Pular para o conteúdo

Ménage à Trois

Entro no taxi e digo minha destinação. Tento me relaxar no banco, olhando pela janela a chuva fina que cai lá fora. Nada de novo nesta cidade tão chuvosa.

Abro minha bolsa, pego o celular e releio o SMS dele que me fez ficar sem ar e estar neste momento dentro de um taxi a caminho de um bar exótico para realizar um fetiche dele. Concordei pois quero satisfazê-lo e sei que ele respeita minha segurança. As letras do que ele escreveu me saltam aos olhos:

– Minha menina, quero você linda, vestido preto, salto alto, meias 7/8, maquiada e perfumada, a brincadeira começara no Bar Calabouço, nem preciso te dizer que é BDSM(risos). Esteja lá pelas 18:30 h.”

Respiro fundo, solto todo o ar dos pulmões de uma vez e tento me acalmar, o taxi está diminuindo a velocidade, o taxista me diz que chegamos eu o pago e saio do carro olhando o neon do bar, CALABOUÇO, os vidros escuros, por fora parece um barzinho qualquer.

Ao entrar me surpreendo, com uma mistura de decoração moderna e medieval, candelabros, onde velas foram substituídas por lâmpadas alógenas, sofás modernos na cor vinho e preto, as paredes são da cor vermelho sangue, tem pouca gente no local, logo o vejo sentado em um sofá no angulo do bar, caminho com dificuldades com ele me tendo em mira.

A música no ambiente não me deixa muito concentrada, apesar de ser uma música que gosto muito Lovage – I’am Sex, neste momento torna difícil a tarefa de caminhar com olhos sobre meus passos.

Ele se levanta com um sorriso nos lábios, me estende a mão e me puxa contra ao seu corpo, invade minha boca com sua língua descontrolada, me penetrando fino a alma. E enquanto aperta minha bunda fortemente sussurra meu ouvido:

– Você está deliciosa. Já pedi um vinho para degustarmos enquanto conversamos.

Ele me conduz até o sofá, tira meu casaco e coloca no angulo junto com o seu. Eu coloco minhas mãos sobre os joelhos, mas tremo e ele não deixa de perceber, segura minhas mãos nas suas e me diz:

– Não tenha medo, não farei nada com você que não queira. Vou te explicar o meu desejo, o meu fetiche. Quero possuir você dividindo com outro homem, será por prazer não punição.

Eu olho nos seus olhos e concordo. Não somente por ser um desejo dele, mas e um desejo meu, sempre foi, mas realizar este fetiche com ele será ainda mais saboroso, pois estarei segura.

Ele sorri e me beija. Depois me passando a taça de vinho pausadamente ele continua:

– Quero que você olhe a sua volta analise um homem que fisicamente te atraia e me diga em seguida o que te atraiu mais. Não tenha pressa, prenda seu tempo.

Eu começo a olhar todos os homens que ali estão, alguns me atraem fisicamente, mas nada que me faça querer ir pra cama. Até que de repente vejo um homem de terno azul escuro, bebendo whisky no balcão do bar, em questão de segundos vejo ele soltar o copo e ajustar as abotoadoras do seu terno, ele fez isto de uma maneira tão sensual, que cruzei as pernas. Meu Dono percebeu e me disse:

– Minha cadelinha, está excitada. Isto é bom, percebi, agora termine seu vinho pegue um táxi e vá pro meu apartamento, suba, tire sua roupa, coloque sua coleira e fique apenas de lingerie, mantendo como de costume suas meias 7/8 e o salto. E aguarde.

Ele se aproxima me beija de uma forma tão intensa e passional que me faz gemer em sua boca. Ele sorri e segue até aquele desconhecido, dou o último gole e saio do bar.

Por uma grande sorte tem um ponto de táxi do outro lado da rua. Entro no carro e logo depois de dizer o endereço, eu tiro o casaco, pois estou suando de excitação.

Chegando no apartamento, abro a porta e sigo até o banho, faço tudo como ele disse, tiro lentamente minha roupa, deixando as meias 7/8, o salto alto e minha lingerie.

Quando coloco a coleira, me olho por uns instantes no espelho, minhas pupilas estão dilatadas de desejo, não consigo parar de pensar no que eles farão comigo.

Sigo rápido até a sala, vou ao bar, pego um copo e bebo uma bela dose de whisky puro, preciso me deixar levar por este momento.

Quando penso em me sentar meu celular toca. Respondo com a voz tremula, já sabendo quem é do outro lado, então digo:

– Sim Senhor…

– Boa menina, quero que vá até o quarto suba na cama e se ajoelhe no meio dela, coloque a venda em seus olhos, e amarre bem, porque se não terá consequências! Estou subindo em 5 minutos.

Menage a Trois por Afrodite de Dom Spider - FeticheClubEu obedeço, pego a venda na gaveta subo na cama me posiciono e amarro bem em meus olhos, estou tremula, sinto frio na coluna, mas o tesão e grande.

Sinto o barulho da fechadura, escuto passos pela sala e logo eles se aproximam, até que sinto o ranger da porta do quarto.

Ele entra em silêncio, percebo que não está sozinho, pois escuto os passos dos dois lados da cama, e logo o peso de dois corpos sobre o colchão.

Do meu lado direito, sinto o perfume do meu Dono, e logo seu toque no meu rosto, e logo ele invade minha boca, sinto o toque quente de outras mãos em seus seios, e o desabotoar sem dificuldade meu sutiã, deixando expostos meus mamilos já duros de tesão.

Meu Dono me diz:

– Relaxe minha menina, estarei aqui o tempo todo. Você sabe o que dizer, se não suportar, sua safe Word vale aqui.

Agora os dois descem da cama, sinto uma fragrância exótica, meu Dono com certeza acendeu o incenso que adoro, logo ele coloca a música que sempre me transmite tranquilidade, Best of “Buddha Bar”

Então me convenço a relaxar, me abandonando aos desejos destes dois homens.

Sinto novamente o peso do lado esquerdo, outro beijo e agora não é meu Dono, eu me deixo devorar e logo sinto um metal frio na minha virilha, sinto a minha lingerie ser cortada, revelando minha púbis inchada e banhada de desejo.

Sinto dois dedos me invadirem e eu impulsiono meu corpo pra frente e logo me sinto apoiada naquele homem, que desce e chupa meus seios, morde meus mamilos, eu gemo alto e logo sinto as duas bocas uma em cada seio e as mãos que brincam pelo meu corpo e os dedos do Dono que me invadem, estou alucinada, nunca tive tanto prazer.

Logo um dos dois solta um dos meus mamilos e no lugar da sua boca quente sinto o frio metal dos grampos, dou um grito pela troca de prazer por dor, mas em questão de segundos esta mesma dor é substituída por um prazer quase inacreditável vindo destas mãos que não param de me invadir, tocar, arranhar.

Mas não tenho muito tempo pra pensar nisto pois sou posicionada de quatro na cama sendo puxada pelas correntes dos grampos nos seios, escuto o barulho das embalagens de camisinha e por segundos sinto medo de como me possuirão para prazer de ambos.

Logo descubro, pois um deles se posiciona na minha frente segurando meus cabelos e esfregando seu membro duro na minha boca, pelo perfume reconheço o estranho, ele  me faz chupar, no início lentamente, depois enrola meus cabelos em suas mãos e comanda o movimento como ele quer, eu o saboreio, e começo a engoli-lo nos movimentos de vai e vem, chupo, lambo, engulo  e o ritmo aumenta quando sinto meu Dono se aproximar por trás e me penetra de uma vez, me faz engolir até o talo o membro em minha boca.

Os golpes do chicote se iniciam nas minhas costas, na minha bunda, e isto me faz rebolar ainda mais.

Meu corpo está suando, eu estou morrendo de desejo, meu corpo pulsa em torno do membro do meu Dono. E estou com lágrimas nos olhos de não saber como controlar este prazer, estou quase gozando, mas meu Dono me conhece bem e logo diz:

– Não goze, ainda nem começamos! Seria uma falta de respeito da sua parte gozar antes de nós querida.

Tento me concentrar nos golpes do chicote, tentando em vão não sentir prazer. Até que eles trocam de posição, ainda permanecem neste vai e vem me enlouquecido sem piedade. E sinto deliciosamente preenchida por estes dois machos alfas.

Meu Dono fala algo pro outro, mas estou tão alucinada, tão em êxtase que não entendo apenas sinto meu corpo ser levantado, o estranho se senta na cama e me faz encaixar no seu membro meu Dono vem por cima e continua a me foder a boca.

E o outro além de me fazer rebolar em seu pau desesperada por tentar em vão fazê-lo gozar, começa a tocar meu clitóris, as minhas contrações são infinitas, eu estou chorando de prazer, meu Dono faz movimentos fortes depois me libera a boca, tirando seu pau dos meus lábios tira também minha venda e se afasta pra admirar a cena do meu delírio sexual.

Ele sorri e me diz:

– Goze! Mostre sua gratidão. Goze dando o que e meu, quero ver em seus olhos que está fazendo para o nosso prazer, para o MEU prazer. Rebola, se liberte menina….

Meu clitóris está inchado embaixo dos golpes contínuos daqueles dedos, estou tão apertada em volta do pau daquele estranho, que sinto o pulsar das veias do seu membro dentro de mim. E olhar meu dono tirar a camisinha e começar a se tocar na minha frente me deixam alucinada e não seguro mais explodo em um orgasmo descontrolado, tremo, gemo, grito, choro, fecho os olhos por segundos e quando abro meu Dono está gozando em suas mãos se aproximando de mim.

O outro está me agarrando forte os quadris e me fodendo com toda sua força, logo em seguida goza soltando um grito de alivio em meu ouvido, ele sai de dentro de mim cuidadosamente, vejo a camisinha cheia do seu liquido do prazer.

Olho novamente meu Dono, ali em pé na minha frente com as mãos cheias do seu gozo, então ele me chama e eu lambo até a última gota limpando suas mãos, ele alisa meus cabelos, beija meu rosto e diz:

– Isto minha cadelinha, minha doce menina você foi ótima. O que achou Vinicius?

Seu amigo fica ao seu lado, me alisa o rosto sorri e diz:

– Ela realmente é perfeita. Parabéns! Adorei participar da sua fantasia caro amigo.

Meu Dono sorri olha ternamente pra mim e diz:

– Eu já conhecia o Vinicius a alguns anos, foi uma deliciosa coincidência. Mas você escolheu bem minha menina saborosa.

Agora desça da cama, ajoelhe aos pés dele e agradeça, depois vá tomar um banho. E assim eu fiz, fui acariciada pelas mãos de Vinicius enquanto beijava seus pés. Logo depois segui para o banho, alguns minutos depois meu Dono entra me abraça em baixo do chuveiro e diz ao meu ouvido:

– Você foi perfeita e por ter me realizado vou te dar muito prazer esta noite, adoro ficar contigo minha menina.

Suas mãos alisam minhas coxas, beliscam meus seios, e eu sinto endurecer encaixado em minha bunda. Respiro fundo e digo:

– Obrigada meu Senhor, eu o Adoro.

1 Comentário »

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: