Labirinto do desejo

Estou um pouco nervosa, sempre fico antes de uma apresentação. Vim dançar nesta festa a convite de minha amiga Elisa, que me implorou.
Assim que cheguei achei o lugar lindo, uma grande mansão, com jardins estilos Ingleses, belos arbustos, grama, as rosas perfumam todo o lugar nesta noite quente de verão, tochas de fogo estão por toda parte dão um clima exótico neste mundo de luxo.
Não sei que tipo de evento é este, mas estou gostando de participar. O DJ me faz um sinal e eu entro, quando meu pé toca o palco minha timidez e inseguranças vão embora, sou eu Lívia, dançarina, aquela que com seus movimentos seduz e conquista.

Eu começo minha apresentação, noto que em todas as mesas estão pessoas bem vestidas, todos atentos aos meus movimentos, não posso ver bem todos os rostos a sala é pouco iluminada e as luzes mais fortes estão em minha direção, eu dou o meu melhor, movimento meu corpo, fecho meus olhos e me deixo levar pela música.
Brinco com meus movimentos, com o ritmo, e sinto a energia da platéia. Mas quando estou fazendo movimentos mais lentos vejo um homem sentando na mesa da minha amiga Elisa que me chama atenção. Ele é moreno, atraente e tem os olhos sobre mim, olhar este que me penetra de uma forma obscena, quase me perco, mas não me deixo levar, sendo assim eu termino minha apresentação sob os aplausos da platéia.

No camarim Elisa vem falar comigo logo que saí do banho. Ela entra com um sorriso enorme nos lábios e rosas vermelhas em suas mãos:

– Ai Lívia você arrasou como sempre. Estas rosas são para você, agradecimento por sua participação, sei que você faz isto por prazer não pelo dinheiro e não se apresenta em qualquer lugar, saiba que para mim foi uma honra ter seu show de sedução.

Minha doce amiga Elisa, colega dos tempos de faculdade. Ela não é uma mulher fisicamente bonita, mas seu caráter á faz a mulher mais linda que já conheci. Eu a abraço e me lembro do estranho com ela e logo pergunto:

– Elisa, aquele homem sentando com você na mesa é o teu misterioso namorado?

Ela dá uma risada e me diz:

– Não querida, ele se chama Jonathan trabalha em um banco, solteiro, 34 anos lindo como você já percebeu e ficou tão interessado em você quanto você nele. (risos)

Eu fico irritada e meio gênio durão salta fora. Mas no fundo estou tão feliz por saber disto! Mesmo assim tento esconder dizendo:

– Pois Elisa, eu não me interessei, só me incomodou o fato dele estar vidrado em cada movimento do meu quadril. Eu não procuro envolvimento, quero curtir esta noite já que sou convidada da festa.

Ela dá uma risada, coloca as rosas em um vaso e me ajudando com o zíper do vestido diz:

– Eu te conheço perfeitamente Lívia sei o quanto gosta de chamar atenção, o quanto deseja todos os olhos sobre você, mas ele você sentiu mais que isto, por isto te incomodou. Vou apresentar os dois, assim logo saberei que se sumirem da festa estarão se acertando numa boa conversa (risos).

Eu olho pra ela com fúria, mas por dentro é exatamente isto que me intriga, aquele homem me olhar daquele jeito e eu me sentir tão perdida com seu olhar me seguindo.
Entramos na festa, ela anda comigo por todo o salão, me faz conhecer várias pessoas, recebo muitos elogios e meu ego vai às estrelas com todos aqueles homens me cortejando e até mesmo as mulheres.

Mas não minto que meus olhos procuram aquele estranho, bebo mais um gole da champangne, e Lívia me puxa pelo braço, então vejo-o do outro lado do salão conversando com outro homem.
Aproximamos-nos, seu olhar não sai do meu, eu tento disfarçar, mas é quase hipnótico. Ela me apresenta seu namorado Noah e finalmente aquele estranho enigmático e sedutor Jonathan.

Ele toca minha mão e um calor percorre todo meu corpo, ele se aproxima sorrindo, beijando meu rosto diz:

– Você dança maravilhosamente bem, muito linda. Prazer sou Jonathan você se chama Lívia, certo?

Eu controlo a respiração e tento controlar a sensação que ele me provocou, e respondo:

– Sim me chamo Lívia. Conhecendo a Elisa como conheço ela deve ter te contado até o número da minha carteira de identidade não é mesmo?

Ele dá uma risada e ali iniciamos uma deliciosa conversa que dura por algum tempo. Conto um pouco de mim e ele igualmente. Descobrimos tantas coisas em comum as afinidades são grandes estamos nos divertindo muito. Quebramos um pouco aquele clima tenso que existia minutos antes. Até que o garçom se aproxima e me entrega uma bebida dizendo ser oferta de um homem que está na mesa da Elisa e do Noah, logo atrás de nos dois.

Eu pego a taça de champangne e olho para o tal estranho, faço um brinde de longe para agradecer e quando olho para Jonathan sua expressão é outra. Tento retomar a conversa, mas estamos voltando para o clima inicial. Alguns minutos depois sinto alguém tocar meu ombro e dizer:

– Olá senhorita Lívia, sua dança é muito sensual, você é realmente muito mais linda de perto. Gostaria de poder dançar contigo, assim podemos nos conhecer mais um pouco.

Eu olho para o Jonathan sinto seu desconforto. Mas eu sou do tipo que adora provocar, sendo assim aceito a dança, pedindo licença a Jonathan que me olha de uma maneira que quase me fez sentar novamente, mas eu sou teimosa mesmo assim sigo para o salão.
Enquanto danço e conheço um pouco mais do meu admirador, eu procuro o olhar de Jonathan, mas não o encontro, ele não está mais sentado em nossa mesa. E neste momento não escuto mais nada do que o meu parceiro de dança diz.

Quando a música termina eu saio do salão com uma sensação estranha, começo a caminhar pelos jardins, uma tristeza toma conta de mim, escuto a música que vem de dentro do salão e começo a pensar no que pode ser esta sensação estranha que agora em invade.

Neste momento sinto alguns passos atrás de mim. Quando me viro vejo Jonathan que me pega pelo braço e diz:

– Venha, vamos sair daqui agora!

Eu pensei em dizer que não, de negar; afinal eu o conheço a poucas horas e estou assim, não é certo, é uma loucura. Mas não consigo resistir, então descemos pela parte do fundo da mansão, passamos pela piscina e alcançamos o muro alto de tijolos que separa do labirinto ao fundo do estacionamento à esquerda.

Neste momento ele me empurra contra o muro, aperta minhas coxas e de uma maneira voraz, invade minha boca, me beija e eu correspondo seus movimentos, meus braços procuram seus cabelos, suas costas. Ele está cada vez mais perto de mim, seu corpo está colado ao meu.
E nosso beijo parece não ter fim, eu sinto seu membro sob a sua calça social, dando sinais de desejo, eu estou com a calcinha molhada.

Ele sobe meu vestido e toca a renda da lingerie que está ensopada do meu líquido de prazer. Ele geme; me puxa com ele para o chão, me faz encaixar em seu colo e olhando em meus olhos diz:

– Preciso entrar dentro de ti, menina!

Aquelas palavras me despertaram um desejo contido, eu não pensei muito, era isto que eu desejava, meu corpo implorava por sentir ele dentro de mim, sendo assim eu repospondo:

– Estou pronta para os teus desejos

Ele sorri, puxa meus cabelos me morde os lábios e me beija novamente, desta vez suas mãos brincam com meus mamilos, eu gemo e rebolo em seu quadril. Ele sussurrando me diz:

– Não dá para nos contermos e ir para outro lugar pequena, temos que consumir nosso desejo agora, mas não dá para ser aqui, podemos ser vistos. Venha comigo!

Dizendo isto ele me puxa pela mão e entramos no labirinto. Eu devo estar louca entrar em um labirinto de arbustos enorme como este, eu sou péssima de memorizar, sempre perco meu carro nos grandes estacionamentos. Mas tem algo nele que me seduz, me envolve, minhas entranhas estão pulsando eu quero este homem agora dentro de mim.

Ele caminha apressado por estes arbustos em giros intermináveis até que chegamos ao centro do labirinto, vejo uma grande mesa de pedra, sob uma videira, carregada de cachos de uvas.No circulo de cada saída dos corredores do labirintos tem uma tocha de fogo que deixa o ambiente iluminado mas com um ar de mistério.

Ele se apoia na mesa e me puxa em seu corpo, segura meu rosto e beija descendo seus lábios pelo meu pescoço, ele desamarra a parte de cima do meu vestido, meus seios estão à mostra e ele os devora, chupa, suga forte, morde me fazendo gemer.

Ele me gira, me faz sentar na grande mesa e continua sua tortura nos meus mamilos, seus dedos afastam minha calcinha e me invadem as entranhas, ele começa um vai e vem descontrolado e eu urro de prazer, implorando para que ele continuasse.

Ele desce, beijando minha barriga e levantando a saia do meu vestido, sua boca encontra minha boceta. Sua língua me penetra, eu arqueio meus quadris em sua boca, ele me segura os seios, manipulando meus mamilos, eu tremo e o gozo não demora, eu gozo abundantemente em sua boca e ele sorve cada gota me fazendo rebolar ainda mais.
Quando termina ele volta, invade minha boca com seu beijo selvagem, sinto meu sabor em seus lábios, eu não aguento mais e imploro:

– Por favor, preciso de você dentro de mim.

Ele sorri me beija novamente, me apertando em seu corpo me diz:

– Eu sei minha pequena, também estou louco para entrar em ti, apenas te preparei para mim.

Dizendo isto ele se afasta tira seu membro enorme da calça, tira do bolso uma camisinha. Neste momento me faz pensar que ele já estava com tais propósitos indepentende de ser comigo ou não, mas neste momento pouco me importa, me concentro no movimento dele ao colocar a camisinha e no meu furor uterino.

Ele me faz descer da mesa, me beija deliciosamente. Sinto seu membro batendo em meu ventre. Ele diz:

-Vou sentar no banco e você se encaixa sobre mim, não quero que se machuque na mesa de pedra.

Eu obedeço rapidamente, me encaixo naquele membro enorme e inicio os movimentos dos meus quadris, como se estivesse dançando, ele geme, chupando meus seios, eu estou fora de mim, ele aperta meus quadris e intensifica os movimentos, ele está completamente dentro de mim, me preencheu por completo e em poucos minutos eu estou tremendo com seu membro atolado em mim, ele aumenta os movimentos, o sinto crescer me arregaçando por dentro, eu o abraço forte e seu gemido grotesco e suas estocadas finais consome nosso prazer, ali naquele jardim proibido, onde para nós foi o paraíso de liberdades.
Estamos ali abraçados, ofegantes, ardendo em paixão, em tesão, ele pulsa dentro de mim e eu o aperto em contrações intermináveis, E foi assim que naquele labirinto eu me encontrei perdida de desejos com ele dentro de mim.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s