Pular para o conteúdo

Violência no relacionamento

Vou começar com esta introdução sobre Elza Soares, que sofria agressão do ex marido Garrincha.

Elza Soares consequência de um patriarcado

Quando tinha 12 anos de idade, o pai de Elza a obrigou a se casar com Lourdes Antônio Soares. Dessa relação nasceu, no ano a seguir, João Carlos, que veio a falecer em decorrência de uma doença. 

Com apenas 15 anos, Elza perdeu o seu segundo filho, que também veio a falecer. O casamento foi abruptamente interrompido com a morte do marido, deixando a cantora viúva aos 21 anos. 

Aos 27 anos, já era mãe de cinco crianças (quatro meninos e uma menina). 

A cantora conheceu Garrincha, que veio a ser seu parceiro de longa data, durante a Copa do Mundo no Chile, onde se apresentou representando o Brasil.

A relação com o famoso jogador de futebol começou de forma clandestina porque Garrincha era casado. Durante muito tempo, a então recém-cantora foi perseguida, acusada de ter sido a amante que deu fim ao matrimônio do ídolo.

Depois de algum tempo, Garrincha se divorciou e casou-se com Elza, com quem teve um filho e manteve uma relação por mais de dezessete anos. O filho, Júnior, faleceu em um acidente de carro em 1986.

Depois da aposentadoria dos campos, o atleta tornou-se alcoólatra e passou a agredir fisicamente Elza, que apesar de em uma ocasião ter chegado a ficar com dentes quebrados, não denunciou o caso. Dessa experiência de violência doméstica, muitos anos mais tarde, surgiu a canção Maria da Vila Matilde, onde a cantora afirma:

“cê vai se arrepender de levantar a mão pra mim”

Elza Soares – Maria da Vila Matilde

“A culpa da violência contra a mulher é da sociedade machista em que vivemos e da falta de leis mais severas para esses tipos de crime. Mas não podemos deixar de citar os comportamentos inadequados de ambos os sexos que incitam essa prática de crime. Essas condutas inadequadas são frutos da ausência de uma boa formação familiar, educacional e social.”Herbert Alexandre Galdino Pereira

Hoje eu não vou falar sobre sexualidade. Vim falar de amor e de proteção a si mesma.

Afinal para viver sua sexualidade você têm que estar liberta, e não digo que você tenha que estar sozinha para isto. E sim, que você esteja dentro de um relacionamento saudável, onde o seu parceiro seja seu companheiro, que caminhe ao lado, que te apoie.

Eu não vou criar um texto estruturado, pois aqui se faz necessário falar como uma sua amiga próxima. É um argumento delicado e muitas vezes doloroso mas impossível de ignorar.

Eu nem vou falar da lei de proteção das mulheres, não vou falar do que muitas sofrem mesmo depois de denunciar seus algozes, mas sim, venho enfatizar que mesmo não denunciando-o não te protege contra as agressões que podem chegar a ser fatais. Lute “apesar de”, lute!

A violência em um relacionamento seja ele qual for, não deve existir. O respeito deve ser a base para tudo na vida e não é diferente dentro de uma relação amorosa.

Se quem você se relaciona, te agride física ou mentalmente, pode ter certeza que não existe amor. Não aceite desculpas! Não aceite flores acompanhadas de declaração enquanto você ainda está com olho roxo, busque ajuda! Independente de onde quer que você esteja. A culpa não é sua! Agressão não é aceitável.

No mundo as estatísticas de violência contra mulher é crescente. No Brasil uma mulher agredida leva de 3 a 5 anos para denunciar o companheiro. E dentre os medos que as impedem de denunciá-los é justamente não saber onde estará o companheiro depois da separação, medo dele se vingar.

Muitas não são autônomas ou seja não se sentem capaz de viver sozinhas, mesmo possuindo condições financeiras para isto, falta autostima .

Autoestima esta que muitas vezes foi destruida pelo próprio companheiro.

O relacionamento abusivo é muito prejudicial e às vezes até fatal. Não, você não fará bem em continuar o relacionamento porque os filhos frutos desta relação precisam de um pai.

Eles precisam de um ambiente saudável para crescer e desenvolver.

E normalmente o agressor não vai chegar te agredindo no primeiro encontro. Ele muitas vezes vai te tratar muito bem, ele vai tentar te agradar. Mas logo depois vai começar a te proibir de fazer o que você gosta, proibir algumas ou todas amizades, vai impedir ou criticar suas conquistas profissionais. Vai te criticar por suas roupas, por suas maquiagens, por fim, até pela maneira como você respira.

E para ele isto não é algo abusivo, para ele é excesso de amor, de cuidado. Afinal ele te ama tanto, que te quer como uma boneca, que ele decide tudo por você.

Muitas vezes após uma agressão, ele vai dizer que te ama demais, vai pedir perdão, vai te cobrir de presentes e atenção.

Mas saiba que isto é o início de um ciclo que precisa ser quebrado. Ou ele vai se repetir de contínuo e quem sofrerá é você e sua família. Família está que ele também tentará afastar da sua vida.

Vou deixar uma indicação de série para você assistir e ter uma idéia de como pode ser perigoso viver em uma relação assim. A série da Netflix Bom dia Verônica é bem válida . Trailler abaixo

Outro video que deixo aqui para vocês é o da entrevista realizada pela Youtubber Dani Boggione (o canal dela é super válido apesar de abordar mais as relações Interculturais entre Brasil e oriente médio) com a Delegada de Polícia Renata Cruppi; Coordenadora do Núcleo Especial Criminal de Diadema. Idealizadora e Coordenadora do programa “Homem sim, consciente também”.

Este video é fundamental para que você entenda o quão grave é o ciclo da violência contra a mulher.

Vou deixar aqui abaixo números de vários lugares do Brasil e do mundo onde você pode pedir ajuda se estiver ou conhecer alguém nesta situação de violência.

Além do número de telefone 180, é possível realizar denúncias de violência contra a mulher pelo aplicativo Direitos Humanos Brasil e na página da Ouvidoria Nacional de Diretos Humanos (ONDH) do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH), responsável pelo serviço. No site está disponível o atendimento por chat e com acessibilidade para a Língua Brasileira de Sinais (Libras).

Também é possível receber atendimento pelo Telegram. Basta acessar o aplicativo, digitar na busca “DireitosHumanosBrasil” e mandar mensagem para a equipe da Central de Atendimento à Mulher – Ligue 180.

Baixe o aplicativo:

Só é possível buscar o serviço no Brasil?

É possível fazer a ligação de qualquer lugar do Brasil e de mais 16 países no exterior. 

Telefones em outros países:

Argentina – ligar para 0800 999 5500, discar 1 e informar o número 61 3799-0180.

Bélgica – ligar para 0800 10055, discar 1 e informar o número 61 3799-0180.

Espanha – ligar para 900 990 055, discar 1 e informar o número 61 3799-0180.

Estados Unidos – São Francisco – ligar para 1800 745 5521, discar 1 e informar o número 61 3799-0180.

França – ligar para 0800 999 5500, discar 1 e informar o número 61 3799-0180.

Guiana Francesa – ligar para 0800 99 5500, discar 1 e informar o número 61 3799-0180.

Holanda – ligar para 0800 022 0655, discar 1 e informar o número 61 3799-0180.

Inglaterra – ligar para 0800 89 0055, discar 1 e informar o número 61 3799-0180.

Itália – ligar para 0800 172 211, discar 1 e informar o número 61 3799-0180.

Luxemburgo – ligar para 0800 2 0055, discar 1 e informar o número 61 3799-0180.

Noruega – ligar para 8001 9550, discar 1 e informar o número 61 3799-0180.

Paraguai – ligar para 0085 5800, discar 1 e informar o número 61 3799-0180.

Portugal – ligar para 800 800 550, discar 1 e informar o número 61 3799-0180.

Suíça – ligar para 0800 55 5251, discar 1 e informar o número 61 3799-0180.

Uruguai – ligar para 000 455, discar 1 e informar o número 61 3799-0180.

Venezuela – ligar para 0800 100 1550, discar 1 e informar o número 61 3799-0180.

Se você mora em outro país e precisa denunciar, vou deixar alguns números de órgãos competentes dos próprios países.

Suíça

Lúcia Amélia Prevenção Madalena’s – ONG sediada em Biel, focada na prevenção contra a exploração sexual e o tráfico de seres humanos.

http://www.luciaameliamadalenas.com

Cel +41 (0)76 454 87 85

Projeto Resgate – Associação fundada em 2007  com o objetivo de auxiliar vítimas de tráfico humano, principalmente mulheres na prostituição, retornando-as e reintegrando-as em seu país de origem.

http://www.projektresgate.ch

info@projektresgate.ch

Tel +41 (0)44 251 68 50

Meditrina – Fundada em 2006 pelos Médicos sem Fronteiras, a Meditrina é um Posto de Saúde voltado às pessoas sem documentos, e atende também às pessoas que tem pouco ou nenhum acesso ao sistema de saúde. Desde de 2010 o atendimento passou a ser feito pela Cruz Vermelha Suíça do cantão de Zurique.

https://www.srk-zuerich.ch/medizinische-anlaufstelle-sans-papiers

SRK Cantão de Zurique

Meditrina

Kronenstrasse 10

8006 Zurique

Suíça

Tel 044 360 28 72

Centro para mulheres estrangeiras em Zurique

Tel 0444369000

http://www.fiz-info.ch

Flora Dora

Zurique

Bus am Shihlquai 133

(Bel der Kornhausbrucke)

8005 zurique

Tel 0792480335

Primis Ticino

Primis através de mediadores e intérpretes interculturais é uma instituição destinada a pessoas que se prostituem, oferecendo aconselhamento social e de saúde e coordenando a Rede de Ajuda.

Mas elas ajudam TODAS as estrangeiras, independente do que fazem aqui na Suíça. Ajudam com atendimento médico, jurídico e até o retorno ao país de origem caso necessitem.

Tel 091 923 80 40

Cel +41 795473303

Consulado-Geral do Brasil em Genebra

Rue de Lausanne 45, 1201 Genève

Tel 022 906 94 20

http://genebra.itamaraty.gov.br/pt-br/

Brazilian Consulate General

Consulado Brasil em Zurique

Stampfenbachstrasse 138, 8006 Zürich

Tel 044 206 90 20

http://zurique.itamaraty.gov.br/pt-br/

EUA

EUA – 1. National Resource Center on Domestic Violence

Voice 1 800 537-2238 | TTY 1 800 553-2508

2. YWCA eliminating racism empowering women

1-800-799-SAFE (7233)

1-800-787-3224 (TTY)

3. National Domestic Violence Hotline

1-800-799-SAFE (1-800-799-7233)

1-800-787-3224 (TTY)

4. National Sexual Assault Hotline of the Rape, Abuse and Incest National Network (RAINN)

1-800-656-HOPE (1-800-656-4673)

5. National Center for Missing and Exploited Children

1-800-THE-LOST (1-800-843-5678)

6. The National Center for Victims of Crime

1-800-FYI-CALL (1-800-394-2255)

1-800-211-7996 (TTY)

Lisboa Portugal

CONSULADO-GERAL DO BRASIL EM LISBOA

Rua António Maria Cardoso, nº 39 – Chiado

1200-026 – Lisboa

Telefone: 211 358 587

e-mail: cg.lisboa@itamaraty.gov.br

Plantão: 96 252 0581 (para casos de comprovada urgência)

SERVIÇOS DE ACONSELHAMENTO E APOIO

Mulheres Vitimas de Violências 800 202 148

SOS – Mulher 239 832 073

SOS – Grávida 213 952 143

SOS – Criança 217 931 617

Criança Maltratada 213 433 333

Recados da Criança 800 206 656

Centro SOS – Voz Amiga 800 202 669

Famílias Anónimas 214 538 709

APAV – Ass. Port. Apoio à Vitima 218 884 732

Espaço T – Ass. Apoio à Integração 228 306 651

Telefone SOS Palavra Amiga 232-42 42 82

Telefone SOS Telefone Amigo 239-72 10 10

Budapest

EMBAIXADA BRASILEIRA EM BUDAPEST (HUNGRIA)

Atendimento ao público

– Seg a Sex: 9:00 às 12:30

– Quartas: 9:00 às 12:30 e 15:00 às 16:30

* Para horário especial e outros serviços, entre em contato por telefone +36 (1) 351-0060~62

Budapest, Szabadság tér 7, 1054

Londres

LONDRES – AMBE – Apoio à Mulher Brasileira no Exterior: organização não governamental sem fins lucrativos que trabalha para proporcionar apoio, proteção e coordenação da prestação de serviços para mulheres brasileiras que vivem no Reino Unido. Oferece auxílio gratuito com atendimento em português a brasileiras em situação de vulnerabilidade. Pode ser contatada pelo site http://www.ambe.org.uk ou, em casos emergenciais, pelo telefone 079 0591 9507.

Latin American Women’s Rights Service (LAWRS): organização não governamental que oferece assistência a mulheres latino-americanas no Reino Unido em condição de vulnerabilidade. Os atendimentos são realizados em português e espanhol. Entre os serviços oferecidos estão: aconselhamento, terapia psicossocial e auxílio à procura de emprego. O contato deve ser feito de segunda a sexta-feira, entre 10h e 13h e entre 14h e 18h, por telefone (0207 3360 888, 0844 2640 682) ou pelo site http://www.lawrs.org.uk.

Latin American Women’s Aid (LAWA): organização não governamental que oferece assistência a mulheres latino-americanas no Reino Unido em condição de vulnerabilidade. Os atendimentos são realizados em português e espanhol. Entre os serviços oferecidos estão: aconselhamento e abrigo provisório. O contato deve ser feito de segunda a sexta-feira, entre 9h30 e 13h e entre 14h e 17h30, por telefone (02072750321), mensagens eletrônicas (0753 4424826 ou 0746 219 1700), e-mail (info@lawadv.org.uk) ou pelo site lawadv.org.uk/pb.

National LGBT Domestic Abuse Helpline: organização não governamental que oferece assistência a LGBTs no Reino Unido em condição de vulnerabilidade. Os atendimentos são realizados em inglês. Pode ser contatada por telefone (0800 9995 428) ou por meio e-mail (help@galop.org.uk).

Victim Support: organização não governamental que oferece assistência gratuita a vítimas de crimes no Reino Unido. Os atendimentos são realizados em inglês e espanhol. Para mais informações, clique aqui.

NSPCC Helpline: organização não governamental que oferece assistência a menores. Pode ser contatada por telefone (0808 8005 000) ou por e-mail (help@nspcc.org.uk).

Pessoas com dificuldades auditivas podem ligar para o número 1800 1101 para obter auxílio.

Espanha

( 016 )e nao fica gravado na conta telefonica

Milão Itália

Numero emergência consulado brasileiro em Milão ( também WhatsApp )

tel: tel:+39 3357278117

Peça ajuda, antes que seja tarde.

Um grande abraço Afrodite

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: