Primeiros Socorros – São importantes no BDSM

primeirossocorrossocorros

Saudações SM

Nas sessões BDSM melhor estar preparados para acidentes, é fundamental pois por mais experiente que os envolvidos sejam, pode ocorrer uma fatalidade.
Por isto é importante ter uma noção do que fazer neste momento, não somente o Dominador (a) mas também a submissa (o), pois pode ocorrer a qualquer um dos dois. E o suporte do parceiro neste momento é de extrema importancia.
Manter a calma é o principal fator antes de tentar sanar o acontecido prestando os primeiros socorros.
Segue abaixo algumas dicas. Lembrando que é sempre melhor ter em mãos o numero de ambulancia, pronto-socorro. E somente proceder os primeiros socrros se tiver CERTEZA do que esta fazendo.

Primeiros Socorros
Introdução ao socorro

INTRODUÇÃO

Toda pessoa que estiver realizando o atendimento de primeiros socorros deve, antes de tudo, atentar para a sua própria segurança. O impulso de ajudar a outras pessoas não justifica a tomada de atitudes inconseqüentes, que acabem transformando-o em mais uma vítima.

A seriedade e o respeito são premissas básicas para um bom atendimento de primeiros socorros. Para tanto, evite que a vítima seja exposta desnecessariamente e mantenha o devido sigilo sobre as informações pessoais que ela lhe revele durante o atendimento.

CONTUSÃO

Lesão produzida nos tecidos por uma pancada, sem que haja rompimento da pele.

COMO SE MANIFESTA

Dor e edema (inchaço) no local.

COMO PROCEDER

Evite movimentar a região atingida e aplique compressas frias ou saco de gelo no local atingido.

Procure o médico se necessário.

Importante: uma contusão pode acarretar em hemorragia interna, fraturas ou outras lesões graves. NÃO PERCA TEMPO.

DISTENSÃO MUSCULAR

É a lesão provocada no músculo, por movimento brusco e violento.

COMO SE MANIFESTA

Dor intensa à movimentação e contratura da musculatura atingida.

COMO PROCEDER

Evite movimentar a região lesada, aplique compressas geladas ou saco de gelo no local.

Procure o médico se necessário.

CÂIMBRA

É a contração abrupta, vigorosa, involuntária e dolorosa de um músculo, podendo ocorrer no exercício ou em repouso.

COMO SE MANIFESTA

Dor e contratura no local.

COMO PROCEDER

Promova o alongamento do músculo atingido e aplique compressas quentes no local. Faça uma suave massagem no local.

Procure o médico se necessário.

LUXAÇÕES

É o deslocamento da extremidade de um osso em sua articulação.

COMO SE MANIFESTA

Dor VIOLENTA, deformação local, edema, hiperemia e impossibilidade de movimentação.

COMO PROCEDER

Mantenha a vítima em repouso e evite movimentar a região lesada.

Imobilize o local usando tábua, papelão, jornal ou revistas dobradas, travesseiro, manta e tiras de pano. Proteja a região lesada usando algodão ou pano, afim de evitar danos à pele.

Faça a imobilização de modo que o aparelho atinja as duas articulações próximas à lesão

Amarre as talas com ataduras ou tiras de pano com firmeza, SEM APERTAR, em 4 pontos:

ACIMA e ABAIXO DO LOCAL DA REGIÃO LESADA.
ACIMA e ABAIXO das articulações próximas à região lesada.
Remova a vítima para o hospital mais próximo, após a imobilização.

Importante: Não tente colocar o osso no lugar.

ENTORSES

É a separação MOMENTÂNEA das superfícies ósseas na articulação.

COMO SE MANIFESTA

Dor intensa à movimentação e edema (inchaço) local.

COMO PROCEDER

Evite movimentar a região atingida e aplique compressas geladas ou saco de gelo no local lesado, até posterior orientação médica.

Imobilize o local usando tábua, papelão, jornal ou revistas dobradas, travesseiro, manta e tiras de pano. Proteja a região lesada usando algodão ou pano, afim de evitar danos à pele

Faça a imobilização de modo que o aparelho atinja as duas articulações próximas à fratura

Amarre as talas com ataduras ou tiras de pano com firmeza, SEM APERTAR, em 4 pontos:

ACIMA e ABAIXO DO LOCAL DA LESÃO.
ACIMA e ABAIXO das articulações próximas à região lesão.
Remova a vítima para o hospital mais próximo, após a imobilização

Importante: Não use compressas quentes nas primeiras 24 horas.
Não faça fricção nem procure “esticar” a região lesada.
O entorse é um traumatismo que sempre exige orientação médica.

FRATURAS

É a ruptura do osso. O PRIMEIRO SOCORRO consiste em impedir o deslocamento das partes quebradas, evitando assim o agravamento da lesão.

AS FRATURAS PODEM SER

Fechadas – quando o osso quebrado não perfura a pele.
Exposta – quando o osso quebrado rompe a pele.
COMO SE MANIFESTA

Dor e edema (inchaço) local, Dificuldade ou incapacidade de movimentação, Posição anormal da região atingida. Há uma sensação de atrito das partes ósseas no local da fratura, em fratura expostas há a rotura da pele com exposição do osso fraturado.

COMO PROCEDER

Fratura Fechada

Mantenha a vítima em repouso, evite movimentar a região atingida e o estado de choque. Aplique compressas geladas ou saco de gelo no local lesado, até posterior orientação médica. Imobilize o local usando tábua, papelão, jornal ou revistas dobradas, travesseiro, manta e tiras de pano.

Proteja a região lesada usando algodão ou pano, afim de evitar danos à pele, faça a imobilização de modo que o aparelho atinja as duas articulações próximas à fratura.

Amarre as talas com ataduras ou tiras de pano com firmeza, SEM APERTAR, em 4 pontos:

ACIMA e ABAIXO DO LOCAL DA LESÃO.
ACIMA e ABAIXO das articulações próximas à região lesão.
Remova a vítima para o hospital mais próximo, após a imobilização

IMPORTANTE: Não tente reduzir a fratura (colocar o osso quebrado no lugar)

Fratura Exposta

Mantenha a vítima em repouso, evite movimentar a região atingida. Estanque a HEMORRAGIA e faça um curativo protetor sobre o ferimento, usando compressas, lenço ou pano limpo.

Evite o estado de choque, aplique compressas geladas ou saco de gelo no local lesado, até posterior orientação médica.

Imobilize o local usando tábua, papelão, jornal ou revistas dobradas, travesseiro, manta e tiras de pano. Remova a vítima para o hospital mais próximo, após a imobilização.

IMPORTANTE: Não tente reduzir a fratura (colocar o osso quebrado no lugar).

FRATURA DE CLAVÍCULA

COMO SE MANIFESTA

Dor intensa no local da fratura e o acidentado não consegue movimentar o braço do lado afetado e sustento com o outro braço na altura do cotovelo para diminuir a dor.

COMO PROCEDER

Mantenha a vítima em repouso.
Evite movimentar a região atingida.
Coloque um chumaço de algodão ou pano dobrado entre o braço lesado e o tórax (região axilar).
Fixe o braço de encontro ao tórax, usando duas faixas de pano.
Ampare o antebraço com uma tipóia (lenço triangular ou tira).
PROCURE UM MÉDICO.
FRATURA DE BRAÇO (úmero)

COMO PROCEDER

Mantenha a vítima em repouso
Evite movimentar a região atingida
Coloque um chumaço de algodão ou pano dobrado entre o braço lesado e o tórax (região axilar)
Proteja o face externa do braço com uma tala, do ombro ao cotovelo
Fixe o braço assim protegido de encontro ao tórax, usando duas faixas de pano
Ampare o antebraço com uma tipóia (lenço triangular ou tira)
PROCURE UM MÉDICO

FRATURA DE ANTEBRAÇO (rádio e ou ulna)

COMO PROCEDER

Mantenha a vítima em repouso.
Evite movimentar a região atingida.
Dobre o antebraço, mantendo o polegar voltado para cima.
Proteja a região a ser imobilizada com algodão ou pano limpo.
Coloque duas talas nas faces interna e externa do antebraço, ULTRAPASSANDO o cotovelo e os dedos.
Ampare o antebraço com uma tipóia (lenço triangular ou tira).
PROCURE UM MÉDICO.

FRATURA DE PUNHO

COMO PROCEDER

Mantenha a vítima em repouso.
Evite movimentar a região atingida.
Dobre o antebraço, mantendo o polegar voltado para cima.
Proteja a região a ser imobilizada com algodão ou pano limpo.
Coloque duas talas nas faces interna e externa do antebraço, ULTRAPASSANDO o cotovelo e os dedos.
Ampare o antebraço com uma tipóia (lenço triangular ou tira).
PROCURE UM MÉDICO.

FRATURA DE COXA (fêmur)

COMO SE MANIFESTA

Dor intensa agravada pela movimentação.
Dificuldade ou incapacidade de movimentação.
Posição anormal da região atingida, podendo ocorrer a rotação do pé.
COMO PROCEDER

Mantenha a vítima em repouso e em decúbito dorsal (deitada de costa).
Proteja todo o membro com um pano ou algodão.
Imobilize o membro fraturado na posição ENCONTRADA.
Coloque duas talas, uma ao longo de toda a face externa, do tornozelo até a axila (na falta de uma tala use cabo de vassoura, guarda-chuva, ripa ou tábua) e a outra na face interna, do tornozelo a virilha.
PROCURE UM MÉDICO.

FRATURA DE PATELA

COMO PROCEDER

Mantenha a vítima em repouso e em decúbito dorsal (deitada de costa).
Proteja todo o membro com um pano ou algodão, preenchendo o vão do joelho para firmar a articulação.
Coloque uma tala na face posterior (atrás) da perna, do calcanhar até à parte superior da coxa (na falta da tala use ripa ou tábua).
PROCURE UM MÉDICO.

FRATURA DE PERNA (tíbia e fíbula)

COMO SE MANIFESTA

Dor intensa agravada pela movimentação.
Edema (inchaço) local.
Deformação ou não ao nível da lesão.
COMO PROCEDER

Mantenha a vítima em repouso e em decúbito dorsal (deitada de costa).
Proteja todo a perna com um pano ou algodão.
Imobilize a região fraturada na posição ENCONTRADA.
Coloque duas talas nas faces internas e externas da perna, ULTRAPASSANDO o joelho e o pé (na falta de talas use cabo de vassoura, guarda-chuva, ripa ou tábua).
PROCURE UM MÉDICO.

FRATURA DE TORNOZELO

COMO PROCEDER

Imobilize como se fosse fratura de perna.

FRATURA DO PÉ

COMO PROCEDER

Remova (se possível) cuidadosamente o calçado da vítima.
Proteja a região atingida, até o meio da perna, com pano ou algodão.
Imobilize o pé e parte da perna, utilizando o próprio sapato, revista, tábua ou travesseiro.
PROCURE UM MÉDICO.

FRATURA DE CRÂNIO (cabeça)

COMO SE MANIFESTA

Perda de sangue pelas narinas ou ouvidos.
Inconsciência ou não.
Náuseas e vômitos podem surgir imediatamente ou horas após o acidente.

COMO PROCEDER

Mantenha a vítima em repouso e recostada.
Aplique compressas geladas ou sacos de gelo na região atingida.
Estanque a HEMORRAGIA.
Evite o ESTADO DE CHOQUE.
Inicie a respiração de socorro boca-a-boca, em caso de parada respiratória.
Execute a massagem cardíaca externa, associada a respiração de socorro boca-a-boca, se a vítima apresentar ausência de pulso e pupilas dilatadas.
Envolva o pescoço da vítima com pano até oferecer apoio à cabeça e coloque lateralmente travesseiros ou almofadas, a fim de impedir movimentos para os lados.
Remova IMEDIATAMENTE a vítima para o hospital mais próximo.
IMPORTANTE: Toda a vítima com traumatismo de crânio NECESSITA de assistência médica IMEDIATA. NÃO PERCA TEMPO.

Fratura de Coluna Vertebral (espinha)

COMO SE MANIFESTA

Dor local após forte traumatismo.
Dormência nos membros.

COMO PROCEDER

Mantenha a vítima em REPOUSO ABSOLUTO.
Evite o ESTADO DE CHOQUE.
Utilize uma SUPERFÍCIE DURA, maca, tábua, porta, etc., para o transporte do acidentado.
Solicite ajuda de pelo menos cinco (05) pessoas, totalizando com você seis (06) pessoas, para transferir o acidentado, do local onde foi encontrado, para a maca.
Movimente o acidentado COMO UM BLOCO, isto é, desloque todo o corpo ao mesmo tempo, evitando mexer separadamente a cabeça, o pescoço, o tronco, os braços e as pernas.
Imobilize o acidentado em decúbito dorsal (deitado de costa) ou em decúbito ventral (deitado de barriga para baixo), preenchendo as curvaturas do corpo com panos dobrados, afim de evitar a movimentação da coluna.
Evite paradas bruscas do veículo, durante o transporte.
SOLICITE, sempre que possível, a ASSISTÊNCIA DE UM MÉDICO na REMOÇÃO da vítima.
IMPORTANTE: A movimentação inadequada poderá causar ao acidentado DANOS

IRREPARÁVEIS (lesão Medular).

Fratura de Costela

COMO SE MANIFESTA

Dor local agravado com os movimentos respiratórios.

COMO PROCEDER

Mantenha a vítima em repouso em posição confortável.
PROCURE UM MÉDICO.

Fratura de Pelve (bacia)

COMO SE MANIFESTA

Dor local após forte traumatismo, que se agrava com a movimentação.

COMO PROCEDER

Mantenha a vítima em REPOUSO ABSOLUTO e em decúbito dorsal.
Utilize uma SUPERFÍCIE DURA, maca, tábua, porta etc., para o transporte do acidentado.
Solicite a ajuda de pelo menos cinco (05) pessoas para transferir o acidentado, do local em que foi encontrado, para a maca.
Movimente o acidentado COMO UM BLOCO, isto é, desloque todo o corpo ao mesmo tempo, evitando mexer separadamente a cabeça, o pescoço, o tronco, os braços e as pernas.
Proteja lateralmente a bacia, usando travesseiros, almofadas ou cobertores dobrados.
Coloque entre as pernas um pano dobrado (um paletó, por exemplo).
Imobilize a bacia com faixa de pano bem larga ou lençol, fixando o acidentado à maca.
Amarre com uma faixa de pano o tórax, os joelhos e tornozelos, para maior firmeza na imobilização.
Evite o ESTADO DE CHOQUE.
Remova IMEDIATAMENTE a vítima para o hospital mais próximo.
IMPORTANTE: A fratura de pelve pode ocasionar perfuração de órgãos internos, hemorragia e conseqüentemente estado de choque. EVITE A MOVIMENTAÇÃO DESNECESSÁRIA DO ACIDENTADO.

HEMORRAGIA EXTERNA

COMO PROCEDER

Mantenha a região que sangra em posição mais elevada que o resto do corpo. Use uma compressa ou um pano limpo sobre o ferimento, pressionando-o com firmeza, a fim de estancar o sangramento. Comprima com os dedos ou com a mão os PONTOS DE PRESSÃO, onde os vasos são mais superficiais, caso continue o sangramento

Dobre o joelho – se o ferimento for na perna; o cotovelo – se no antebraço, tendo o cuidado de colocar POR DENTRO da parte dobrada, bem junto da articulação, um chumaço de pano, algodão ou papel.

Aplique o TORNIQUETE somente em casos de hemorragia grave, que não “possa” ser dominada por outros meios – braço ou perna amputados, esmagados ou dilacerados.

Para fazer o torniquete proceda do seguinte modo:

Use uma tira de pano resistente e largo, um lenço, fralda, gravata etc., para fazer o torniquete.
Coloque um rolo de pano no provável trajeto do vaso que sangra.
Passe a tira ao redor do braço ou da perna (duas vezes), logo acima do ferimento, prendendo o rolo de pano.
Dê um meio nó (como o primeiro nó da amarração do tênis), coloque um pedaço pequeno de madeira no meio do nó (lápis por exemplo) e dê um nó completo sobre a madeira. Torça o pedaço de madeira até parar a hemorragia, quando parar fixe o pedaço de madeira.
Marque na testa da vítima ou em lugar visível, a hora e os minutos da aplicação do torniquete.
Mantenha o torniquete a descoberto e em observação.
Desaperte gradualmente a cada 10 ou 15 minutos.
Conserve-o frouxo no lugar, quando cessada a hemorragia.
Aperte-o novamente, se necessário.
IMPORTANTE: Não use arame, corda, barbante ou material muito fino para fazer o torniquete.

Evite o ESTADO DE CHOQUE.

Remova IMEDIATAMENTE a vítima para o hospital mais próximo.

TIPOS DE ESTADO DE CHOQUE:

Choque Cardiogênico:

Incapacidade do coração de bombear sangue para o resto do corpo. Possui as seguintes causas: infarto agudo do miocárdio, arritmias, cardiopatias;

Choque Neurogênico:

Dilatação dos vasos sangüíneos em função de uma lesão medular. Geralmente é provocado por traumatismos que afetam a coluna cervical;

Choque Séptico:

Ocorre devido a incapacidade do organismo em reagir a uma infecção provocada por bactérias ou vírus que penetram na corrente sangüínea liberando grande quantidade de toxinas;

Choque Hipovolêmico:

Diminuição do volume sangüíneo. Possui as seguintes causas:

Perdas sangüíneas – hemorragias internas e externas.
Perdas de plasma – queimaduras e peritonites.
Perdas de fluídos e eletrólitos – vômitos e diarréias.

Choque Anafilático:

Decorrente de severa reação alérgica. Ocorre as seguintes reações:

Pele: urticária, edema e cianose dos lábios;
Sistema respiratório: dificuldade de respirar e edema da árvore respiratória;
Sistema circulatório: dilatação dos vasos sangüíneos, queda da pressão arterial, pulso fino e fraco, palidez.

COMO SE MANIFESTA

A pele fica fria e pegajosa, aumenta a sudorese (transpiração abundante) na testa e nas palmas das mãos, a face fica pálida com expressão de sofrimento. A pessoa tem uma sensação de frio, chegando às vezes a ter tremores.

A pessoa pode sentir náuseas e vômitos, a ventilação fica curta, rápida e irregular. Perturbação visual com dilatação da pupila, perda do brilho dos olhos, o pulso fica fraco e rápido e a pessoa pode ficar parcialmente ou totalmente inconsciente.

COMO PROCEDER

Realize uma rápida inspeção na vítima, combata, evite ou contorne a causa do estado de choque, se possível. Mantenha a vítima deitada e em repouso, controle toda e qualquer hemorragia externa, verifique se as vias aéreas estão permeáveis, retire da boca, se necessário secreção, dentadura ou qualquer outro objeto.

Execute a massagem cardíaca externa associada à respiração de socorro boca-a-boca, se a vítima apresentar ausência de pulso, dilatação das pupilas e parada respiratória.

Afrouxe a vestimenta da vítima, vire a cabeça da vítima para o lado caso ocorra vômito.

Eleve os membros inferiores cerca de 30 cm, exceto nos casos de choque cardiogênicos (infarto agudo do miocárdio, arritmias e cardiopatias) pela dificuldade de trabalho do coração. Procure aquecer a vítima.

Remova IMEDIATAMENTE a vítima para o hospital mais próximo.

Mais informacoes no link: http://www.saudeemmovimento.com.br/conteudos/conteudo_frame.asp?cod_noticia=1125

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s