Pular para o conteúdo

Diable 9

Perfeita

Estamos nos acalmando, a água é deliciosa, perfumada, os jatos fazem a pressão em nossos corpos. Eu estou no colo de Vincenzo e minha cabeça está apoiada em seu peitoral. Ele alisa vagarosamente minhas costas. Eu já estava quase dormindo assim, até ele quebrar o silêncio.

_ Eu percebi que ficar com você, fazer o acordo somente de sexo, seria perigoso, eu sabia que não resistiria.

Eu levanto meu rosto para olhar seus olhos. Ele está bem sério.

_ Você se arrependeu?

Ele procura meu olhar.

_ Sim. Me arrependo…

Eu me assusto e tento me afastar e ele me mantêm presa em seu colo, enquanto continua.

_ …me arrependo de ter perdido tanto tempo enganando a mim. Não estou dizendo que já era amor, mas todo nosso flerte de adolescente já era um sinal que devíamos ficar juntos. Depois alguns anos atrás, quando começamos a sair com mais frequência com nossa turma de amigos, ali eu já estava perdido. Me amaldiçoava pelo medo de compromisso e morria um pouco mais ao saber dos seus flertes com outros caras. Eu precisava agir…

Ele faz uma pausa. Eu fico tentada a interromper com o que penso, mas entendo que ele precisa falar. Então me limito a alisar seu rosto.

_ Eu sempre gostei de sexo, a depravação e luxúria me ajudavam a não me envolver, não entregar meu coração. Mas quando começamos a sair a nos divertir com nossos amigos eu comecei a sentir algo muito forte por você. A atração sempre foi existente e você sabe, eu podia sentir o cheiro da sua excitação cada vez que eu te tocava casualmente, que eu te beijava o rosto como seu amigo. Deus Sabrina eu estou apaixonado, mais que isto eu estou te amando. E agora descobrir que aqui dentro de você está crescendo um filho meu… Céus…

Ele acaricia meu ventre com um sorriso nervoso. Eu me aproximo e deposito um beijo casto em seus lábios. Ele afunda seu rosto no meu pescoço e respira profundamente. E então continua.

_ Obrigada por me deixar desabafar Sabrina. Eu quero que você saiba que estará segura comigo. Vou cuidar de você e do bebê mesmo que você não queira ficar comigo.

Eu me afasto para olhar novamente em seus olhos.

_ Eu que te agradeço por falar o que sente. Eu também me sinto assim, foi medo, medo de perder o amigo, o amante. E nossas relações passadas deixaram marcas, mas também aprendizados. Você me conhece tão bem e eu a você amor. E’ novo para mim ter você assim tão romântico, tão doce, tão carinhoso. Me dá medo do futuro, sobre nós, sobre meu trabalho, sobre meus estudos. E mais ainda, cuidar de um bebê.

_Sabrina, vai ficar tudo bem. Vamos conseguir. Eu vou te apoiar no que for preciso, você terá tempo para estudar, para trabalhar fazer tudo o que você quiser. E eu vou ajudar a cuidar do bebê, não era o que esperávamos, mas era para ser, então tente não ter medo…

Com lágrimas nos olhos confesso.

_Meu maior medo é perder você, Vincenzo. Você sempre foi libertino, sempre gostou de ir nestas baladas ousadas…

Ele leva o dedo indicador em meus lábios.

_Minha querida, quem está assustado em perder aqui, sou eu. Quanto a libertinagem, ao sexo arrebatador, foi sempre você. Você não consegue mesmo ver? Você não se sentia segura para assumir um relacionamento, nem eu, você apreciava o extremo e isto me atraia como um imã. E nada nos impede de o fazer depois, se assim quisermos. Sabrina, você não vai me perder, porque eu não vou a lugar algum. Quero ser teu amante, o teu homem apaixonado, o pai atencioso do seu bebê e se você assim o permitir, o teu marido.

Ele limpa minhas lágrimas, enquanto entre soluços confesso.

_ Daqui uns meses estarei enorme com o bebe na minha barriga, serei uma bagunça de hormônios, logo depois chegará o bebê, as responsabilidades, os estudos, viver com você…

_ Respira, respira. Primeiro você vai ficar linda com o barriga enorme carregando nosso bebê, eu vou cuidar de você como disse, seja quando você estiver chorando, enjoada, frustrada, com fome, entendo não somente de comida._  ele sorri provocativo e continua. 

_ Vou apoiar você, vou te satisfazer, eu estou bem aqui Sabrina e não vou te abandonar.

Sorrindo entre as lágrimas eu afirmo.

_ Você está me tratando como porcelana agora no início da gravidez, duvido que vá satisfazer seus desejos mais insanos comigo nos próximos meses…

Ele sorri e um fogo se acende nos seus lindos olhos.

_ Quer dizer que na verdade sua preocupação é que eu não te possua da maneira como sempre fiz? Ah! Minha Doce Sabrina, eu quero tudo e te darei tudo. Estou apenas me adaptando a nossa nova situação, mas acredite, vou aproveitar sua fase gravida e faremos mil novas posições e realizaremos tantas fantasias minha pequena diabinha.

Dizendo isto ele desliza seus lábios em meu pescoço, lentamente mordendo, sugando. Eu ofego em seu ouvido, ele sorri.

_ você é insaciável Sabrina. Amo isto, mas temos que sair desta banheira e decidirmos o que faremos hoje a noite. você ainda quer ir para sua casa?

_ Sim, quero ir para a minha casa, até me acostumar. Mas você pode vir comigo e ficar lá se assim o desejar, mesmo eu achando exagero, eu estou bem. E além do mais sua casa com certeza vai precisar de algum tempo para que esteja pronta para vivermos dentro. Sua mudança chega amanhã, mas você com certeza terá ainda ajustes para fazer. Outra coisa …

Me ajudando a sair da banheira ele fala:

_O que você quiser.

_ Nosso acordo, contrato seja lá como você queira chamar Vincezo, acaba aqui…

Ele assustado ergue uma de suas sobrancelhas curioso.

_Se é para tentarmos algo juntos, não vou aceitar você com outra.

Ele solta um suspiro.

_ Sabrina, já faz mais de 1 ano que estou somente com você. E durante as raras vezes no início do nosso trato em que eu fiquei com alguém foi sexo casual de uma noite, tentativas frustradas para tentar matar meu sentimento por você. Seu pedido vale para você, não quero outro homem se engraçando para cima de você. Não sou teu marido oficialmente falando, mas não quero mais pensar na ideia de ter que aceitar que você não seja minha. Ao menos não quando estivermos tentando algo sob o mesmo teto.

Ainda surpresa por sua revelação, eu o acalmo.

_ Não haverá outros. Somente você. E eu também não fico com outro já faz mais de 1 ano…

Falando isto, eu penso, como ele realmente confia em mim. Afinal, este bebê poderia ser de outro visto que nosso trato era não se envolver e nada de exclusividade. Mas fomos mais exclusivos do que pensávamos.

_ Sabrina, você está me ouvindo?

_Desculpe, eu me perdi pensando algo e não te ouvi.

_ Conhecendo você tão bem, com certeza deve ter se assustado com minha confissão. Mas o que tenho a dizer em minha defesa é que valia a espera dos nossos encontros para me satisfazer. Fora que nossas trocas de mensagens, fotos, vídeos, vídeos chamadas quando estávamos longe, deixava tudo mais excitante. você não tem ideia de quanto pensei em você deixando minha mão fazer todo o trabalho de trazer para fora todo o desejo reprimido.

_ Depois a depravada sou eu?

Ele sorri e me ajuda a fechar meu vestido. O toque leve de seus dedos na minha pele me faz arrepiar e meus mamilos dão sinal. Como sempre nada passa despercebido por ele, que ao ver toda a cena sorri orgulhoso e mordisca meu mamilo coberto pelo tecido fino do vestido.

_ você não tem ideia do quanto será difícil para mim morar com você neste tempo, vou ter que me controlar muito.

Eu me aproximo fechando o botão de seu jeans naquele V perfeito de seus quadris que sempre deixavam evidenciar o caminho para o inferno dos seus desejos. Eu provoco-o.

_ E quem disse que eu quero que você se controle? Se é para morarmos juntos, que seja divertido e extremamente proveitoso.

Ele solta uma gargalhada e enquanto descemos as escadas ele sussurra ao meu ouvido

_ Não me provoque. Não desperte o que você não será capaz de controlar docinho.

_ Soa uma promessa deliciosa._ pisco para ele.

Ele me abraça e me conduz até o sofá, sentando-se na poltrona a minha frente.

_Agora outro assunto delicado.

_Vincenzo, não falamos coisas sérias demais por um dia?

_Desculpa meu amor, sim falamos. Mas esta é a última, prometo. Quando você quer contar para nossas famílias, amigos, funcionários?

_Vincenzo eu não tenho funcionários, você que têm. E quanto a nossa família e amigos eu prefiro esperar até o terceiro mês. Tudo bem para você?

_Eu gostaria de sair gritando para todo mundo, mas entendo sua decisão e respeito. Vamos esperar. E quanto ao trabalho?

_ você não pode demitir mulheres grávidas.

_ Deixe o sarcasmo de lado, e pare de me provocar, posso pensar em maneiras de fazer você ser boazinha para mim.

Dou uma risada e ele continua com ar provocativo.

_ Estou de acordo com mantermos a gravidez em segredo por enquanto, em respeito ao seu psicológico. Mas não podemos mais esconder que somos um casal. Eles são meus funcionários e eu não devo satisfação, mas visto que você é funcionária da Venice, eu concordo que é melhor saberem tudo do início. Por mim, chegamos lá segunda de mãos dadas, te dou uns amassos no corredor ou …

_ Quanta sutileza! Então, o que acha de contarmos no sábado? Terá festa com todos os funcionários do escritório, então seria a oportunidade perfeita.

_E eu vou ter que ficar longe de você no trabalho, até sábado?

_ A ideia é você continuar longe de mim no trabalho Chefe.

Ele faz uma cara de irritado.

_ Tudo bem. E eu prometo ficar longe respeitando seu espaço de trabalho. Mas o meu espaço de trabalho não precisa ser respeitado, querida. Desde que te vi na minha sala de reuniões fiquei pensando mil maneiras de te curvar sobre minha mesa e te penetrar profundamente. E eu pretendo ter meu sonho realizado!

_ Você é um depravado…

_O seu depravado! Sugiro que você se comporte esta semana. E sugiro que venha até minha sala algumas vezes do dia. E se você se sentir mal, eu a levarei pessoalmente para casa sem discussões. Eu não vou ser seu segredinho sujo por muito tempo. Uma semana e vamos falar para todos. Sua barriga também vai crescer em breve, não podemos fugir das consequências dos nossos atos, meu amor. Vamos encarar de frente!

_ Eu sei. Sábado contamos a história ao pessoal do escritório. São apenas uns 40 funcionários me julgando de imediato, até chegar no resto da sua empresa.

_ Não permitirei que ninguém te aborreça!

_ Eu sei me defender, não quero você mostrando a eles que terei tudo, por privilégios. Não quero isto, e te informo que de qualquer maneira continuarei a minha procura por outro trabalho.

_ Eu não quero, não acho necessário. Mas vou respeitar sua escolha.

_ Será para depois que o bebê nascer, afinal quem vai me contratar grávida?

_ Eu não teria problemas com isto, aliás poderia trocar de posto com minha secretária…

_ Claro Vincenzo, vamos para os clichês onde o chefe se envolve com sua secretária.

Ele da uma risada por me ver irritada.

_ Estamos juntos antes. você não ganhou nenhum privilégio porque é minha.

_ Eu sou?

Ele se levanta e rapidamente se joga no sofá ao meu lado, me puxando para o seu colo e fazendo cócegas.

_ Nos meu sonhos você é minha para sempre. Mas já estou feliz por te ter por alguns meses até que se decida. Eu vou batalhar pelo meu lugar ao seu lado.

_ Vincenzo o cavalheiro? Quantos de você existem?

_ Por você, quantos quiser meu amor.

Ele beija e mordisca minha orelha.

_ Vamos para sua casa? Mas antes insisto em passarmos no mercado tenho coisas para comprar. Podemos cozinhar nosso jantar ou você quer comer em algum restaurante?

Ele fica muito engraçado todo ansioso. Eu me aconchego nele e concordo com tudo. Depois de uma pausa e um pequeno cochilo eu acordo sozinha no sofá, levanto-me procurando por ele. Escuto sua voz ao longe, novamente ele está fora no celular, caminhando de um lado para o outro no jardim. Ele trocou de roupa, provavelmente usou a que estava na sua mala no carro. Ele se vira e me faz um aceno se apressando para terminar a ligação.

Ele caminha em minha direção ainda falando no celular.

_isto… Eu preciso que esteja disponível. Me confirme por e-mail o mais rápido possível.

Ele desliga o celular e me abraça.

_Você poderia ter me acordado Vincenzo.

_ você precisava descansar. Você se sente bem?

_ Sim estou. Podemos ir se você quiser

Ele concorda. Ele fecha a casa e seguimos para o carro.

_ Amanhã tenho uma reunião de manhã. Sigo com o início da tarde ocupado. Mas depois das duas estarei livre e gostaria que você saísse mais cedo.

Ele fecha a porta e contorna o carro. Quando ele entra eu respondo:

_ Já vi que será difícil as coisas.

_ Eu preciso da sua ajuda na verdade. Preciso comprar alguns itens para casa nova, coisas que não tenho ideia de como escolher.

Eu sou consciente que para ele pedir algo é porque realmente se sente perdido.

_ Tudo bem. Mas eu tenho que trabalhar hoje a noite em casa para adiantar as coisas.

_ Tudo bem. Você trabalha e eu preparo o jantar.

_ Você vai fazer sanduíches como sempre?

_ Assim você me ofende Sabrina. Eu tenho uma descendência italiana para zelar. Eu apenas não tive a oportunidade de mostrar à você, visto que sempre quando estávamos juntos, pouco eram os momentos que eu não estava dentro de você.

Sua fala tranquila não me passa despercebida, me movo um pouco no banco. E um leve sorriso se forma em seus lábios, mesmo com seu olhar na estrada.

_ Isto significa que por hoje acabou?

Ele dá uma gargalhada.

_ Sabrina, teremos que voltar ao médico e perguntar se este fogo é normal na gravidez. Você já era bem safadinha, mas de ontem para hoje está se relevando uma ninfomaníaca. Vou ter que tomar algumas vitaminas.

Eu respondo afrontosa.

_ Talvez você esteja perdendo a energia, querido.

_ Eu não disse que por hoje chega. Vou apenas respeitar sua concentração no trabalho. Eu poderia enfiar a minha língua incansavelmente na sua doce boceta, enquanto você trabalha no seu laptop …

Eu arregalo os olhos e solto uma risadinha.

_ Despudorado! Você não caberia em baixo da minha mesa de qualquer maneira. Você é muito alto.

_ Isto é um desafio?

_ Vincenzo se controle. Depois sou eu a ninfomaníaca. Mas você não se lembra de quem me desperta tais desejos.

Ele sorri e se concentra na estrada. Não demora muito e chegamos no mercado, ele pega um carrinho e sai pegando milhões de coisas, eu no início tento argumentar, mas depois desisto. E quando chegamos em casa, ele me faz um pedido muito estranho, mas resolvo aceitar. Ele leva as compras para dentro do prédio, e me pede para esperá-lo na portaria. Eu fico ali feito boba, mas rindo dele, o que será que ele está aprontando?

Ele não demora muito e volta, sorrindo.

_ Vem vamos para casa.

Eu olho ele desconfiada, tentando ler algo em seu olhar. Mas esta versão romântica não conheço tão bem, fica difícil ler. Ele me abraça e me leva até o elevador. Se mantêm em silencio quando eu  interrogo o que está acontecendo.

Quando chegamos na porta do meu apartamento, ele passa na minha frente e abre a porta, a musica Perfect – Ed Sheeran invade o ambiente.

Eu adentro minha sala e vejo um grande buquê de rosas vermelhas, caixas de chocolates e um grande urso de pelúcia. Eu fico sem palavras, mas as lágrimas falam por mim. Ele me abraça e sussurra.

_ Precisamos comemorar nosso amor se concretizando dentro de você.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: