na sua boca e ele continua. Ele me toca entre as pernas e geme.

– Você está muito molhada meu amor, você quer…

– Dentro, dentro agora…

O fogo em seus olhos se acende. E ele começa a empurrar seu membro inchado dentro de mim. Mas ele faz tudo lentamente, me se segurando, eu rebolo e aperto sua ereção até sentí-lo até o fundo, momento em que nós dois soltamos gemidos um na boca do outro.

– Sabrina, você é meu vício!

Nosso ritmo é intenso, as mãos dele percorrem meu corpo, apertando, deslizando. Ele alcança meu clitóris e eu trêmula gozo sem pudor algum gritando o nome dele, que urra meu nome me enchendo com sua porra.

Ele joga a cabeça para trás no sofá respirando ofegante e eu me aconchego no seu peito.

– Minha Doce Sabrina, você não sabe o efeito que causa em mim.

– Totalmente recíproco, meu amor.

Ele me afasta um pouco de seu peito, procurando meus olhos.

– Eu te machuquei?

– Não! Claro que não.

O interfone toca e ele se levanta tentando se recompor. Eu pego meu vestido e corro para o banheiro.

Quando saio de lá alguns minutos depois ele está terminando de colocar comida na mesa.

– Você está com fome amor?

– Sim, mas como você pediu comida na hora certa? Força do pensamento?

– Muito engraçadinha. Quando eu fui atender as ligações fora eu já aproveitei pedi o almoço. Já é hora do almoço, querida. E antes que você reclame, o Sandro mandou para o seu e-mail o que resta do projeto, para que você termine tudo para segunda-feira. Então, temos a tarde livre. Sim, você pode brigar!Mas pensa que nós merecemos paz depois de tanta tribulação e nem comemoramos a sua gravidez…

Eu sinto meu coração apertar e lágrimas molham meu rosto. Ele se aproxima rapidamente e me abraça.

– Ei, amor. Não é para você ficar triste. Não estou te obrigando a ficar aqui. Aliás já mandei mensagem para os meus funcionários na outra casa continuarem com o encaixotamento de tudo, pois o caminhão de mudança passará amanhã cedo e trará tudo para cá. E eu já tenho uma bolsa com roupas que eu deixo preparado em caso de um imprevisto de uma viagem de urgência, no banco de trás do meu carro. Tenho só que comprar algumas coisas antes de ir para sua casa. Quero você segura e confortável. Sem brigas.

Quando me acalmo, eu me afasto e ele me encara preocupado.

– Eu sei que você está só tentando ser bom para mim. Eu ainda tenho muita dificuldade de … você sabe meu ex. Você não é ele , lógico! Mas…

– As cicatrizes estão aí e ainda não fecharam. Eu sei amor, eu sei. Eu te entendo perfeitamente. Eu só peço, que se você se sentir desconfortável e insegura, que possamos nos falar antes de qualquer discussão, me promete?

– Sim.

Ele faz sinal para eu me sentar e eu posso ver algumas bandejas com uma massa italiana, salada, carne assada. Sucos, água e vinho.

– O que você quer beber Sabrina?

– Suco, por favor.

Ele me serve e abre o vinho para ele. O telefone dele toca e ele revira os olhos quando encara a tela.

– Perdão, eu preciso responder são da minha empresa na nossa cidade. Por favor, sirva-se, não me espere.

Ele se afasta e anda de um lado para o outro lá fora, um pouco nervoso no telefone. Eu me sirvo e começo a comer analisando ele e pensando, para ele também não deve estar sendo nada fácil. A sua ex além de trair ele, mentiu sobre uma gravidez, fingiu um aborto, e depois do divórcio fez da vida dele um inferno querendo dinheiro. Ele em nenhum momento duvidou de mim. Mas compromisso sério sempre tinha sido um tabu para ele. E agora estávamos nos dois mais envolvidos do que nunca.

Eu já estou quase terminado de comer e ele volta.

– Perdão por isto. Foi a última chamada do dia. Eu desliguei o celular.

– Mas e se alguém da sua família ligar?

– Você querendo ou não, também é minha família. Então… estou ocupado para os demais. Somente hoje, relaxa Sabrina.

Enquanto ele serve sua taça de vinho eu sirvo a comida para ele que sorri feito bobo.

– Sou eu que tenho que cuidar de você minha pequena.

– Você parece tão precisado quanto eu. Talvez até mais.

Ele se delicia com a massa e bebe um pouco de vinho.

– Tenho uma surpresa para você depois. Mas teremos que terminar de ver a casa, visto que alguém quis fazer o tour do sofá antes.

– Sério? Eu quis fazer amor com você no sofá? Que absurdo. Pobrezinho do meu diabinho, tão indefeso. Foi você que me puxou para lá.

Ele sorri e quase se engasga.

– Em minha defesa quero informar que eu me comportei muito bem. Caso contrário eu teria transado com você lá no seu apartamento, ligado para o médico para remarcar. Eu já sabia que você estava grávida, não tinha pressa de confirmar nada.

– Ah sim claro. Assim que me viu na empresa você percebeu…

– Sarcástica! Não percebi que estava grávida, mas percebi que algo estava diferente, no seu olhar e bem…

Ele faz um movimento apontando meus seios.

– Que safado!

– Sabrina eu sempre amei seus seios. Mas agora eles estão suculentos, apetitosos, incrivelmente…

– Chega Vincenzo. Come e para de me tentar. _Eu respondo sentindo um calor entre minhas pernas.

– Sabrina, meu amor. Vamos devagar. Eu ainda pretendo estar dentro de você várias vezes hoje. Mas eu quero fazer tudo com calma. Mas se você ficar muito quente, eu posso te ajudar a aliviar meu amor. Estou aqui para te saciar.

Eu apenas sorrio para ele. Ele me encara divertido e diz.

– Então, você não pode beber álcool, você sabe! O doutor disse que o sensato é evitar.

Ele se levanta da mesa bebendo seu vinho lentamente. Ele se aproxima, coloca a taça na mesa e se abaixa e sua voz é um rosnado.

– Eu sei o quanto você ama este vinho. Então vai ter que provar o sabor dele  nos meus lábios.

Ele me beija como somente ele era capaz, me levando para o seu inferno de luxúria e tentações, me fazendo arder. Uma de suas mãos aperta ligeiramente quase que imperceptivelmente meu pescoço e eu gemo em sua boca. A mão dele desliza por baixo do meu vestido e encontra meu clitóris. Ele aprofunda o beijo quando gemo.

– Sabrina, minha Doce Sabrina , meu amor… Eu não me canso, que vicio te fazer gozar…, mas tenho que controlar.

Ele se afasta eu gemo frustrada.

– Mas que diabos Vincenzo!

Ele sorri. Aquele sorriso malditamente sexy. Ele pega minha mão e me leva escadas acima.

– Hora de conhecer lá em cima meu amor.

Ele me mostra os três quartos, uma suíte e dois outros que o banheiro é no corredor. Depois ele abre uma porta e quando eu entro me deparo com um quarto lindo, uma cama king size com lençóis brancos, a decoração toda em um tom areia e dourado. A cabeceira da cama, poltrona, baú todos em capitonné marfim. Ele vendo que estou maravilhada cobre meus olhos com as mãos e me leva para outro lugar adjacente, provavelmente o banheiro pelo cheiro de óleos perfumados que me invade o nariz.

– Confia em mim?

Sua voz me causa um arrepio involuntário e mesmo sem abrir meus olhos imagino que seu sorriso convencido esteja lá.

– Não se pode confiar no Diabo…

Ele dá uma risada.

– Saiba que você é a maior tentação para o diabo aqui, então, confia? Sim ou não diabinha?

– Sim.

Ele beija carinhosamente minha nuca e eu me encosto nele sem abrir meus olhos.

Eu escuto uma música do Budha Bar Amor Amor

Amor, Amor

Amor, já não corre sangue em minhas veias
Amor, as coisas da vida nos separou
Amor, você é sol que ilumina minha memória
Você é minha, me sinto solitário, abandonado no mundo.

Eu preciso de você, eu te quero,
Minha vida sem você é um deserto,
Amor, amor, amor.

Amor, tu eras a estrela do meu céu
Amor, quero te amar com todo o meu sentimento,
Sim, todo,
Amor, de veludo são suas carícias, suas carícias,
Te dou
Te dou o amor que tenho dentro de mim

Eu preciso de você, eu te quero,
Minha vida sem você é um deserto,
Amor, amor, amor.

Amor eterno ao meu lado,
Amor, com você, com você…
Amor, te dou o meu amor.

Eu preciso de você, eu te quero,
Minha vida sem você é um deserto,
Amor, amor, amor.

Ele sussurrando ao meu ouvido diz

Eu preciso que continue com os olhos fechados. 

Ele alisa lentamente os botões do meu vestido e começa a abrir um por um. Tira meu vestido, minha calcinha, eu sinto sua barba por fazer roçando minha barriga que ele beija carinhosamente. Eu suspiro e meu corpo dá uma leve tremida. Ele alisa meus braços e agora sinto ele desabotoando meu soutien. Ele toca levemente meus seios e eu me vejo empurrando meu corpo contra seu toque. Ele beija lentamente cada um deles, chupando cada mamilo com devida atenção, me fazendo escorrer literalmente pernas abaixo. Então ele se afasta. Sinto o barulho de água por um tempo. Ele volta e eu ainda estou ali parada, tentada a abrir os olhos, posso sentir seu respiro perto de mim. Ele toca meu corpo alisando minhas costas e é como uma onda de eletricidade. Ele me ajuda a caminhar mais um pouco.

– Voce e linda. Eu te amo tanto.

Eu respiro profundo, ele me beija e quando se afasta me diz.

– Pode abrir os olhos diabinha…

Eu abro e uma banheira de hidromassagem está no ângulo do enorme banheiro, cheia de espumas que ele acabara de preparar. Olho para ele surpresa, e ao ver ele totalmente nu e ereto eu aumento meu sorriso.

– Nada disto diabinha. Vou te ajudar a entrar venha.

Ele entra e me segura enquanto entro na água borbulhante e espumosa. Ele se senta e eu me encaixo no colo dele que parece relutante.

– Sabrina…por favor amor…

Eu ignoro o seu pedido. Ele está com medo, posso ver no olhar dele. Medo de perder o controle que ele tanto presa. Quem diria. Eu não posso deixar ele ficar na defensiva comigo. Ele têm que entender que estou grávida mas não sou frágil. Então eu acaricio, ele esta duro e pulsante. Eu deslizo sua ereção para dentro de mim, e ele geme. Eu rebolo lentamente com ele segurando minhas costas. Eu empurro meus seios lentamente em seu rosto e ele atende minha súplica silenciosa, dedicando todo seu carinho para eles. Eu me sentia insanamente excitada, provavelmente os hormônios da gravidez.

Nossos movimentos eram intensos, mas nada desesperado. Me sentindo preechida por ele, amada, eu estava em extase.

– Sabrina eu não posso aguentar mais amor…

As palavras ele, seu toque nas minhas costas o seu hálito quente nos meus seios, minhas entranhas contraindo em sua ereção, foi o ápice para nós dois. E permanecemos ali, conectados não somente no corpo, mas na alma. E isto era fodidamente o inferno de bom.

Uma onda de emoção me invade, me sinto tão frágil nos braços dele, mas as suas palavras e seu corpo me apoiando me dão segurança.

Ele deposita um beijo em minha testa e pega a toalha. Ele começa a me enxugar e quando tento fazer eu mesma ele afasta minhas mãos.

– Sabrina, por favor, você precisa de cuidados e eu estou aqui.

Eu olho em seus lindos olhos me dando por vencida. Ele dá um sorriso fraco, mas posso ver que suas mãos tremem tanto quanto as minhas.

Ele me ajuda a vestir o roupão. Eu olho seu corpo molhado, seu jeans agarrado em seu corpo.

– Eu não tenho roupas que te servem, mas se quiser pode pegar um roupão novo que está no armário do corredor, eu tinha deixado aqui no caso você viesse estar aqui comigo… antes da briga…

Ele faz que sim com a cabeça e desliza seus jeans pernas abaixo.

– Obrigada Sabrina. Você pode se sentar enquanto me preparo?

Eu entendo a preocupação dele, mas me sinto irritada.

– Foi só um mal estar Vincenzo, já estou bem. Pode ir pegar o roupão eu vou colocar seu jeans na secadora.

Ele fica ainda mais sério.

– Sabrina, não vamos brigar. Precisamos conversar, mas você não está bem, e eu não vou a lugar algum deixando você precisando de mim. Só tenta ficar calma, por favor.

Eu respiro fundo, abaixo a tampa do vaso e me sento. Ele sai do banheiro rapidamente e volta vestindo o roupão preto que eu tinha comprado para ele, para uma nossa primeira noite juntos no meu apartamento. Ele coloca a calça para secar e se vira para mim. E ali estava ele, devastadoramente lindo e com uma versão ainda mais nova dele, preocupado, ponderado, forte, mas com alguma fragilidade no fundo do olhar.

– Vamos, vou te ajudar a se deitar.

– Eu não quero ir para a cama Vincenzo.

Ele me atira um olhar de desaprovação e eu me justifico:

– Vou ficar ainda mais angustiada na cama, preciso me acalmar primeiro, posso me deitar no meu sofá ele é enorme…

Ele concorda e me leva nos braços até o sofá, me colocando ali delicadamente.

– Suponho que você não tenha jantado. _Ele diz preocupado.

Eu confirmo sua suspeita balançando minha cabeça.

– Vou preparar algo para você comer…

– Vincenzo não precisa, não vou conseguir engolir nada, eu ainda estou enjoada.

Ele me estuda e vai até sua camisa, tirando seu celular ele disca algum número e se afasta um pouco no terraço.

Alguns minutos depois ele volta jogando o celular junto com sua camisa e jaqueta. Ele se deita no sofá me puxando para os seus braços.

– Você não pode ficar sem comer Sabrina. Eu imagino que não deve ser fácil. Mas você precisa se cuidar e antes que você vá em fúria, não estou falando somente pelo bebê, mas por você. Eu pedi algumas opções de suco e vitaminas com sanduiches leves e frutas. Daqui meia hora deve estar chegando, então até lá você vai estar mais calma e poderá ao menos tentar se alimentar com algo.

Eu suspiro. Vincenzo o amante diabólico, Vincenzo o chefe, Vincenzo meu amigo, Vincenzo o homem que amo e agora Vincenzo protetor. Não que ele não fosse protetor antes, mas agora era algo bem mais intenso.

– Eu vou tentar eu prometo, fica tranquilo.

Ele beija meu rosto e continua alisando meu corpo lentamente.

– Você só fez o teste de farmácia?

– Sim.

– Posso te levar no laboratório amanha de manhã, ou melhor posso te levar direto em um ginecologista e …

– Vincenzo calma. Eu já tinha uma consulta de rotina para os exames que somos habituados a fazer, é amanhã. Então, vou explicar tudo ao médico.

– Eu posso te levar, se você quiser é claro. E eu posso te esperar o tempo que for necessário…

– Vincenzo eu não quero que você comece a parar sua vida por que estou supostamente grávida…

Ele abafa uma risada.

– Supostamente grávida?

– Bom, eu fiz o teste de farmácia e deu positivo, mas não fiz o exame definitivo, o de sangue, então…

Ele alisa devagar meus seios, e coloca suas mãos em um leve aperto em meus quadris.

– Amor, você está gravidíssima. Seu mal estar, seus quadris estão mais cheios, e seus seios…puta que o pariu…

– Vincenzo, sério??? Estamos no meio de questões delicadas e você não consegue deixar de fora sua devassidão?

Ele solta uma risada divertida aliviando a tensão entre nós.

– Sabrina, quando você entrou na minha sala hoje eu estava com muita dificuldade de esconder minha ereção. Você estava irritada o que já é um combustível para me acender. Mas aí seu decote me chamou atenção, eu notei que pareciam maiores, achei que era apenas um sutiã novo e isto me deixou ainda mais louco. Mas agora tudo faz sentido.

Eu sorrio. Ele desliza as mãos lentamente para a minha barriga que obviamente não tem nenhum volume. Seu carinho é tremulo e posso sentir seu peito tencionar. Eu respiro devagar e fecho os olhos colocando minha mão sobre a dele. Permanecemos ali calados, alisando juntos a minha barriga.

– Eu prometo que vou estar do seu lado cada segundo. E devagar vamos ajustando as coisas, Sabrina.

– Eu estou assustada Vincenzo, mas de alguma forma feliz.

– Eu também me sinto assim. Então não se sinta mal querida. Não esperávamos, nos pegou de surpresa e estávamos tendo uma crise…

– Estávamos? _ Eu provoco.

Ele faz com que eu gire um pouco meu rosto para ele.

– Sabrina, não faz isto comigo, com a gente. Agora temos que ser mais unidos ainda. E quanto ao trabalho eu acho que devemos assumir…

– Eu estava somente te provocando. Eu sei que temos que pensar juntos como sempre fizemos.

Ele mordisca e beija minha orelha, para depois sussurrar:

– Esta é a minha garota! Sabrina você sempre foi competitiva, batalhadora. Assumirmos causará burburinhos e muitos pensarão que qualquer coisa que você conseguir a partir daí, será por méritos carnais, por ser minha. Mas o desafio nunca te assustou. Você pode encarar todos e mostrar o quanto você é boa no que faz. E tenho certeza que ninguém lá dentro dúvida do quão capaz você é. Hoje na reunião você me surpreendeu, e não estou dizendo isto porque te amo. Mas porque eu nunca tinha te visto em ação…

Eu olho para ele com um sorriso provocante, ele sorri de volta.

– Eu estou dizendo ação no trabalho, sua diabinha. Você é realmente boa, parecia ser a chefe direta do Sandro e não o contrário.

– Sim, eu me dedico e levo a sério este trabalho. Mas se assumirmos eu quero que você me prometa que não vai interferir em nada. Vai me tratar igual ou melhor, menos que os outros…

Ele tenciona seu corpo e abre a boca para argumentar e eu continuo:

– Você não vai me tratar mal Vincenzo. Será apenas, mais exigente comigo, isto mostrará para todos que sou capaz, sem mérito por ter dormido com o chefe, com o Dono.

– Ter dormido, estar dormindo e assim continuar. _ Ele aperta minhas coxas.

– Você está só preocupado em me ter nos seus lençóis.

– Na verdade meus planos para você são sempre maiores a cada momento que te amo ainda mais, Sabrina. Mas você não está pronta para esta conversa.

– Vincenzo não vamos brigar, estou ficando melhor, estamos mais calmos apesar de…

Ele puxa meu rosto e beija meus lábios do casto a indecência em segundos.

– A última coisa que quero é brigar com você. Mas uma última coisa tenho que te dizer.

– Por favor fale, o que foi agora?

– Eu vou dormir aqui Sabrina. Eu preciso me certificar que você está bem. Que horas você tem médico? Você vai me deixar ir com você?

– Quanto a consulta amanha será as 9, se você puder ir comigo eu não vou me opor. Quanto a você dormir aqui eu desejo muito isto.

Ele respira aliviado e me beija os cabelos.

A campainha toca, ele me segura devagar e sai lentamente do sofá, seguindo direto para a porta com sua carteira. Ter Vincenzo em roupão pela casa é bem sexy. E todo o seu carinho e proteção estão me fazendo ainda mais apaixonada.

Ele volta com as sacolas do delivery nas mãos.

– Você se sente melhor para nos sentarmos a mesa? Ou quer continuar no sofá? Eu posso te alimentar…

– Nem pensar Vincenzo, eu vou para a mesa, eu estou bem, eu juro.

Ele me estuda por um minuto e dá de ombros. Eu acompanho-o até a mesa e o cheiro invade meu nariz, eu espero o enjoo, mas ele não vem e isto me alivia porque eu estava morrendo de fome.

– Escolha o que você quer Sabrina, eu não pedi muita coisa porque você disse que não estava com tanta fome e eu já tinha começado a jantar quando te liguei. Mas te farei companhia com uma bebida.

Eu olho para ele incrédula.

– Amor, você tem noção que aqui tem comida para mais duas pessoas famintas?

Ele sorri.

– Eu só quis te dar opções assim você não terá desculpas para não se alimentar.

Eu bufo. Pego um suco e bebo enquanto devoro um sanduiche. Vincenzo sentando-se ao meu lado me olha com expressão divertida.

– Nunca viu uma mulher faminta?

– Tão linda assim e esperando um filho meu?.. Não nunca tinha visto. Mas posso te dizer que é uma visão apaixonante.

– Não me faça ficar emotiva. Eu estou um descontrole nos últimos dias.

Ele sorri e fica quieto, ele pega o celular e me fala.

– Tenho que responder e escrever alguns e-mails para organizar minha manhã com você. Tudo bem se me concentro um pouco? Assim te deixo comer tranquila.

– Claro. Pode ir eu estou bem.

Ele se afasta um pouco e se senta no terraço.

Eu termino de me alimentar um tempo depois e ele ainda está concentrado. Então eu vou ao banheiro e quando estou terminando de escovar ele aparece na porta assustado.

– Você está bem?

Eu bufo e olho para ele.

– Vincenzo, calma. Eu só vim limpar meus dentes, eu me alimentei muito bem e estou bem.

Ele sorri sem graça.

– Desculpe, eu só estou …

– Tenso, e está tudo bem Vincenzo. 

Ele sorri.

– Vamos para a cama, Sabrina?

– Claro, eu agora estou realmente ficando com sono.

Eu puxo ele para o meu quarto, ele tira os lençóis e fica totalmente nu.

– Vai ser difícil dormir com você nu, sabia?

Ele me mostra seu sorriso perfeito e abre os braços me convidando para a cama.

Eu tiro meu roupão e ele perde um pouco do sorriso.

– Ei, eu que devia estar provocando aqui diabinha. Eu quero ser um cavalheiro, então por favor vista algo. Você não pode dormir nua comigo.

Eu me enfio debaixo dos lençóis e beijo ele lentamente, para me afastar logo depois dizendo:

– Aqui são direitos iguais diabão.

Ele bufa e me puxa para dormir de conchinha. Eu sinto seu corpo colado ao meu, sua respiração calma. E apesar de tudo estar uma bagunça com o futuro que eu tinha em mente, eu estava realmente feliz. Cheia de medos, mas feliz. Adormecemos.

 Adormecemos

Acordo com cheiro de café. Eu pego uma camiseta e deslizo pelo meu corpo, olho a hora e já são 8:10 tenho que correr para me preparar, esqueci de ligar o alarme. Entro no open espace e lá está ele lindo de morrer, cabelos ainda molhados, cheirando ao meu sabonete líquido. Ele vestiu a roupa de ontem. Está fazendo ovos mexidos, sério?

– Esta versão e nova para mim. Vincenzo Masterchef, quantas habilidades você mantinha escondidas? E antes que você me responda porque não me chamou para me preparar vamos chegar atrasados…

Ele se vira e sorri colocando uma xicara de café, suco e ovos mexidos.

– Bom dia para você também Amor, você e sempre faladeira de manhã? Fale menos diabinha e coma! Assim não chegaremos atrasados. Além do mais eu já dei uma olhada no tráfego pelo aplicativo estaremos lá em 10 minutos mais ou menos. Está tudo sob controle…

Eu me delicio com o café e como uma garfada dos ovos, soltando um gemido, mas logo o enjoo vem e eu largo tudo fazendo-o parar de falar.

– Enjoo? Você quer ir ao banheiro?

Eu tento controlar a respiração. E lentamente a sensação passa.

– Eu já estou melhor. Só acho que não consigo comer…

– Está tudo bem querida. Não precisa forçar.

Ele esta do meu lado, beijando meu rosto. E alisando meus cabelos.

Eu me giro e dou um beijo rápido nele e me levanto. Ele apoia suas mãos em minhas costas.

– Está tudo bem, vou me preparar. Você já comeu?

-Sim, Sabrina. Eu estou aqui farei algumas ligações, mas se precisar de algo me chame.

Eu lanço um beijo para ele e sigo para o banheiro, para o meu quarto e 20 minutos estou pronta. Volto para a sala e ele está falando no telefone.

– Sim, eu preciso que você providencie ainda hoje. Eu preciso de …sim… exatamente. Falo com você mais tarde. Não sei que horas estarei ai no escritório. Por um momento talvez eu não esteja disponível por telefone, mas me envie um e-mail. Assim que eu puder retorno. Não vou trabalhar hoje.

Eu fico curiosa sobre o teor da conversa. Mas me faço de desentendida. Mas o fato dele não ir trabalhar me deixa curiosa. Ele está com uma das mãos nas minhas costas o tempo todo e o segurando o telefone com a outra. Ele está praticamente monossílabo. Saímos do apartamento, seguimos para a garagem e ele destrava o carro e abre a porta para mim, ainda com o telefone na orelha. Eu entro coloco o cinto e só ai percebo que não falei onde era meu médico. Como ele pode ter controlado o tráfego? Ele demora um segundo e entra, colocando o telefone no painel.

– Me desculpe por isto. Mas era necessário para o trabalho. Agora vamos. Estamos no horário fica tranquila.

– Como você sabe para onde vamos?

Ele me olha de maneira divertida enquanto manobra o carro para fora do prédio.

– Deixe de paranoia, apenas sou um bom observador. Vi seu lembrete no celular e no seu tablet Dr. Roger, era na segunda, mas você remarcou por cima. E eu não precisei abrir para ver os dados a nota era visível na tela sem que eu a desbloqueasse.

Eu sorrio.

-Na verdade, sim eu tinha consulta na segunda, mas depois eu recebi uma mensagem do consultório perguntando se eu poderia antecipar. E para mim foi perfeito. Desculpe eu estava curiosa.

Ele aperta meu joelho.

– Eu sei que você fica tensa com alguém querendo te controlar. Cuidado com quem se ama, e diferente de ser um psicopata controlador. Eu sempre cuidei de você e agora eu tenho dois motivos a mais para cuidar.

Eu apenas concordo e sorrio. Chegando no prédio do meu médico ele estaciona e antes de descer o telefone dele toca.

Ele pragueja e o desliga.

– Não preciso de aborrecimentos agora. Agora somos só nos dois… quer dizer… eu estou nervoso.

Eu olho para ele cumplice.

– Eu também estou.

Descemos do carro e após eu me anunciar para a recepcionista, aguardamos alguns minutos até que o Dr. Roger me chama. Eu me levanto automaticamente e Vincenzo me segue.

– Bom dia Senhorita Sabrina.

– Bom dia Doutor.

Ele me olha esperando eu dizer algo, por ter um homem de 1.80 atrás de mim.

– Doutor Roger este e meu …

Vincenzo se antecipa e pega na mão do Doutor se apresentado.

_ Sou Vincenzo, noivo da Sabrina.

Eu me engasgo e encaro assustada. Enquanto o Doutor fala:

– Parabéns! Eu não sabia que estava noiva, que boa notícia, entrem se acomodem.

Vincenzo aperta minha mão e se senta calmamente ao meu lado, com um sorriso como se ele não tivesse dito nada. O Doutor me chama atenção quando diz:

– Então Sabrina, você quer apenas fazer os exames de rotina?

– Na verdade Doutor Roger, ontem eu fiz um teste de farmácia e ele deu positivo. Eu não entendo como isto pode ter acontecido, visto que tomo minha pílula religiosamente sempre no mesmo horário antes de dormir. Pode ser um erro não e mesmo?

Ele sorri.

– Você teve algum sintoma? Relação desprotegida? Vomito, aumento de peso, sensibilidade nos seios? Enjoos?

– S-Sim para tudo?

Ele sorri e continua anotando gentilmente.

– Bom, eu posso dizer que depois de um teste de farmácia e suas confirmações para as minhas perguntas, que o erro aqui parece ser pouco provável. Mas faremos um Beta hCg qualitativo, o resultado e questão de minutos. Preciso colher seu sangue.

Ele se levanta e me indica a cadeira de coleta. Eu me sento e ele chama a enfermeira para realizar o teste. Ela coleta o sangue e sai da sala. Eu volto para um Vincenzo sério e concentrado ele apenas alisa meu braço. O Doutor continua.

– Sabrina você tomou algum medicamento além do anticoncepcional nos últimos meses?

Eu paro e penso. Um mês antes eu tinha dado uma pequena alergia no couro cabeludo.

– Então, faz um mês que tive uma pequena alergia no couro cabeludo, eu procurei uma especialista ela fez exames e me passou um remédio, chamado griseofulvina. Foi a única coisa que eu bebi. E tem o fato que minha menstruação veio pouca, marrom em um dia e no outro pouca cor vermelho vivo. Eu não prestei muita atenção tive um mês um pouco turbulento.

Vincenzo aperta minha mão como consolo.

- Sabrina este medicamento pode ter interferido com seu anticoncepcional

– Sabrina este medicamento pode ter interferido com seu anticoncepcional. A médica deveria ter alertado, mas nem todo profissional o faz. Você não leu a bula?

Eu sem graça respondo:

– Não eu realmente não li. Ando tão estressada e…

A enfermeira bate na porta e entrega um papel para o Doutor.

Ele analisa e depois virando o papel para nos ele fala:

– 25 mlU/ml: resultado positivo. Parabéns! Você está gravida!

Sinto o aperto da mão de Vincenzo na minha. E o resto da consulta passa rápido. Vários exames a se fazer, vitaminas para tomar, acido fólico. Saio do consultório tremula com Vincenzo me apoiando.

Entramos no elevador e eu deixo toda tensão sair em lágrimas.

Ele se aproxima e me abraça.

– Shhh, calma. Vai ficar tudo bem. Nós vamos ficar bem.

Eu me acalmo somente quando estamos no carro indo saber se lá onde.

– Vincenzo, você está indo aonde?

– Sabrina vou comprar todas as suas vitaminas, todo o medicamento que o médico passou. Depois iremos ao supermercado comprar frutas, e todo o resto que ele recomendou você comer. E…

Eu não sabia se era para rir ou chorar…

– Então, primeiramente eu posso pagar por minhas vitaminas e remédios. Segundo tenho a maioria do que está na lista em minha geladeira. E terceiro que história e esta que sou sua noiva?

Ele divertido e sem nenhum pudor diz:

– Então não te estou obrigando a ser, mas eu desejo do fundo do meu coração, então estou seguindo conselhos que se deseja algo deve falar bem forte e ser convencido disto. Então mesmo você não estando pronta para se casar comigo, eu estou… e vou esperar o tempo que for necessário querida.

Eu fico olhando seu rosto bonito e me perguntando como será o fim desta gestação , visto que já no início ele está surtando.

Volto, me refresco, lavo novamente meus dentes e meu pensamento volta na última transa com o Vincenzo, mas eu sempre usei anticoncepcional, tomei nos horários certos, os sintomas de enjoo, cansaço e sono surgiram nas últimas semanas. E a menstruação veio pouquíssima, mas veio, eu não entendo.

– Sabrina você tem certeza que não está gravida? Porque se você tiver a mínima suspeita e ainda estiver tomando anticoncepcional tem que fazer um teste e parar imediatamente de beber remédio.

Eu tento organizar meus pensamentos. E me dou conta de que possibilidades existem mais do que eu poderia crer.

– Sinceramente não sei Aline. Eu …

Meu telefone toca na bolsa. Assim que pego eu vejo o número de Vincenzo. Aline parece entender que preciso de privacidade e me faz um aceno e sai do banheiro.

– Oi…

Ele respira fundo

– Sabrina, eu falo sério, precisamos conversar. Amanhã passo na sua casa para irmos jantar e …

– Eu preciso de você Vincenzo. Podemos nos ver hoje?

Ele rapidamente fala:

– Eu tinha um jantar de negócios hoje. Mas posso cancelar…

– Esquece Vincenzo, nos vemos amanhã. Não quero te atrapalhar.

– Sabrina, você está bem? Eu posso realmente cancelar…

Eu penso que seria bom ter ele por perto, mas pode ser melhor eu ter certeza primeiro, antes de comentar minhas suspeitas.

– Eu estou bem. Eu só queria resolver as coisas entre nós o mais rápido possível. Mas estou muito cansada também, vou mais cedo para casa e dormir. Amanhã nos vemos a noite.

Ele faz um suspiro

– Tudo bem. Eu vou esperar até amanhã. Mas se você precisar de algo me liga?

– Sim eu te ligo, mas estou bem.

– Tudo bem, Sabrina…

Ele fica mudo.

– Você ainda está na linha? O que ia dizer?

– Amanhã te falo Sabrina. Se cuida e tenha uma boa noite.

– Obrigada, você também, bom jantar de negócios.

Eu desligo sem deixar mais espaço para ele desconfiar ainda mais que não estou bem. Eu realmente preciso ir para casa agora.

Eu saio do banheiro e encontro Alice perto da máquina de café. Sabrina, o Vitor acabou de ligar para minha mesa perguntando se você melhorou. Ele pediu para te falar se você precisar ir ao médico, um carro da empresa pode te levar.

– Obrigada Alice, eu vou para casa. Só preciso descansar, o Sandro está na sala dele?

– Sabrina, eu terminei por hoje só tenho que levar umas coisas na mesa da Livia e posso te levar aonde você quiser ir. E não me diga que não, você já me ajudou várias vezes quando precisei estar em casa por causa dos meus filhos. Eu só retribuirei. Você não pode dirigir assim.

Eu concordo, realmente não estava com cabeça para dirigir. Ela sorri e se dirige para a mesa da Livia, eu vou na minha sala e desligo meu laptop, pego minhas coisas e sigo para a sala do Sandro. Dou uma leve batida e ele me diz para entrar.

– Sabrina o Vitor me ligou, você está muito pálida. Você vai ao médico?

Eu fico pensando o quão rápido a notícia que não estou bem vai se espalhar por todo o escritório quem sabe o prédio. Céus. Que gente fofoqueira.

– Sandro foi somente uma indisposição, um cansaço. Nada que uma aspirina, um banho quente e uma boa noite de sono não resolvam. Espero que não seja um problema que eu vá para casa agora.

Ele sorri enquanto me diz

– Claro que não Sabrina. Você é uma excelente profissional e hoje você me ajudou muito com o Senhor Vincenzo. Você precisa que eu peça alguém para te levar?

– Obrigada Sandro, não precisa se preocupar, a Aline vai me deixar em casa. Ela terminou o turno dela.

– Ótimo então, nos vemos amanhã se você estiver bem é claro.

– Até amanhã, Sandro.

Quando saio da sala de Sandro encontro Aline me esperando no elevador. Descemos até a garagem. Ela respeita meu silêncio no trajeto. 

Quando estamos para entrar no carro, ela me dá um leve aperto de mão. Minha cabeça está a mil, se realmente eu estiver grávida, isto será uma grande confusão.

Eu percebo que ela está parando o carro no estacionamento do Supermercado mais próximo. Ela sorri sem graça e me diz:

– Vou demorar apenas 2 minutos, desculpe.

– Imagina Aline, eu sou a carona. Eu espero o tempo que te for necessário.

Ela sorri e sai apressada. Aline neste tempo todo que estou na empresa sempre foi uma grande amiga. Sempre me ajudou no trabalho, e nas vezes que  eu estava triste. Ela sabe que eu saia com um homem da minha cidade, mas ela viu Vincenzo na disco apenas de longe após beber um pouco. Desde quando ele assumiu ela se mostra discreta e nunca comentou nada, mas algumas vezes tenho a sensação de que ao menos ela se lembra dele na boate. De todas as que estavam naquele dia comigo ela era a mais sobrea.

Eu volto para o meu dilema atual, será que vale a pena fazer um teste hoje ainda? Eu quero fazer isto sozinha? Antes que eu pense em uma resposta para minhas perguntas internas. Aline abre a porta do carro e coloca uma pequena sacola no meu colo.

– Sabrina, acredite, eu já passei por isto duas vezes. Sei que você está assustada e procurando todas as desculpas, mas por uma questão de saúde você tem que saber. Amanhã cedo antes de ir para o trabalho te aconselho a fazer um exame de sangue para a confirmação exata. Mas os testes são bastantes confiáveis.

Eu tremo abrindo a sacolinha. Eu a encaro tentando me segurar, mas eu choro.

– Obrigada Aline, eu só… estou morrendo de medo.

Ela alisa meu braço.

– Sabrina, você ama ele. E pelo que você me disse ele também te ama. Obviamente vocês dois não esperavam por um filho se você estiver grávida. Mas, ele pelo menos  acredito que ele não fara o bastardo, como o pai dos meus filhos. Eu …

Eu um pouco irritada respondo:

– Você não o conhece, ele e eu tínhamos um trato todo este tempo e tudo isto é novo agora. E se eu estiver…

Ela aperta minha mão.

– Sabrina, eu soube desde o dia que te vi na boate com ele. A conexão de vocês era palpável, invadiu todo o ambiente. Lógico, naquele momento eu não sabia que ele seria nosso chefe. E imagino que isto esteja te corroendo, mas…

Eu a interrompo

– Como você não me disse…

– Sabrina, você estava tensa nas últimas semanas. Nervosa ao extremo, e quando eu o vi pela primeira vez entendi o seu motivo de estar procurando outro emprego. Eu não quis te deixar mais preocupada. Eu jamais vou te julgar, vocês já se conheciam, aliás eu não julgaria nem mesmo se você nunca o tivesse visto e se atirasse nos braços dele na primeira reunião, desculpa, mas eu ainda acho ele lindo demais.

Ela ri tentando deixar tudo mais leve. De certa forma me sinto mais leve por ela ter percebido. Mas me preocupa saber se as outras garotas sabem e estão como ela, apenas caladas.

– As outras sabem?

– Não Sabrina, elas estavam realmente muito bêbadas. Então não se preocupe. E relaxa, mesmo que elas soubessem, você é uma grande profissional e a fama dele como proprietário do grupo Venice e impecável. Calma. Pensa que você tem coisas mais importantes para cuidar.

Eu concordo com a cabeça e ela sorri dando partida no carro.

– Este teste que comprei para você pode ser feito a qualquer hora do dia. Então te aconselho a fazer assim que chegar em casa. E caso seja positivo obviamente, não beba mais o anticoncepcional.

Eu tremo e um soluço me escapa dos lábios.

– Sabrina, olha meus bebês estão com a minha mãe, se você quiser eu posso estar com você por um pouco. Não quero invadir seu espaço.

Aline nunca era um incomodo, ela dormiu em casa várias vezes depois de algumas baladas ou até mesmo depois das nossas noites de Netflix, vinho e pipoca.

– Eu acho que seria uma boa ideia.

Ela apenas sorri. Ali vejo o quanto Aline sempre foi forte, eu sempre a admirei por criar seus filhos sozinha, tão nova e tão determinada em ser boa mãe, boa profissional. Se eu estiver…

Meu telefone toca e quando eu vejo o nome na tela congelo.

– Sabrina, você não vai atender?

Aline me tira do transe. Respiro fundo e tento ser fria e tranquila.

– Achei que tínhamos combinado de nos falar amanhã.

Ele suspira.

– Eu sei Sabrina, me desculpe. Eu prometi, mas sua voz não era das melhores e eu estou preocupado com você. Me diz o que está acontecendo.

Eu penso um momento e me pergunto se as fofocas de escritório já chegaram nele, e ele está apenas me testando. Então me antecipo.

– Eu estou indo para casa, assistir alguns filmes com a Aline e depois vou dormir. Vou ficar quieta e descansar. Só preciso disto. Você ainda está no trabalho?

– Não, eu estou no restaurante…

Quando ele diz isto escuto a voz da Julia de fundo:

– Vincenzo você prefere tinto durante o jantar?

Ele fica mudo. E eu me antecipo:

– Bom jantar para você Vincenzo! Aproveite a companhia da Julia, ela com certeza sabe como entreter um chefe.

Eu desligo em seguida. E começo a chorar. Desligo o telefone e Aline me olha assustada.

– Ele está com a Julia?

Eu confirmo com a cabeça.

– Calma Sabrina. O que ele te disse?

– Nada. Não quero ouvir nada dele agora. Já tenho o bastante na cabeça. Desliguei meu celular no caso ele tente me ligar, o que duvido, ele deve estar bem ocupado.

Ela bufa enquanto estaciona o carro na minha garagem.

– Você está claramente muito alterada e não está raciocinando, ele te ligou junto dela. Se ele estivesse tendo algo com ela não estaria ligando para você junto com ela.

Eu concordo com a visão dela. Mas a raiva,  o ciúme, o medo foi tão grande que agi de uma forma passional, coisa que nunca tinha feito antes.

Aline me olha e sorrindo diz:

– Eu acho que já sei seu resultado. Mas é melhor irmos lá para cima relaxar e você faz o teste ok?

Concordo. Chego em casa e Aline se joga no sofá ligando a TV ela já conhecia bem nossa rotina de noite de Netflix. Eu tiro minhas roupas no banho e vou para o chuveiro. Antes de tudo preciso refrescar o corpo e me acalmar. Toco meus seios extremamente doloridos, realmente algo não encaixa, aquela pouca menstruação de cor marrom, e logo depois pouco sangue vermelho vivo. E eu estupidamente cheia de coisa na cabeça não tinha percebido antes. Desligo a água e pego o teste da sacola, leio as instruções e faço o teste, são os minutos mais longos da minha vida. Eu visto um roupão e penteio meus cabelos tentando não surtar. Quando olho no relógio sigo resignadamente para ver o resultado:

*Positivo*

As lágrimas descem do meu rosto. Um bilhão de pensamentos na cabeça.

Aline bate na porta.

– Sabrina, está tudo bem? Você precisa de um abraço?

Eu abro a porta e ela me abraça.

Eu não digo nada. Mas as lágrimas não param.

– Sabrina, normal você estar assustada. Mas tenta manter a calma. Não faz bem para você e nem para o bebê.

As palavras dela me tocam profundamente. Um bebê, eu tinha que pensar além de mim, pensar no bebê.

– Obrigada Aline eu …

A campainha toca e eu salto com o susto. Aline me olha sorrindo e diz:

– Eu não pedi pizzas, sua amiga aqui nesta cidade sou eu e estou bem aqui. Então suponho que seja alguém que conhecemos e se for ele eu vou embora ok? E não precisa se preocupar eu te apoiarei.

Eu apenas sorrio enquanto ela caminha até a porta e abre. Eu escuto a voz de Vincenzo enquanto caminho até a sala. Ele vem ao meu encontro e me abraça sem dizer nada. Escuto apenas o barulho da porta quando Aline sai.

Ele lentamente se afasta e me encara com um olhar preocupado.

– Sabrina deixe-me explicar, a Julia não fazia parte do jantar. Eu tinha um jantar com o ex proprietário da empresa e ele está saindo com a Julia, não achei de bom tom ela estar na reunião, mas eu não podia expulsá-la.

Eu dou de ombros. Ele enxuga minhas lágrimas.

– Eu nunca vi você assim triste desde que…

Eu bufo.

– Desde que meu ex foi um canalha comigo… sim. Esta é a primeira vez…

Ele estreita o olhar e se aproxima novamente, abaixando o seu rosto para me olhar nos olhos, sua voz é quase um sussurro.

– Por favor Sabrina, me diz o que está acontecendo. Isto não e só por uma cena de ciúme. E para você saber, a Julia já me conhecia porque ela já ficou com o meu primo. Mas eu nunca fiquei com ela. E foi um grande azar ela ser amante do ex proprietário. Só isto. Ela nunca foi nada minha. Que fique claro, aqui sou eu de joelhos te pedindo atenção, pedindo para você abrir seu coração, me deixar entrar de vez, porque você já fez isto comigo e eu estou em desvantagem querida.

Ele alisa meu rosto e me beija lentamente. Eu não resisto e correspondo. Suas mãos são possessivas, mas agem de forma delicada, eu puxo sua camisa e desabotoo sua calça tocando sua ereção, enquanto ele desfaz o no do meu roupão e ele cai aos meus pés.

– Sabrina, nos devíamos conversar…

– Cala a boca e faz amor comigo. Me faz sentir…

Ele não me deixa terminar e me invade a boca de forma doce, mas selvagem. Eu preciso regular meu respiro com o dele para acompanhar.

Ele geme nos meus lábios e me alisa. Quando ele toca meus seios eu gemo e ele se afasta.

– Esta não era a reação que eu esperava, não foi um gemido de prazer…

Eu fico desconfortável por um momento e tento puxar ele para a luxúria novamente, e consigo quando eu sorrindo me abaixo e abocanho sua ereção, puxando a sua calça para ele saltar fora dela.

Ele empurra os quadris quando eu o deixo atingir minha garganta.

– Sabrina eu não aguento mais meu amor… eu preciso estar dentro de você agora!

Eu levanto e ele me pega nos braços me levando até o sofá. Ele se senta e me coloca sobre sua ereção, eu rebolo e ele me beija apaixonadamente, não demora para eu implorar por uma libertação, ele alcança meu clitóris com a mão entre nos dois, eu choro mordendo o ombro dele enquanto ele da uma estocada final me preenchendo com seu gozo.

Permanecemos assim por um tempo. Até eu tentar me levantar. Ele me segura ainda mais forte. E me olha profundamente.

– Você ainda não está calma. Eu realmente estou ficando preocupado, sexo sempre te fez descarregar a tensão. Você está muito pálida.

Eu tento criar coragem de falar para ele, mas não consigo.

– Eu preciso beber algo. Você está com sede?

Ele me encara desconfiado, mas não insiste.

– Ok, eu não vou te pressionar. Mas precisamos conversar quando você se sentir pronta.

Eu concordo e ele me solta, vou até a geladeira.

– Você ainda não me disse o que quer beber. Tenho, água, vinho tinto, cerveja, suco, refrigerante…

– Uma cerveja, me acompanhe?

Eu quase digo que sim, mas depois mudo de idéia, ainda é tudo recente. Obviamente o teste é 99 por cento confiável, e um pouco de álcool acredito que realmente não faça mal. Mas prefiro evitar.

– Desculpe, eu tomei um remédio para dor de cabeça vou ficar com água.

Ele sorri e não pergunta mais nada a respeito.

– Então, você viu a Aline. Pode ficar tranquilo que ela não comentará nada sobre nós…

Ele me olha tranquilamente e diz:

– Eu não estou preocupado, eu não tenho problemas em assumir nossa relação. Só concordei porque você não quer se sentir culpada profissionalmente…

Eu bufo enquanto entrego a cerveja para ele me jogo no sofá ao seu lado.

– Sabrina, eu te disse. Estou cansado de me esconder com você. No início eu também queria ir devagar, concordei, aliás dei a idéia da maioria das regras, para nos proteger. Fomos traídos por nossos corações. Chega de viver no passado. Eu não estou te pedindo para casar comigo. Mas quero ter algo sério, não quero mais ser um casal apenas em alguns poucos lugares e clubes privados.

Ele se levanta vestindo o seu jeans, claramente esperando eu dizer algo. Ele se joga para trás no sofá ao meu lado. E me abraça.

– Eu só quero ser feliz com você. Eu não quero mais fingir que está tudo bem ter você só de vez em quando. Eu quero ser o melhor homem do mundo para você. Quero ser a razão por seus sorrisos. E não o motivo das suas lágrimas…

Eu deito minha cabeça no seu peitoral e choro copiosamente. Ele me abraça mais forte e me consola beijando o alto da minha cabeça. Eu não sei quanto tempo ficamos ali. Até ele falar.

– Seja o que for, vai ficar tudo bem. Acredite em mim. Eu não sou teu ex. Você não é minha ex. Tivemos dois anos para provar isto a nós mesmos. Sabrina, eu não quero te aprisionar, eu quero te ajudar a voar. Você não vai me perder, pois eu não vou a lugar algum.

Eu olho para ele e tento criar forças para falar.

– O fato é que eu não sei se você vai ficar tão feliz com o que está acontecendo… quer dizer… eu…

Ele me olha preocupado.

– Respira Sabrina, respira. Se abre comigo, eu sou seu amigo antes de tudo lembra? Não há nada que não possamos falar.

Eu fico receosa. Mas eu mudo de idéia, espero até amanhã depois do teste de sangue para falar com ele. Assim será 100 por cento de certeza.

Ele fica me olhando e eu em silêncio.

– Sabrina, continue por favor…

O enjoo vem com força total e eu corro para o banheiro, me ajoelhando em volta do vaso e novamente colocando tudo para fora, o que mal tinha comido durante o dia. Vincenzo esta atrás de mim segurando meus cabelos. Eu nua, de joelhos no chão abraçada com o vaso vomitando, e ele com certeza em toda esta cena estava lindo, apenas com seus jeans, sem camisa e despenteado. A vida era injusta. Que vergonha. Eu faço sinal com a mão para ele sair, mas ele continua segurando meus cabelos e alisando minhas costas.

Quando o enjoo passa, eu me levanto e vou para debaixo do chuveiro e ele não pensa duas vezes e entra comigo.

Ele me segura e eu apoio minha cabeça na parede do banheiro

Ele me segura e eu apoio minha cabeça na parede do banheiro.

– Você está molhando seu jeans…

– Sério Sabrina? Você está passando mal e está preocupada que eu molhei meu jeans? Fica calma, eu não vou soltar você.

Eu tento ficar mais calma.

– Você pode pegar minha escova de dentes e o creme dental no armário, por favor?

– Eu não posso deixar você sem apoio. Se quiser que eu vá, você terá que se sentar no chão do box. Você consegue fazer isto?

Eu concordo e ele me ajuda a sentar. Ele sai debaixo do chuveiro e me traz consigo que pedi. Ele me entrega e eu começo a lavar meus dentes ali sentada, com ele me olhando preocupado.

Eu faço sinal para ele se virar e ele relutando o faz, e se afasta um pouco.

Quando percebo ele está na frente do armário do banheiro com o meu teste na mão.

Ele se vira para mim e sua expressão é indecifrável.

– Você está grávida? Quando você ia me contar?

Eu tento me levantar, mas em um segundo ele está grudado em meu corpo me apoiando. Ele pega minha escova e o creme das minhas mãos e me ajuda a sair debaixo do jato de água. Ele está esperando uma resposta.

– Eu…eu soube hoje, pouco antes de você chegar. Quer dizer, eu não prestei atenção nos sinais… eu…

– Você não estava tomando pílula?

Eu irritada respondo:

– Claro. Você já me viu tomando todas as vezes que ficamos juntos. Tomo sempre no mesmo horário. Eu não sei como pode acontecer. Espera, você está me culpando?

Vejo pânico em seus olhos.

– Por Deus Sabrina, não! No fundo sabíamos que o risco sempre existiu, durante dois anos fazendo testes comprovando nossa saúde e usando apenas pílula como contraceptivo, o risco existia. Nenhum método é 100 por cento. Eu não posso te falar que eu esperava, mas eu estou …

– Vincenzo, você não precisa se preocupar. Eu vou achar outro emprego, eu vou encontrar uma solução para continuar minha pós e conciliar tudo. Eu não quero te pressionar…

Ele segura meu rosto em suas mãos e fala:

– Ei, eu não sou um moleque. Eu sou um homem! Assumiria mesmo se não te amasse. Mas o fato é que eu te amo loucamente e jamais te deixarei sozinha. Vamos cuidar do bebê juntos. Você querendo ou não,  é o certo a se fazer. Você será uma ótima  mãe e eu um ótimo o pai. Simples assim.

Duas semanas se passaram, Vincenzo não me procurou mais. Ele me mandou uma única mensagem dizendo que daria o espaço que eu precisasse e que estava esperando que eu o procurasse. Eu me mantive firme e me concentrei na faculdade e no trabalho. O fato de estar trabalhando para ele mesmo que não diretamente não me deixava por nada confortável. Ao menos eu ainda não tinha visto ele no prédio. Eu sabia que ele tinha voltado para nossa cidade natal e alguns dias depois começou a trabalhar no nosso prédio. Na cobertura. Eu me sentia uma daquelas personagens de livros de romance erótico onde a funcionária se apaixona pelo chefe e o mesmo a fode. Bom tecnicamente eu me apaixonei antes dele se tornar meu chefe, e a parte de ser fodida por ele, ultimamente a foda estava sendo moral. Eu ainda me sentia traída por ele.

Mas as minhas colegas de trabalho não paravam de falar do novo CEO da empresa, que ele era lindo e muito sexy. Não me admira que elas não lembrassem dele da boate, afinal estavam bêbadas.

Algumas delas foram levar algum documento para a assistente dele ou participaram de alguma reunião com ele e os chefes delas. Ao menos nisto, ele estava me poupando, até o momento meu departamento ainda não tinha ido fazer reunião com ele.

A angústia no meu peito não passava, por mais ódio por toda a situação, eu ainda o amava perdidamente. E ficar sem ele me doía de uma forma dilaceradora. Eu já não conseguia me concentrar tão bem no que eu devia fazer, seja no trabalho, nos estudos.

Neste momento eu estava ali, sentindo pena de mim mesma enquanto tentava organizar minhas planilhas no meu computador. E a minha cabeça divagando. Meus pensamentos nada eloquentes me levando a desejar  ir até aquele escritório na cobertura e olhar aqueles olhos demoníacos, beijar aquela boca deliciosa até ele me dobrar sobre sua mesa e me foder até eu perder os sentidos.

Eu pulo na mesa com o meu telefone tocando.

– Departamento finanças Sabrina.

Um respiro pesante do outro lado da linha me fez entender quem era. Eu fico muda. Até ele falar:

– Desculpe, eu não queria , eu liguei porque preciso falar com o Sandro e o ramal dele está mudo. Enfim…

Eu o interrompo:

– Sim Senhor Vincenzo, vou chamar o Sandro. Peço que aguarde um minuto.

Coloco o telefone na mesa. Tento esconder toda a bagunça que a voz dele me causou e vou até Sandro informando da ligação que o espera. Eu caminho para o banheiro, não preciso correr o risco que ele peça para falar comigo.

Passo alguns minutos no banheiro tentando me recompor. Estes últimos dias foram um inferno, sabendo que ele está a poucos metros e mesmo assim existe um abismo entre nós.

Ele com certeza estava com raiva, não tentou se aproximar, obviamente meu comportamento não foi dos melhores, mas saber que ele comprou onde trabalho já depois que ele tinha concluído a transação não me deixou muita escolha de reação.

Respiro fundo, molho minha nunca é reuno minha dignidade até o caminho para a minha mesa.

Sandro se aproxima de mim parecendo nervoso.

-Sabrina, temos uma reunião com o novo CEO para prestação de contas e novas estratégias de trabalho.

Eu sinto minhas pernas trêmulas. Já em angustia pelo que estava por vir.

– Claro Sandro. Vou preparar tudo para você o mais rápido possível…

Ele me interrompe com uma voz frustrada:

– Sabrina ele exigiu que a reunião seja feita hoje depois do almoço. Devemos comparecer com tudo em mãos. Ou seja, nosso horário de almoço vai saltar. Ao menos o meu, o seu e o da Julia.

Me sinto enjoada. Tenho que ficar cara a cara com ele ainda hoje, junto com Sandro meu chefe e Julia. Logo a Julia? Eu nunca a suportei. Aliás acredito que não sou a única no escritório que não a suporta, ela vivia dando em cima do antigo CEO e ela se sentia superior a todos, por este suposto caso. Não poderia ser pior.

Sou tirada de meus devaneios por um Sandro impaciente.

– Sabrina!! Eu preciso que você se concentre, me ajude a montar uma apresentação, temos que causar uma boa impressão no Senhor Vincenzo. Eu já me reuni com o CCo irmão dele e foi mais tranquilo. Mas já fiquei sabendo que ele é bem impiedoso, exigente, um diabo…

Eu bufo e abafo uma risada angustiante. Enquanto dos meus lábios escapa:

– Diabo não tem coração.

Sandro me encara incrédulo e diz:

– O que você disse??

Assustada tento voltar ao meu profissionalismo.

– Nada. Desculpe-me Sandro. Eu vou preparar tudo e darei o meu melhor para a apresentação de nossos dados e estratégias.

Sandro faz uma expressão de alívio e sai da minha sala dizendo:

– Confio em você, estarei com Julia preparando nossa parte. Assim que você tiver tudo em mãos falaremos sobre a apresentação.

Eu concordo com um movimento de cabeça. Tento afastar o nervosismo de encarar Vincenzo no meu ambiente de trabalho. Nas próximas horas eu puxo dados, anexo tudo, imprimo dossiês e salvo tudo em uma memória portátil para a apresentação.

Vou a sala de Sandro e me deparo com a insuportável Julia sentada quase em cima do Sandro que está digitando em seu Laptop. Ela está com uma saia curta preta e uma camisa branca bem justa deixando saltar fora o seu decote siliconado. Ela abre um sorriso debochado e me diz:

– Então Sabrina, mova-se, eu preciso dar uma última olhada nos dossiês e na memória antes de irmos para a sala do chefe.

Eu irritada jogo tudo sobre a mesa.

– Está tudo ai. Suponho que seja você a fazer a apresentação.

Sandro ergue seu olhar de maneira assustada e sem graça me responde:

– Me desculpe Sabrina. Mas Julia tem mais tempo de empresa e …

Eu bufo e interrompo-o:

– Tanto faz Sandro. Eu nem tenho vontade de ir nesta reunião então…

– Sabrina! Preciso de você lá. Julia fará a apresentação, mas você vai complementar as idéias e sugestões. Temos que causar uma boa impressão.

Julia me encara retocando seu batom vermelho carmim.

– Não me decepcione Sab.

– Eu me chamo Sabrina, ok?

Ela sorri, mas não diz nada, analisando todo o trabalho que eu fiz. Me sinto ridícula, frustrada e triste por tudo entre eu e Vincenzo. De qualquer forma a tristeza estava mais forte de todo o ódio que antes eu sentia.

A caminho do escritório de Vincenzo eu não podia acreditar quantas vezes nós juramos terminar de maneira serena nossa história, e manter nossa amizade. Mas nós não estávamos apaixonados naquele momento.

Sou tirada dos meus devaneios quando a porta do elevador se abre. Caminhamos em direção da mesa da secretaria de Vincenzo que sorri de maneira simpática.

– Boa tarde, o Senhor Vincenzo espera por vocês na sala adjacente a sua, eu os acompanho.

Ela caminha até a porta, anunciando nossa presença. Eu fecho os olhos, faço um respiro profundo e acompanho Sandro e Julia para dentro da sala. Tento não manter contato visual com ele, mas meu desejo me trai. Ele está malditamente bonito como sempre em um dos seus ternos escuros, mandíbula forte e intimidadora, lábios definidos e aquele olhar intenso. 

Céus Vincenzo! Pensei comigo mesma. Por uma fração de segundos vi preocupação em seus olhos. Abaixo meu olhar nas pastas em minha mão.

– Boa tarde a todos! Se acomodem por favor. E prendam o tempo necessário para me apresentarem os dados e projetos desenvolvidos na gestão anterior.

Forço um sorriso profissional, enquanto Sandro se aproxima dele e aperta sua mão.

– É um prazer tê-lo conosco Senhor Vincenzo, tenho ouvido falar o quanto o Grupo Venice tem crescido.

Francesco apenas aperta a mão dele de volta e sorri. Ele parece imenso perto da figura miúda de Sandro.

Julia se aproxima sinuosamente para ele, estende a mão e descaradamente praticamente se joga nos braços dele para um abraço. Ele não retribuiu, mas a segura e não a repreende.

– É  um imenso prazer ter você conosco  Vincenzo. Nem acredito que te encontrei novamente. Que saudades.

Ele da um sorriso frio e se desvencilha dela.

– Olá Senhorita Julia. Espero que possamos alcançar os objetivos esperados.

Ela sorri e não perde a empáfia.

– Um adoro este seu tom formal e profissional. Bom, fora da empresa posso te oferecer uma bebida de boas-vindas, espero que em breve. Aqui serei muito profissional não se preocupe.

Sandro não parece desconcertado e nem mesmo parece tentar controlar sua preferida.

Vincenzo busca meu olhar e eu começo a folhear as pastas. Ele se aproxima e estende a mão para mim. Ergo meu olhar e seus olhos são frios, mas seu sorriso é inseguro. 

Eu estendo minha mão e quando sinto sua pele na minha é como se eu estivesse sendo abraçada por ele.

– É um prazer trabalhar com você Sabrina. Estudei seus dossiês nos últimos dias e suas idéias que o Sandro me passou, estou impressionado!

Eu busco forças na minha sanidade e respondo

– Obrigada Senhor Vincenzo. O prazer é meu em trabalhar para o grupo Venice, não estava nos meus planos, mas aqui estamos. Darei o meu melhor.

Ele solta minha mão e se gira para sua cadeira na ponta da mesa. Eu me acomodo a sua direita deixando uma cadeira livre entre mim e ele. Mantendo claramente distância. Eu precisava me manter longe dele.

Sandro me olha sem entender minha resposta e eu ignoro-o.

Logo, Julia se levanta de maneira sensual e vai até o projetor e o acende colocando em seguida a memória com a apresentação.

Ela segue falando de números, de projetos, de estatísticas, sempre com um sorriso idiota na cara. Meu Deus ela está quase se jogando no colo dele e pedindo para ele a foder aqui na nossa frente. Ele não me olhou nem uma vez depois do aperto de mão, mas encara a Julia e sua exibição.

Depois da apresentação dos slides ele respira fundo e puxa seu bloco de anotações e começa a habilmente rebater os pontos que não o convenciam. Julia era boa em apresentar, mas argumentar não, ela está acostumada a usar outras táticas para convencer. Sandro a cada pergunta de Vincenzo me olhava desesperado, e eu encarava de maneira totalmente profissional explicando tudo e prendendo nota do que para ele devia ser mudado.

Depois de uma meia hora finalmente a reunião terminou com um Sandro totalmente sorridente apertando a mão de Vincenzo. 

Julia em volta da mesa quase se esfregando em Vincenzo, meu desconforto sobe a um nível insuportável.

– Bom Senhor Vincenzo, agradeço a sua atenção ao nosso departamento, anotei suas observações e pedidos, mudarei o que foi solicitado,  juntamente com Sandro o mais rápido possível e tudo estará em sua mesa no máximo na segunda. Até breve.

Me giro e tento sair da sala. Mas sinto ele agarrar meu braço.

– Na verdade, Senhorita Sabrina, eu ainda tenho algumas observações a fazer, então peço gentilmente que fique.

Que bastardo! Pensei comigo mesma. Como vou dizer não ao chefe?

Eu me viro lentamente, Sandro está sorridente e logo diz:

– Claro,Senhor Vincenzo, a Sabrina pode restar o tempo necessário. Eu e Julia vamos começar com o que já temos.

Eu estreito meu olhar para ele, mas logo volto para minha postura profissional.

– Claro, Senhor Vincenzo.

Julia passa por ele sorrindo e pisca, enquanto sai acompanhada de Sandro.

Assim que eles fecham a porta eu vou em fúria.

– Sério? Nós dois sabemos que você não tem mais nada a acrescentar neste projeto. O que vou falar para eles depois? O que você está fazendo?

Ele me solta e vai até a porta trancando-a em seguida.

Um frio me percorre o corpo e eu tremo vendo ele voltar até mim.

– Desculpe Sabrina, eu sei que não é o ambiente favorável para uma conversa, mas eu não aguento mais ficar longe, não aguento mais não poder ao menos tentar falar com você sobre nós.

Ele toca meu rosto e eu me afasto.

– Vincenzo você poderia ter me ligado, ido até minha casa, mas não me fechar na sua sala …

Ele se aproxima e vou me afastando até sentir sua mesa atras de mim.

– Você não atenderia e nós dois sabemos disto. Se eu fosse na sua casa você não abriria a porta. Você quando está chateada, magoada com alguma coisa você não dá o braço a torcer. Foi sempre assim desde nossa adolescência. Então não me culpe de tentar lutar por seu amor.

Eu respiro fundo, minha cabeça gira.

– Você parece me conhecer tão bem. Mas não lembrou disto quando foi comprar a empresa onde faço estágio? Não pensou que omitir estas informações poderia me prejudicar. Eu tinha uma proposta do concorrente, eu tinha uma chance e dispensei. Porque achava que teria uma chance aqui e aí vem você com a Venice, assume tudo e eu perdi a oportunidade na outra empresa. E sim, eu tentei, mas eles já ocuparam o cargo.

Ele chega mais perto e coloca as suas mãos ao meu lado apoiando em sua mesa, sua boca está perto demais.

– Sabrina, eu te amo. Sou um homem de negócios e este era extremamente lucrativo para mim. Eu precisava agir rápido e fechar a compra e um dos motivos era justamente poder ficar perto de você e manter seu emprego, visto que do jeito que estavam as coisas por aqui eles iriam em falência em breve. Você com certeza deve ter percebido que algo estava errado.

Eu tento me concentrar, tento respirar, mas o cheiro dele, sua voz, sua presença, me deixavam incapaz de raciocinar, ao menos não na situação daquele momento.

– Vincenzo, eu entendo o fato de você ter de agir rápido é sua empresa. Lógico que você não teria que perder um negócio por minha causa. Eu não sou egoísta a este ponto. Mas o que me doeu foi você não ter comentando comigo, por mais que tenha sido rápido foi coisa de dias de negociação então… você sabia que eu trabalhava aqui…

Ele encosta sua testa na minha e suspira.

– Eu vou fazer o que você quiser para que me perdoe. Eu errei, mas eu estava desesperado para resolver tudo o mais rápido possível. Eu não quero te perder, não agora sabendo que você me ama como eu te amo.

As lágrimas estão vindo, eu pisco rapidamente e tento sair, mas ele continua firme com suas mãos sobre a mesa.

– Vincenzo, vamos falar sobre isto amanhã, por favor. Agora não . Eu estou realmente me sentindo cansada.

Ele alisa meu braço e fala.

– Tudo bem. Eu não quero te forçar a nada, e entenda a minha atitude  de agora foi de total desespero. Eu posso te levar para …

Quando eu vou falar algo o telefone dele toca insistentemente e ele pragueja.

– Eu preciso responder, deve ser urgente, visto que deixei claro para minha secretaria que não queria interrupções.

Ele me deixa ir, mostrando hesitação.

Eu faço um aceno para ele e me afasto enquanto ele fala no telefone.

Saio o mais rápido possível da sua sala. Sigo rapidamente para o elevador e quando chego no meu andar saio tão rápido do mesmo que fico tonta e quase caio. Sou amparada por braços fortes e quando ergo meu olhar vejo Victor do Recursos humanos.

– Sabrina você está bem? Você está pálida!

Eu realmente não me sentia bem, minha cabeça estava leve e eu sentia meu estômago  dar sinais. Eu me levanto e sem responder sigo para o banheiro. Para minutos depois estar de joelhos na frente do vaso sanitário colocando para fora o meu café da manhã e os biscoitos do horário do almoço.

 Para minutos depois estar de joelhos na frente do vaso sanitário colocando para fora o meu café da manhã e os biscoitos do horário do almoço

Alguém bate na porta e abre em seguida.

– Sabrina é a Aline. Amiga você parece péssima!

Eu faço sinal com a mão para ela ir, mas ela se aproxima e segura meus cabelos. Eu fico ali ainda por mais algum momento.

Quando não tem mais nada para sair, eu sigo para a frente do espelho e nem tento me encarar de imediato. Jogo água no meu rosto e enxaguo minha boca. Até Aline aparecer com a minha bolsa.

– Obrigada Aline.

Apressadamente eu abro e pego minha escova de dentes e creme dental.

Depois de me refrescar e me recompor eu finalmente encaro Aline que me analisa de cima para baixo.

– Sabrina, você está bem agora? O que houve?

– Aline, não é nada. Acredito que tenha sito o stress, a reunião…

Sabrina parece procurar palavras para me falar algo.

– Sabrina você devia ir ao médico. Nas últimas semanas você tem se sentido mal com frequência.

Parando para pensar, realmente tinha já algumas semanas que eu não estava bem. Mas eu atribua sempre ao stress da pós graduação, ao trabalho e obviamente a minha história com Vincenzo.

– Eu tenho uma consulta de rotina amanhã. Não se preocupe.

Ela solta um suspiro e fala.

– Sabrina você está com dores nos seios?

Eu fico fria, entendendo o que ela está insinuando. O último mês foi turbulento e eu não prestei atenção em mim.

Eu a encaro assustada.

– Não, não é isto…

– Sabrina eu disse a mesma coisa quando me sentia como você, e agora o meu “não é nada” tem dois anos e corre pela casa me chamando de mamãe.

Sinto um tremor em todo meu corpo e a náusea vem outra vez, corro para o banheiro.

Apresentação

Dom Kurak (48 anos) e Anja Sury (46 anos)

Afrodite pergunta: Quantos anos vocês estão juntos?

13 anos.

Afrodite pergunta: Vocês se conheceram como Dominador e submissa?

Não.

Afrodite pergunta: Quando e como iniciou a relação D/s?

Há 8 anos, aproximadamente

Afrodite pergunta: Durante o dia a dia existe sempre a relação D/s?

Não, não tem como devido trabalhos, filhos, afazeres familiares.

Afrodite pergunta: Relação monogâmica?

Sim, totalmente.

Afrodite pergunta: Empréstimo de submissa vocês fariam?

Jamais, ela é minha e só minha.

Afrodite pergunta: Frequentam locais BDSM? Recomendam algum?

Já frequentamos muito, mas devido a profanação do BDSM no Brasil, principalmente após certos livros “baunilhas com toques de sm” terem sido lançados no Brasil, isso se perdeu um pouco. Atualmente a “velha guarda” tende a se encontrar em eventos bem menores e geralmente dentro das casas dos adeptos a esse estilo de vida.

Baunilhas – Pessoas não praticantes do BDSM

Afrodite pergunta: Qual a situação mais intensa que viveram na relação D/s? * Obviamente se quiserem compartilhar*

Creio que a primeira vez em que a Anja entrou em subspace. Éramos novatos nas práticas ainda e confesso que é bem tentador à um sádico ter uma vida em suas mãos para brincar e explorar da maneira que bem entender. Foi tenso, mas uma experiência sensacional. Para ela, foi como poder voar e para mim, o custo da responsabilidade absoluta sobre outra vida.

Sub-Space – É um estado psicológico alterado que é alcançado por um bottom durante uma cena, parecido com um transe hipnótico.

Afrodite pergunta: 50 tons de cinza: O que me dizem a respeito? Se encaixa nas relações reais de BDSM ?

Risos(perdão), jamais. O BDSM em sua raíz se faz de uma forma completamente diferente do que a descrita nesses romances picantes, por assim dizer.

50 tons de cinza filme baseado em um romance erotico escrito por El. James, cita de forma incorreta a relação D/s e praticas do meio BDSM

Afrodite pergunta: Vocês seguem todo o ritual de SSC? Ou seja, palavra de segurança, after care?

Sempre ! Devido nosso relacionamento ser de muitos anos, um sabe “ler” as expressões corporais do outro. A safeword nunca precisou ser utilizada entre nós.

Afrodite pergunta: Como lidam com o lado do casamento baunilha e a relação D/s?

Para nós se tornou absolutamente normal. Não enxergamos a relação D/s como algo fora do normal, entende ? Ela simplesmente acontece. Eu falo, ela apenas concorda, e, caso não haja concordância (confesso que isso é bem comum vindo dela), ela me explica os seus porquês e eu sempre pondero, pois muitas vezes a forma dela enxergar o mundo e as situações corriqueiras de uma vida em comum se faz mais sábia do que a minha.

Afrodite pergunta: Como se comportam em público? Me refiro sobre o controle e servidão perante os amigos e família.

A Anja por mais incrível que pareça é extremamente tímida e reservada quando estamos entre amigos ou familiares. Ela apenas concorda com que eu falo e dá sua opinião quando é solicitada. É tudo tão leve que as pessoas nada percebem.

Afrodite pergunta: Mesmo sendo casados, existiu um contrato Dom/Submissa?

Nunca, pois como falei acima, ela é meu bem mais precioso. Conheço cada um de seus limites e respeito-os como minha própria vida. Sempre honrei a sua servidão para comigo.

Afrodite pergunta: Quais são as práticas preferidas do casal?

Spanking, agulhas, humilhação…

Afrodite pergunta:  O amor no BDSM existe?

– Por favor, não se ofendam, apenas quero abrir o tópico sobre o assunto, sei que vocês são uma exceção-

No BDSM em si, não ! Durante as práticas existe sim, respeito, de ambos os lados, pois é tudo muito claro entre nós. Temos nosso lado baunilha como todas as pessoas e nesse lado sim, nos amamos demais. Estamos juntos há tantos anos e nunca tivemos uma briga “feia”.

Afrodite pergunta: E possível um Dominador se apaixonar por sua submissa e perder o controle para ela?

Olha, estamos falando aqui de seres humanos, e todo ser humano tem características únicas. Não é o comum em nosso meio. Um Dominador tem a necessidade de sempre estar no controle. Caso isso ocorra (nosso ponto de vista, ok ?) a relação D/s deixará de existir.

Afrodite pergunta: E possível uma submissa se apaixonar pelo seu Dominador e começar a querer dominar o mesmo?

Claro que é possível, como disse acima, estamos lidando com seres humanos.

Mas querer não significa poder (risos).

Afrodite pergunta: Em uma relação como a de vocês 24/7 juntos, exige mais dedicação para que a relação não caia na versão baunilha?

Olha, o BDSM  é um estilo de vida, não é nada forçado, é como nos sentimos completos. No nosso caso, temos nossos cotidianos, seria humanamente impossível viver uma relação totalmente voltada ao BDSM. Temos filhos em casa, temos uma vida a parte. Caso eu a fizesse parar de trabalhar e estudar eu a mataria em vida e isso não seria justo e nem correto.

Pelo amor de Deus, minha sub é advogada e está em meados de se formar como uma criminologista, uma perita criminal. Imaginem o gênio dela…

Afrodite pergunta: Qual o conselho de vocês para os que estão começando no meio BDSM?

Que pelo amor em tudo que essas pessoas têm na vida, jamais permitam ser encoleiradas ou se doar ao primeiro dominador que lhes aparecer na frente. Isso é muito sério. Antes de aceitarem qualquer tipo de compromisso D/s, conheçam muito bem a pessoa à quem iram se doar, pesquisem no meio a respeito, puxem a “capivara” do dito cujo em sites judiciais, conviva com ele primeiramente, infelizmente o BDSM perdeu muito da sua essência no Brasil, principalmente. Os pseudo-dominadores e sociopatas/psicopatas estão aí, procurando por presas fáceis, filhas do 50 tons de cinza, exigem coisas  absurdas, incluindo pedofilia com os filhos das SUPOSTAS submissas, zoofilia, que submissas paguem suas contas, exigem ser chamados de Sr. em chats de bate-papo (ridículo isso).

BDSM não é uma brincadeira e sua vida pode correr sérios riscos.

Dom Kurak e Anja Sury

“Eu Afrodite, agradeço imensamente aos amigos Dom Kurak e sua linda submissa Anja Sury pela entrevista concedida ao meu site, foi uma honra realizá-la compartilhando assim experiencias e informações para os praticantes e curiosos do mundo BDSM.”

BAIXE O SEU LIVRO. BASTA CLICAR EM CIMA. BOA LEITURA.

Em breve a historia de amor entre Lucca e Leona, um romance cheio de erotismo. Fiquem com algumas musicas dos personagens.

Amor libertino


Sim, eu te amo!
Oh sim eu te amo
não demais
Oh meu amor
como a onda irresoluta
Eu vou, eu vou e eu venho
Eu vou e eu venho
entre suas coxas
Eu vou e eu venho
E eu me seguro
Sim, eu te amo!
Oh sim eu te amo
não demais
Oh meu amor
você é a onda, minha ilha nua
você vai, vai e vem
entre minhas coxas
você vai e você vem
entre minhas coxas
e eu te acompanho
Sim, eu te amo!
Oh sim eu te amo
não demais
Oh meu amor
O amor físico não tem saída
Eu vou eu vou e eu venho
Eu vou e eu venho
entre suas coxas
E eu me seguro
Não! agora vem

Sim, falar de Paris França logo vem em mente a música Je t’aime moi non plus e toda a sensualidade, erotismo e amor envolvido por anos em muitas músicas e filmes franceses. E inspirando lindas histórias de amor. Mas, você sabia que na França existem mais ou menos 500 locais de troca de casais? Quase todos eles se encontram na capital.

O Les Chandelles Sex Club e o Le Mask são os mais famosos, com salas de orgias, onde as mulheres são as que dão o primeiro passo, elas que decidem. E o prazer feminino está em primeiro lugar!

Clube de sexo les chandelles

Uma bela mulher nua exceto por um par de imaculados Christian Louboutins, geme em êxtase em um mar de corpos. Bem-vindo ao ‘Les Chandelles’, o clube de sexo mais exclusivo de Paris, a poucos passos do museu do Louvre.

A capital francesa consolidou sua fama de Cidade do Amor, com os resultados do estudo ‘Ifop’, segundo o qual um quarto dos parisienses faz sexo em grupo e um em cada seis entrevistados admitia ter trocado de parceiro em um clube. Além disso, cada um teve em média 19 parceiros na vida, quase o dobro dos britânicos.

Interior Les Chandelles

Para entrar em ‘Les Chandelles’, os homens devem usar ternos elegantes e as mulheres saias femininas e salto alto. Para garantir o anonimato, carteiras, bolsas e telefones são apreendidos na entrada. O valor da entrada é de 92 euros por casal, depois de 22 euros por bebida, pagos através de cartão especial. No bar você pode beber à luz de velas, bater um papo, dançar como em uma boate normal. Na “brinquedoteca” além do corredor, tudo muda. Lá dentro, casais fazem orgias, outros podem assistir (Voyeur) ao show alheio de fora.

Os homens têm quase todos mais de 40 anos, as mulheres são mais jovens, entre 20 e 30 anos. O caso clássico é de homens ricos que vão a essas festas com suas amantes e deixam suas esposas em casa. Eles nem mesmo tiram a aliança de seu dedo. No clube, discrição e consentimento são as primeiras regras, por isso é frequentado por milionários, músicos e políticos.

O clube Le Mask

Ele não dá informações confidenciais, ele se permite no máximo o nome, e a frase: “O que você faz da vida?” tem um significado completamente diferente, significa vida sexual, não vida profissional. Situado à dez minutos de ‘Les Chandelles’ este é o ‘Le Mask’. que tem clientes mais jovens. A entrada aos sábados custa 78 euros por casal. O preço inclui duas bebidas e duas máscaras, para remover quaisquer inibições. Lá dentro, há camas em todos os lugares e bastões de pole dance nos cantos. Na cave existem ‘brinquedos’ e correntes para os gostos mais extremos.

Paris e a luz vermelha

Também há muita prostituição em Paris. O distrito da luz vermelha é a Rue Saint-Denis, que está repleta de sex shops. De acordo com a pesquisa ‘Ifop’, 38% dos parisienses já estiveram com uma profissional do sexo, 20% se declaram gays ou bissexuais. O sexo é feito rapidamente, mesmo no primeiro encontro, sem problemas morais e sem rituais de primeiro encontro. Então, se o sexo for bem, você pode pensar em começar um relacionamento.

Estes são os clubes mais conhecidos. O romantismo existe na atmosfera de Paris. Mas a sexualidade definitivamente é bem presente e o estilo liberal faz parte da vida de muitos casais.

Obviamente existe uma cultura bem diferente da nossa em diversos sentidos. Obviamente no Brasil você deve conhecer ou já ouviu falar de boates deste gênero. A diferença aqui está na maneira como é divulgado, frequentado etc. Não que os clubes no Brasil não tenham suas regras. Alguns são bem exclusivos e só podem ser frequentados sob certas exigências socias e financeiras.

Mas o tabu no Brasil por incrível que pareça ainda é muito maior que na Europa em geral. No Brasil pratica-se muito sexo liberal mas ainda vivemos em uma sociedade conservadora. O intuito do artigo aqui não é chocar as almas românticas, por favor, tudo o que se é combinado entre um casal pode ser a receita para um relacionamento longo e feliz. Basta que os dois estejam em sintonia, seja para uma relação monogâmica ou uma mais liberal. O importante é os dois estarem livres para viverem suas fantasias intensamente dentro do que acreditam ser válido para o casal.

Fica a dica.

Beijos Afrodite

Não sei quanto tempo durou o beijo, quanto tempo permanecemos abraçados. Eu perdi a noção do tempo nos braços do Diable. Eu estava com uma sensação de aperto no coração e ao mesmo tempo um desejo ainda maior estava fervilhando em mim.  

Quando ele percebe que estou tão perdida quanto ele, sinto suas mãos em meu rosto. Ele olha em meus olhos e diz:

– Sem pressão. Admitimos o que estamos sentindo, agora adiante é saber como faremos com estes fatos. Respira Sabrina, se acalme.

Eu respiro lentamente e respondo sinceramente:

– Eu estou   exausta, apesar de me sentir estranhamente leve depois de falar em voz alto o que estou sentindo.

Ele abre um largo sorriso. Se levanta e me puxando para os seus braços me faz acompanhá-lo até o banheiro.

– Tudo bem se tomarmos um banho juntos? Quer dizer, já fizemos isto milhares de vezes, não neste banheiro, não depois …

Ele faz uma longa pausa e ao ver que eu lanço a ele um olhar de compreensão, ele continua:

-Não depois de constatar o que era obvio para nós dois.

Eu dou um leve sorriso e tento ser suave:

– Está tudo bem Vincenzo, nossos banhos sempre foram bem divertidos não é mesmo?

Eu o amava era um fato. Mas eu amava mais quando ele me olhava como naquele momento. Seu olhar safado, seu sorriso malicioso, seus olhos hipnotizantes, lindo, cada detalhe dele.

Ele abre o chuveiro do seu grande box, ele me puxa para debaixo da água com ele, mas desta vez seu abraço não fica imóvel.

Ele me empurra contra a parede fria do banho, invadindo minha boca de forma desesperada, dominante e eu retribuo.

Minhas mãos deslizam por seu corpo definido, suas mãos apertam meus seios, e quando eu penso que ele vai me virar e me penetrar de vez, ele para tudo. Eu solto um gemido de lamento em sua boca e ele fala:

– Eu vou fazer com você o que eu tenho desejado faz muito tempo. E para isto, precisamos estar na cama querida. Não quero mais do mesmo.

Eu provoco-o tentando descer para chupá-lo. Mas, ele me segura e sorrindo diz:

– Nem pensar sua diabinha, se você começar não vamos parar.

Ele se ensaboa e   eu admiro suas tatuagens, seu corpo que me enlouquecia sempre e permanecia em meus pensamentos todos os dias.

– Admirando a paisagem?

Eu pego espremo um pouco mais de sabonete líquido e deslizo pelo meu corpo, me demorando um pouco mais nos meus seios, antes de respondê-lo:

– Você realmente é muito convencido!

Ele solta uma gargalhada gostosa e depois se aproxima lentamente. Ele pega um pouco de sabonete e ainda sem tirar seu olhar do meu, ele me toca abrindo minhas pernas, de uma maneira que eu não consigo não fechar meus olhos automaticamente e pedir mentalmente que ele não pare.

Ele abre mais o jato de água sobre nós e depois o fecha abruptamente.

Saímos do banheiro direto para o quarto, tentei pegar uma toalha, mas ele me impediu.

-Acredite, você não vai precisar se secar. Eu farei isto por você. Vou secar cada gota sua Sabrina.

Um arrepio me percorre o corpo. Ele me deita na cama, mas não vem por cima de mim. Ao invés disto ele fica ali parado, me admirando, e sua mão direita vai direto para o seu pau.

Ele começa a se tocar e a visão é arrebatadora. Aquele diabo loiro, com sua majestosa virilidade em suas mãos, mostrando toda a sua vontade de me ter.

Eu não perco o tempo. E começo a fazer com ele o mesmo jogo, eu abro minhas pernas o máximo que posso e começo a acariciar meu clitóris a rebolar a cada vez que coloco um dedo dentro.

Ele joga a cabeça para trás e aumenta o ritmo da sua punheta. Quando ele solta sua ereção já está lá, poderosa, seu membro inchado, com as veias salientes. Ele se aproxima da cama, puxa meu quadril levantando minhas pernas por cima dos seus ombros e logo sua língua está no meu clitóris em uma dança descontrolada, eu levanto os quadris e quase que minhas costas saem da cama quando me arqueio. Ele se ajoelha para facilitar para mim, mas minhas pernas continuam nos seus ombros e sua boca me chupa, me lambe, me morde, me invade tudo de uma maneira intensa que não me deixa nem pensar. Todas  ás vezes que abro os olhos eu encaro seu rosto bonito, em meio as minhas pernas, seu olhar no meu. Eu estou jorrando e ele bebendo desesperadamente como se o meu corpo fosse a água que ele precisa para saciar sua sede em um deserto quente.

Eu me abandono ao prazer, eu tremo, aperto meus seios, perco minha voz, meu fôlego. Quando começo a entender o que está acontecendo, sinto a ereção de Vincenzo deslizar dentro de mim, ao mesmo tempo que sua boca me invade. Os movimentos dele eram certeiros, mas ao mesmo tempo mais lentos do que o habitual, ele gira o quadril a cada estocada, acertando a parte mais sensível dentro de mim.

Eu não consigo falar nada, sou uma bagunça de sensações, emoções, lagrimas estão descendo pelo meu rosto. Vincenzo beija meu ombro e se aproxima do meu rosto indo ainda mais profundo dentro de mim. Gememos juntos. E eu começo um lamurio infinito clamando ao meu demônio sedutor que não pare de me queimar. E ele não o faz, vai mais fundo, nossos corpos colados, nossas respirações ofegantes, nossos corações acelerados. Já nem sabia onde eu começava e ele terminava. Éramos um só ser buscando o ápice total do prazer.

Não demora e estou gozando, apertando Vincenzo dentro de mim. Ele tenta manter o controle um pouco mais, mas sem sucesso, ele me inunda com sua porra, repetindo ao meu ouvido:

– Eu te amo Sabrina, te amo loucamente…

Ainda em êxtase eu   respondo:

– Eu também te amo Vincenzo.

Enquanto nossos corações se acalmavam, eu permanecia ali imóvel sobre o peito dele, e os pensamentos eram inevitáveis. O que seria de nós a partir de agora?

Estes anos juntos vivendo sem compromissos, sem   sentimentos amorosos. E agora isto, os dois presos nesta armadilha que nós  mesmos depositamos em nossos corações.

-Não pense muito Sabrina. Você não tem idéia de quantos porres tomei pensando nisto. De quantas vezes eu saí do trabalho e comecei a pensar em pegar a estrada e ir te ver, confessar tudo para você.

Eu entendo o que ele está dizendo, porque senti a mesma coisa por muito tempo. Mas depois do meu ex noivo arrogante, controlador e baita traidor, eu jurei a mim mesma me concentrar no meu trabalho, na minha pós-graduação, nos meus sonhos, em mim. E Vincenzo não era diferente,  no caso dele foi pior, traído depois de uma semana de casado por uma interesseira sem coração.

Nós sempre fomos amigos, sempre rolava um flerte quando éramos solteiros, mas nunca levamos à sério. Algum tempo depois de sairmos todos os amigos juntos, em uma noite bebemos muito e transamos. E foi onde tudo começou, até que estabelecemos limites para a sanidade mental de ambos. E olha nós dois aqui nesta confusão.

Eu nem preciso descrever como foi nosso final de semana. Por todo o tempo transamos, ou melhor fizemos amor ardentemente, como diz Vincenzo. E os orgasmos de ambos foram sempre muito intensos. Era mais que paixão. E estávamos exaustos, quando na segunda ele me levou para o aeroporto. E estávamos tensos. E um gosto amargo me assombrava. O medo do que seria de nós à partir daí.

– Sabrina, vamos fazer funcionar de qualquer forma. Vou assumir o controle da minha filial na sua cidade, procurarei ampliar minha empresa por lá. E aqui deixarei alguém de confiança cuidando de tudo. Sei o quanto  a sua pós-graduação é importante para você. E não quero que a insegurança invada nossas vidas. Mas também não quero te sufocar. Quero apenas poder cuidar de você, te apoiar e fazer amor com você em uma frequência maior do que a habitual.

Dou uma risada com sua fala e provoco:

– Mais do que o habitual? Nos não saímos da casa este fim de semana. Você estava sempre dentro de mim.

Ele dá uma risada gostosa e me abraça. Bom, você não reclamou, aliás me provocou muito. Além do mais, experimentamos cada ângulo da minha casa. E quanto a não sair, eu me defendo, o jardim, a piscina e a jacuzzi são na área externa da casa. E gostaria de te lembrar que fomos buscar sua mala no hotel e comprar comida. Isto também conta.

– Você é terrível Vincenzo. Ainda bem  que fizemos ao menos estas coisas fora de casa. Eu precisava das minhas coisas, e me alimentar, já que fazer um sanduíche foi o máximo que conseguimos.

– Por mim você não precisava da sua mala, afinal ficamos nus quase todo o tempo.

– Sim Vincenzo, eu precisava da mala, pelo meu anticoncepcional, sem bebês lembra?

Ele beija o alto da minha cabeça e sussurra ao meu ouvido

– Sem filhos eu prometo. Mas confesso que independente do que acontecer conosco, você é a mulher que eu desejo um dia ter filhos.

Eu fico tensa, meu coração acelera. E apesar de mais louco que isto seja, saber disto me desperta um sentimento de plenitude. Ele sorri provocante dizendo:

– Um diabinho já me basta, acredite em mim. Mas praticar tomando todos os cuidados é bem mais gostoso.

Eu dou o último abraço nele antes de embarcar. Sua boca me devora. E quando ele me solta eu sinto um vazio enorme no meu peito, meus lábios ainda estão deliciosamente quentes da sua boca.  Pego a mala e sigo para o portão de embarque.

Dou um último olhar para ele, ali parado me olhando. E eu sigo em frente.

Duas semanas se passaram, algumas conversas quentes. Mas ainda não nos encontramos. Vincenzo continua trabalhando muito, organizando tudo para mudar de cidade para ficar perto de mim. E eu por minha vez, não pude voltar para encontrá-lo. Estou muito ocupada com os estudos.

Mas hoje é dia de abrir uma exceção, Aline uma amiga do trabalho faz aniversário e vamos para uma boate badalada da cidade. Eu até tentei ver se o Vincenzo viria, mas ele tinha reuniões importantes e não poderia estar aqui em tempo.

Então estou eu aqui na entrada desta boate, com saltos vertiginosos, vestido provocante, mas sou uma súcubos sem o meu Diabo. As coisas entre nós ainda estão meio estranhas, mas o desejo está em um nível jamais atingido antes. Apesar de estarmos longe, ele é crescente.

Aceno para as meninas do escritório, Aline está radiante queria muito estar na área Vip desta boate e conseguimos organizar tudo para ela.

Entramos, e sinceramente apesar do ambiente bonito, moderno, música e bebidas boas; nada ali me chamava atenção. Eu queria voltar para a casa, fazer uma vídeo chamada com Vincenzo e gozar descontrolada, pedindo para ele vir logo ao meu encontro.

Eu danço com as meninas, bebo e desejo com todas as minhas forças voltar para casa, ou melhor seria estar com Vincenzo em casa.

Eu tiro o celular da bolsa pensando em enviar uma mensagem para ele. Mas sou surpreendida por uma mensagem sua:

“Eu aposto que você é a garota mais gostosa da festa. E eu não vejo a hora de pegar minha garota bonita, de envolvê-la em meus braços… de te devorar inteira. De te encostar em alguma parede e te foder, transar, fazer amor, transcender chame como quiser. Eu quero tudo com você Sabrina. E eu não posso prometer manter meus modos quando eu te encontrar.  Eu te amo, mas não consigo controlar o desejo insano de te preencher, de te fazer gemer, gritar, chorar, sussurrar meu nome. Clamar por misericórdia enquanto aperta meu pau com sua buceta, quente, molhada, inchada.

Eu termino der ler sentindo calor por todo o meu corpo. A vontade de sentir ele dentro de mim escorre por minhas coxas. Eu pego o telefone para responder. Mas ele me liga em seguida. Eu atendo, mas não escuto bem por causa do barulho, aceno para as meninas e sigo para fora da boate para tentar falar com ele.

Caminho pela rua lateral da boate, até conseguir ouví-lo.

–  Sabrina, você consegue me ouvir?

– Sim, agora estou te ouvindo. Como você faz isto comigo? Não é justo que você me provoque deste jeito, sabendo que estou aqui a quilômetros de distância. Que já faz semanas que não nos tocamos…

– Eu sei Sabrina, acredite, na primeira oportunidade que eu tiver, estarei aí, entre as suas pernas.

Eu dou um sorriso acompanhado de um gemido de prazer e ao mesmo tempo de frustração.

– Mas você não está aqui e está sendo mais difícil do que eu pensava.

– Eu sei querida, eu sei. A ligação está perfeita, onde você está?

Me encosto na parede e fecho meus olhos por um instante.

– Estou na rua lateral da boate. Mas agora vou entrar lá dentro e dizer para as meninas que não estou bem. Eu já queria ir para a casa mesmo. Então quem sabe quando eu estiver por lá podemos nos ver pelo celular?

– Você está indo para a casa para gozar comigo?

Bufo e respondo:

– Senhor convencido, gostaria de avisar que também disse que estou cansada e pretendo ir para casa dormir…

Sinto um corpo que se encosta no meu, e uma mão cobre minha boca. Eu fico assustada apenas por um milésimo de segundo, logo reconheço o perfume e quando ele me gira de frente reconheço aquela cara convencida e provocante. Ele sorri e diz:

– Posso resolver a sua vontade de ir para a casa, mas não prometo que você vai dormir querida. Pretendo te arrastar para a cama e somente sair de lá quando estivermos saciados.

Ele invade minha boca de uma maneira forte, me faz gemer em sua boca pedindo mais quando ele me solta.

Ele sorri e volta a me beijar alisando minhas costas nuas, o arrepio que sinto por seu toque atinge em cheio entre minhas pernas. Eu estou latejando, desejando este perverso dentro de mim.

Ele me puxa para dentro da boate e me diz:

– Vá se despedir de suas amigas como você queria. Eu te espero no bar.

Desta vez sou eu quem o provoca. Invado sua boca com um beijo cheio de desejo, de promessas, minha mão desliza no seu peitoral bem definido, nos seus bíceps, em suas costas largas ele me pressiona contra sua ereção, me dando sinais que ele está mais que pronto para me saciar. Eu me afasto, recuperando meu folego. E vou até as meninas me despedir.

Me aproximo de Aline e a informo:

– Eu sinto muito, mas tenho que ir para a casa, surgiu um imprevisto…

Ela se aproxima envolvendo meu pescoço e eufórica me diz:

– Querida, vimos o delicioso anjo loiro que você estava agarrando. No seu lugar faríamos o mesmo. Se divirta, mas antes de ir embora pergunte se ele não tem algum irmão gêmeo, se não ao menos um amigo tão gostoso quanto ele.

– Ah sim, este anjo foi expulso do paraíso. E se diverte em me fazer arder com ele.

Ela abre um largo sorriso e diz:

– Céus! Sabrina tenha piedade e vai logo. Mas não se esqueça de dizer para ele meu recado.

Ela diz brincando e me dá um beijo na bochecha.

Dou uma risada e olho para as outras meninas que se despedem acenando com as caras mais safadas.

 Eu me afasto rindo, elas já estão bêbadas.

Caminho até o bar e lá está ele, bebendo seu líquido âmbar sem gelo. Eu me aproximo, ele me puxa para ele e sorri.

– Vamos?

Eu balanço a cabeça concordando.

Em poucos minutos ele está dentro do carro e eu já coloquei meu endereço no seu GPS.

Ele começa a dirigir e eu não consigo desacelerar meus pensamentos. Então interrogo:

– Você disse que tinha uma reunião e não poderia estar aqui em tempo. O que aconteceu?

Concentrado na direção ele responde:

– Eu não menti Sabrina. Eu tive uma reunião difícil com o pessoal do meu escritório hoje a tarde. No início da noite eu estava fechando negócios importantes. Mas corri com tudo para poder te surpreender. Desculpe se …

Observando seu nervosismo eu o interrompo:

– Não se desculpe. Eu adorei ser surpreendida. E estou adorando poder estar novamente perto de você.

Ele alcança minha mão e leva até seus lábios, beijando cada um dos meus dedos de forma lenta, arrastando seus lábios de maneira preguiçosa. O gesto é simples, mas é carregado de devassidão. Eu me movo no assento do carro, ele sorri e me olha de relance.

– Ok, você está muito convencido. Eu sei…

– Sabrina você não tem idéia do inferno que foi estes dias. Não sabe quantas vezes eu desejei você ardentemente. Perdi a conta das vezes que me masturbei como um adolescente pensando em você, nesta sua buceta apertada, nesse seu cuzinho macio, nessa sua boca demoníaca. Eu já estava com dificuldade de concentração no meu trabalho. E não foi só o sexo que senti falta, senti falta de você adormecer nos meus braços, de dormir com você colada em mim.

Ele sabe como me deixar tonta com suas palavras, confusa com meus pensamentos e deixar tudo devastador para o meu coração.

– Eu também senti muito sua falta Vincenzo.

Ele estaciona o carro na garagem e subimos para o meu apartamento. E não foi dito nada. Mas foi feito muito. Os beijos estavam mais intensos, mais quentes, mais ousados.

Em meu apartamento ele me solta. E ambos tentamos recuperar o fôlego, enquanto tranco a porta.

– Então, esta é a sua casa. Finalmente. Eu estava em desvantagem visto que nossa última vez foi na minha casa. Depois de todo este tempo sempre te encontrando nos hotéis daqui da sua cidade, agora estou na sua morada .

Eu sorrio e mostro para ele meu pequeno apartamento. Sem o luxo que é o que ele está acostumado.

Com a voz baixa ele diz:

– É a sua cara Sabrina. Doce, aconchegante, apaixonante.

Ele se aproxima e enquanto me beija ele abre o zíper do meu vestido.

Eu mordo o lábio dele e provoco

– Uma palavra de romantismo e já joga minhas roupas no chão.

Ele sorri e com voz carregada ele diz:

– Eu fui delicado querida, eu poderia ter rasgado nossas roupas, porque estou tão selvagem, estou domando a fera dentro de mim, acredite em mim estou me contendo.

Os olhos dele se tornam labaredas. E eu entendia perfeitamente aquela necessidade.

– Eu preciso falar algo com você, precisamos conversar, mas eu não vou conseguir tirar minhas mãos de você e me concentrar em nada se não saborear você antes.

Eu tiro minha lingerie e vou para cima dele, tirando sua camisa, sua calça que ainda atrapalhavam.

Ele me empurra para cima do sofá, me puxa para baixo e cai de boca entre minhas pernas, meus gemidos são contidos mordendo as almofadas. Eu não sei quantas vezes gozei na sua boca sentindo-o absorver cada gota, seus dedos dentro de mim. A visão do seu corpo nu, sua ereção, seu cheiro, meu gozo, mais viciante que qualquer droga.

Ele me puxa e trocamos de lugar. Estou por cima dele, que está deitado no sofá. Desço lentamente em sua ereção, ele aperta meu quadril, eu balanço meus quadris, giro lentamente, aperto seu membro e ele geme meu nome.

Ele empurra, eu desço, eu subo ele empurra novamente, eu desço, lento, rápido, já não tinha uma precisão, mas era um ritmo nosso, no momento certo a dose certa.

Eu rebolo enquanto ele está acertando dentro de mim sem piedade. Uma de suas mãos desce do alto dos meus seios para entre minhas pernas, torturando meu clitóris até nossa libertação.

Eu caio nos braços dele. E ficamos ali tentando nos acalmar e não sei quanto tempo isto levou. Mas ali permanecemos, alisando um ao outro, recuperando o folego e a sanidade.

Depois de um longo banho, abrimos um vinho e nos sentamos no sofá um de frente para o outro.

– Agora vamos conversar Sabrina, eu preciso ser sincero, será uma conversa delicada.

Meu coração acelera e logo penso que ele mudou de ideia quanto a tudo o que falamos e sentimos.

Eu não vou enrolar e vou te dizer tudo de uma vez.

– Então diga querido, pois você está enrolando falando assim.

Ele faz um longo respiro e fala:

– Eu vim de vez. Me mudei oficialmente para cá. Comprei uma casa, organizei meus negócios e aqui estou.

Eu só consigo responder

– U-Uau. Eu nem sei o que dizer Vincenzo.

Ele sorri e demostrando nervosismo me diz:

– Que está feliz?  Afinal, foi o que combinamos. Eu estabelecer e ampliar meus negócios aqui para continuarmos com nossa relação e ver no que vai dar.

– Sim, claro, e-eu só fiquei surpresa…eu…

Ele não espera nem mesmo você assimilar tudo. Ele dispara:

– Tem mais…

Eu arregalo meus olhos e bebo de uma vez a taça de vinho, antes dele dizer:

– Eu comprei a Fenicce. De hoje em diante sou oficialmente dono do Grupo Fenicce. E…

Eu não sei se fico assustada ou irritada. Mas dou o benéfico da dúvida e falo:

– Não me diga que você vai administrar a aérea norte?!

Ele parecendo constrangido diz:

– Pelo amor, não pense que fiz isto de propósito, que quero te sufocar, te vigiar. Eu não, em nenhum momento. É que a oportunidade era grande e eu precisava me estabelecer ainda mais por aqui. Meus negócios onde deixei estão em boas mãos você sabe. Mas aqui eu tenho que amplificar se quiser ser reconhecido…

– Ok Vincenzo. Eu realmente estou chateada, mas entendo o seu lado. Ao menos vamos trabalhar em prédios separados afinal eu estou na área sul e …

– Na verdade não, de amanhã em diante toda a área Sul e Norte serão concentradas no mesmo prédio no centro da cidade. Obviamente a mudança definitiva será dentro de um mês. O conselho decidiu concentrar tudo neste prédio porque ele possui muitos andares, mais espaço, estacionamento maior…

 Não escondo minha frustração em dizer:

– Então, vai ser meu chefe direto é isto? Puta que o pariu Vincenzo…

Ele angustiado responde

– Calma Sabrina. Ao menos isto consegui evitar. Eu dou a palavra final é verdade. Mas deleguei os assuntos importantes para os que estão administrando atualmente. Sou o Ceo, estarei no escritório da cobertura nada mais. Todo e qualquer coisa que deve ser resolvida comigo, será feito na cobertura. Você raramente me encontrará no trabalho.

Eu respiro fundo frustrada e ele continua:

-Farei de tudo para não interferir no seu setor. Eu sei que está lutando por uma vaga em um nível superior, mas juro que não vou interferir em nada. Eu …

Irritada eu falo:

– Você poderia ter ao menos me comunicado o que estava fazendo, assim eu poderia decidir o que fazer. Eu acabei de recusar uma proposta de trabalho do concorrente. E eu…

Vincenzo se desespera com minha reação, mas eu não admito perseguição, ser controlada por homem nenhum, por mais apaixonada que esteja. Eu já tomei minha dose amarga deste tipo de relacionamento e não quero jamais viver o mais do mesmo.

Eu me levanto e sem pensar falo:

– Eu preciso de espaço, preciso respirar. Eu quero que você vá embora.

Ele arregala os olhos, abre a boca para falar algo mas desiste.

Ele recolhe suas coisas, veste apenas sua calça e sapatos, pega a camisa e tenta vir ate mim. Mas desiste no meio do caminho.

Ele respira pesadamente, eu me viro para a janela tentando me acalmar.

– Sabrina, eu sinto muito. Sei o que parece, mas esta não foi uma decisão fácil de ser tomada, eu precisava de fazer esta escolha para poder tornar real nosso combinado.

Eu estou segurando as lágrimas, não digo nenhuma palavra até escutar ele fechar a porta.

Eu tento, vou para o banheiro, tomo um banho demorado deixando o choro escorrer com a ducha fria em meu corpo.

Eu me jogo na cama, coloco meus fones de ouvido e aperto minha lista de reprodução.

Claro que entendo que ele não tinha muitas opções nesta sua área de trabalho, ele tem que agir rápido e ver onde pode ganhar mais. Foi assim que ele construiu sua fortuna, comprando negócios que estão passando por dificuldades. Ele as compra, administr e as fazem crescer.

Mas ter ele como um chefe mesmo que não seja direto me faz em pedaços.

Pois a nossa relação que normalmente deveria estar começando de forma serena, está caindo em um aspiral de problemas.

Ele me fez falta, não posso negar, seu corpo se encaixa perfeitamente no meu, de modo indecente, cruel e inexplicável. Neste momento não tenho muito o que fazer, preciso deste trabalho ao menos por alguns meses. E eu preciso dele, mas não vai ser tão fácil absorver tudo isto.

Nos meus fones eu escuto Sere Nere do Tiziano Ferro e o meu choro aumenta:

Uma atitude sexual que explora as qualidades mais versáteis do ser humano: a curiosidade e a imaginação.

O Voyeur gosta de olhar para corpos nus ou seminus, envolvidos em relações sexuais ou dedicados a se masturbar ou ser tocados por um ou mais parceiros. Pode ser uma observação puramente passiva, apenas para voltar a atenção para o que há de mais íntimo com a pessoa observada, como se fizesse parte do quadro, embora não ativamente, por prazer, para gozar de uma excitação contida.

Ou, mais comumente, o observado é o objeto e sujeito da masturbação do voyeur e assim se torna sua inspiração, sua jornada erótica, desfrutada ao máximo, realizada em um abraço libertador, onde realidade e imaginação se fundem em uma orgia de sensações.

Para além de todas as suas evoluções históricas que deixam o tempo a encontrar, para além das formas definidas como desvios, talvez, mais simplesmente como muitas das experiências mais emocionantes, o voyeurismo é também enfatizado pela quebra de um tabu. Poderia ser o clássico “olhe, mas não toque” que torna tudo mais envolvente? Será o prazer de não poder participar de um relacionamento e aí permanecer como observador? Espectador de um jogo de casal íntimo mas não envolvido, como que para não profanar tudo, ausente mas presente, como um titereiro que controla um fantoche com fios finos. Talvez seja isso que torne algo puramente físico mental.

Quem realmente não é? Quem não se sente um pouco Voyeur às vezes? Nos pegamos percebendo os detalhes dos movimentos do parceiro, a maneira como ele gesticula, se despe, leva o copo à boca. Não é alguma forma de voyeurismo? Desfrutar de prazer em observar, morder o lábio enquanto observa alguém que estimula a nossa imaginação. Como em muitos outros casos, o sexo não é apenas um ato físico, a masturbação não é apenas aquilo que é feito conscientemente para tal.

E não devemos esquecer que também há gosto por quem é observado. Sem ser tocado, torna-se objeto de uma fantasia perturbadora, de alguma forma violada por um olhar impudente. Mas esta é outra história, é outro jogo, com outros protagonistas.

Situações de voyeurismo pode ser inúmeras, observar seu parceiro, tomar banho ou se masturbar também entra como forma de voyeur. Não somente observar pessoas fazendo sexo.

Seria observar pessoas enquanto elas fazem determinadas coisas que para o observador são excitantes, um potente estimulante físico e mental.

Isto te excita?

Beijos da Afrodite.

Espelho, espelho meu, existe alguém com mais tesão que eu?

Você ouvirá muito sobre isso nesses posts, sugeridos aqui e ali, fiel companheiro de muitas ideias eróticas. Vamos quebrar a lança a favor do voyeurismo, porque mesmo que nem todos gostem, é um mundo fascinante, para o qual podemos olhar mesmo em pequenas doses e depois decidir não ficar mais sem ele.

O espelho cria imediatamente o efeito “charme erótico”, não é por acaso que os bordéis do século XIX eram super providos deles! Guarda roupas com portas espelhadas são bem-vindos, portanto, um pesadelo quando estão a ser limpos mas, definitivamente, todo este esforço é recompensado pela vista panorâmica que proporcionam!

Quem tem que confiar na posição do espelho pendurado na parede terá que trabalhar um pouco de design e astúcia para encontrar a melhor localização.

A panacéia para dissipar qualquer dúvida são os espelhos que podem ser movidos (e inclinados), para que você possa posicioná-lo de vez em quando onde e como quiser, leve-o em qualquer sala que você queira dar-se ao luxo, para improvisar um “menage a trois”: vocês dois e o espelho. Para os amantes do género, um só pode não ser suficiente, daí a necessidade de ter mais do que um, talvez os da terra.

Claro, um pouco de atmosfera não faz mal, mas não é preciso muito para criar um ambiente sensualmente estimulante, um espelho bastante grande, algumas lâmpadas e uma bela música de fundo( Sim a musica , sou uma pessoa que cria lista de reprodução para tudo) são o suficiente quando se trata de “ambiente”. As imagens refletidas vão acompanhar e guiar seus olhares fugazes, multiplicando suas percepções. Dependendo da sua tez, escolha os lençóis certos para criar contraste! Você pode posicionar onde quiser, embaixo de vocês, ao lado. Enfim encontre o ângulo que mais o satisfaça.