Amor Intenso Amor – Capítulo 14

Eu faço uma pausa, respiro fundo e agora tenho quase certeza que realmente era ele, eu já desconfiava desde nosso encontro no bar e a minha visita na ilha. Ele disse que fazia tempo que não participava das festas na Ilha apesar de ser dele o lugar. Então quem organizava as festas? Afinal a ilha era da família dele, mas até então eu nunca fui ligada nos gossip dos ricos da cidade. Eu mantinha contato com os ricos, bilionários e famosos apenas para vender as mansões da agência. Eu também trabalhava com decoração de interno de alguns clientes. Mas nunca fiz nenhum trabalho para a família dele. E nunca ouvi nada de suspeito. A verdade é que minha vida se resumia no trabalho, algumas viagens e as baladas. Fazia alguns anos que eu tinha me separado e ainda existiam grandes sequelas deste relacionamento abusivo. Respiro fundo e continuo:

_ Lais, sim, acredito que seja o Lucca o homem daquela noite. Mas não entendo por que ele não me disse nada. Já na primeira noite que ele me levou para o castelo eu desconfiei e até provoquei, mas ele não confirmou nada. Mas se ele perguntou para o Paolo sobre mim nos dias seguintes da festa, por que não me procurou depois? Por que não o encontrei durante estes anos? Tudo bem que você e o Paolo tinha apenas alguns meses que se conheciam. Mas depois mantiveram contato como amigos até começar o que vocês têm hoje, quer dizer tinham, desculpe. Talvez ele fosse comprometido, li algo sobre ele, mas nada realmente conclusivo sobre sua vida íntima. E agora?

Lais parece bem divertida. E ela responde:

_ Simples, você vai ser direta e perguntar para ele, o porquê de ele ter omitido isto. E porque ele não se enfiou na sua cama desde então!

Bufo e prossigo:

_ Sem chances! E se ele perguntou nos dias seguintes para o Paolo, mas depois perdeu o interesse e com o tempo se esqueceu? E aquele nosso primeiro encontro no Déjà vu foi apenas uma coincidência e talvez até agora ele não saiba que sou a mascarada da festa. Porra, eu transei com o homem como uma profissional naquela noite, ele me revirou toda e quando gozamos, enquanto ele tirava a camisinha, eu apenas desci meu vestido e fui embora. Evitando-o até irmos para a casa. Nem minha calcinha eu peguei.

_ Leona por favor, eu duvido um homem esquecer você. E além do mais, você estava toda melosa mais cedo falando dele. O que rolou entre vocês?

Sorrio e sei que estou demonstrando meu nervosismo. E começo a falar:

_ Nós transamos feito dois animais no banco de trás do carro dele ontem, na estrada que vai para a floresta da montanha, foi intenso, visceral foi delicioso. Quando saímos do banco de trás do carro dele, percebi um carro com faróis acesos a uma certa distância de nós. Eu fiquei desesperada já imaginando mil coisas, ao entrar no carro ele confessou que eram os seguranças dele, isto explica eles terem acendido os faróis quando perceberam que ele saiu do carro…

_ Paolo me disse que ele é bem rico mesmo, bilionário. Normal ele ter uma equipe de segurança, não?

_ Sim, mas o mais estranho é que desde que voltei do nosso primeiro encontro oficial, estou sendo seguida e a sensação de que estou sendo vigiada é continua. Agora mesmo, vindo para cá, parecia que estava sendo seguida. Eu sei que sou paranoica, mas algo me diz que tenho que levar a sério, mandei mensagem para o meu pai, mas não são seguranças dele.

_ E por que não pergunta tudo ao Lucca? Amiga, para não cair em outra cilada seja sincera com ele. Vá direto ao ponto. Você disse que era uma transa de uma noite. Mas vocês estão os dois com o pé no acelerador e isto está ficando muito intenso. Melhor se acertarem antes que entrem em rota de colisão.

Concordo e falo:

_ Eu fui sincera, ao menos na parte que no passado me feriram e eu estava sempre desconfiada. Então ele me pediu para viver o hoje com ele. Disse que entende meu passado ter me machucado e que ele também possuía um passado tribulado e que tinha também suas reservas.

Lais sorri e me fala:

_ Então ele está bem interessado! Precisam conversar!

_ Farei isto, Lais! Mas quando ele voltar. Por telefone prefiro não tentar descobrir nada. Mas posso pesquisar por aí sobre ele. Afinal, a família é bilionária. Tudo bem que estamos morando em Milão faz pouco tempo, mas com certeza se eu pesquisar bem acharei algo sobre ele e a família. Em Milão nunca ouvi falar dele. E você??

_ Nunca ouvi falar dele. Não é estranho porque famílias poderosas assim nem sempre vivem por aqui ou tentam manter o máximo possível da privacidade. Talvez ele vivesse em outro país? Tudo que sei foi o que o Paolo disse, que a família dele possui uma fábrica de vinho DiSantis, já bebemos muito deles.

_ Pode ser, Lais. Sim, amo aquele vinho. Mas esta noite pesquisarei mais sobre ele. Entrarei em contato com Giorgio assistente do papai e vou pedir para que ele tente descobrir mais sobre o Lucca.

Quando acabo de falar o nome dele, meu telefone vibra e a mensagem do Lucca aparece na tela:

_ Buona sera signorina buona sera…o que minha bela está fazendo? *Boa noite senhorita, boa noite*

*faz referência a música Buona sera escrita por Cal Sigman e Peter de Rose (também intitulada como Buona sera signorina, buona sera) conhecida mundialmente na voz do cantor Louis Prima.*

Apesar de tudo um sorriso me escapa dos lábios. E escrevo:

_ Estou na frente do segundo copo de uísque e não sei quando volto para casa!

Lais me encara dizendo:

_ Pelo seu sorriso imagino que seja o Lucca.

Eu sorrio e concordo. Antes de explicar mais para Lais, o meu telefone vibra com outra mensagem de Lucca:

_ Eu também ainda estou na rua, sem hora de voltar para casa. Mas o que mais desejo neste momento é estar entre suas coxas, sendo mais preciso dentro de você, te ouvindo chamar meu nome em continuação como um doce mantra.

Eu decido ignorar a mensagem e me viro para Lais:

_ Você quer jantar?

Ela faz beicinho e diz:

_ Hum! Vai manter segredo das mensagens? Imagino que sejam bem apimentadas. Leona, a fome que você está é bem outra.

_ Lais, não me provoque, sua chata. Eu tenho uma ideia, que tal irmos para a minha casa? Preparo algo ou pedimos uma pizza e você dorme por lá. O que acha? Eu sei que você está sendo durona, mas é sempre bom ter a companhia de amigos, certo?

Ela sorri. E fala:

_ Sim. E eu confesso, não estou sendo durona. Queria que o Paolo tivesse me mandado uma mensagem sequer. Mas desde que discutimos ele não deu mais sinal de vida. Isto é frustrante. Como ele pode gostar tanto de mim e não lutar pelo que quer?

Eu sabia que ela não ia aguentar por muito tempo bancar a durona. Ela precisava desabafar e para mim, o assunto Lucca já estava resolvido por enquanto. Chamo o garçom enquanto falo para ela:

_ Amiga, talvez o Paolo só esteja confuso. E quanto a mulher que ele estava almoçando, se a Ana não viu beijos, sexo, você não pode se deixar abater assim. Afinal, o Paolo está sempre atrás de você como um cachorrinho. Ele te enche de carinho em público, não acha que se ele tivesse algo com esta mulher, faria as coisas escondidas? Lais pensa, ele foi te buscar para almoçarem juntos e você despeja tudo isto nele. Não se resolveram e estão decepcionados um com o outro. Vai ficar tudo bem. Espere alguns dias, acredito que ele dará o braço a torcer.

_ Obrigada Leona. Mas se ele não me procurar eu vou tentar procurá-lo e ouvi-lo de verdade.

Sorrio para ela:

_Você veio com seu carro?

_ Eu não tinha condições de dirigir, Leona. Então vim de taxi. Você veio com seu carro?

_ Sim. Bebi apenas dois copos de uísque, mas ainda estou bem para dirigir. Então vamos?

Pago o garçom e descemos para o estacionamento. Entro no carro e antes de Lais entrar, o telefone dela toca e ela se afasta um pouco. Eu percebo que no fundo do estacionamento tem o mesmo tipo de SUV que me seguiu estes dias. Faço sinal para Lais entrar no carro. Ela o faz, ainda falando no celular. Eu arranco para a estrada e sigo para a casa. Quando Lais desliga o telefone, ela sorri e antes que ela pudesse falar algo eu respondo:

_ Paolo te ligou! Fizeram as pazes?

_ Mais ou menos. Ele disse que está muito triste com o que houve. Mas que está disposto a nos encontrarmos amanhã, para uma conversa.

Sorrio para ela e digo:

_ Eu disse para você que tudo ficaria bem.

Lais percebe meu desconforto ao dirigir e fala:

_ Você está se sentido bem Leona?

_ O fato é que tem uma SUV escura nos seguindo desde o estacionamento. E isto está me deixando apreensiva.

Lais se gira e fica olhando o tráfico atrás de nós. Então ela confirma o que eu já temia:

_ Sim, parece que você tem razão, ele está nos seguindo.

Tento manter a calma e acelero mais um pouco

Tento manter a calma e acelero mais um pouco. Ultrapasso alguns carros e logo estou subindo a rua de casa, abro a garagem entro com tudo. O portão se fecha atrás de mim e eu ainda trêmula estaciono o carro. Coloco minha cabeça no volante respirando fundo.

_ Leona, você está bem? Vamos sair do carro e entrar em casa. Vou te preparar um chá.

Abalada, saio do carro e entramos em casa. Eu começo a olhar em volta, desconfiada de tudo. Lais passa na minha frente e faz um giro em casa. Na volta ela me diz:

_ Relaxe, está tudo bem, não tem ninguém aqui além de nós. Passe a ativar seu alarme novamente Leona. Assim não ficará com medo cada vez que entrar.

_ Você tem razão, Lais. Ultimamente estava tão tranquila com a minha atual vida que o medo do qual sempre fui vítima, tinha me abandonado. Mas agora não sei o que pensar sobre este carro me seguindo. E o pior que a distância parece sempre ser bem calculada por quem o dirige, pois nunca consigo identificar a numeração da placa.

_ Leona, eu acredito que esta perseguição está relacionada ao Lucca. O homem é bilionário, e você mesma disse que ele te contou que é muito desconfiado. Provavelmente pelo que ele te disse ter vivido no passado. Então pode ser que seja somente uma preocupação dele.

Eu penso por um momento. Olho da janela e não vejo nada. Talvez tenham ido embora.

_ Se ele me escrever de novo ao menos isto tentarei esclarecer ou nem vou conseguir dormir.

_ Faço isto mesmo, Leona.

Mais uma vez meu telefone vibra, mensagem do Lucca:

_ Não vai me responder? Medo do lobo??

Apesar do nervoso, as mensagens dele me acalmavam e me faziam sorrir.

_ Lupo, Lupo você nem me disse onde está. Mas acredito eu que seja fora da Itália, então acredito que toda esta sua vontade de me virar do avesso fique somente na promessa das palavras que está me escrevendo, já que a distância física acredito ser grande. Acertei?

Ele coloca uma carinha de espanto e escreve:

_ Você é bem esperta. Sim estou bem longe. Estou em Nova Iorque, mas agora estou no hotel. Vou trabalhar um pouco do meu notebook, depois vou para a cama. E acredite, quero muito ouvir sua voz, talvez te ver pelo celular. Porque prometo ao menos uma punheta em sua homenagem, eu farei.

Confesso que minhas coxas se cruzam e tento mandar uma mensagem de áudio fazendo um sinal para Lais ficar quieta:

_ Não posso muito. Estou apenas te mandando um oi rápido, porque hoje durmo acompanhada.

Eu não sei se ele sentiria algum tipo de ciúme, se ele cairia no que tentei fazer. Mas tentei provocá-lo para ver se ele soltaria algo, afinal se forem homens dele com certeza ele já sabe com quem estou.

Ele manda um áudio em seguida:

_ Eu sei que não tenho direito algum de manter posse sobre você. Ao menos não ainda. Eu não farei o ciumento, até porque sei que você está com a Lais!

Bingo! Penso comigo mesma, os homens são os funcionários dele! Por isto ele sabe que eu estava testando-o. Antes que eu jogue na cara dele um monte de desaforo ele continua.

_ Paolo me ligou e ele me contou como ele e Lais estavam chateados um com outro. Enfim, ele contou que você está com ela e agora ele pode dormir sossegado. Não coloque idéias na sua cabeça.

Lais se aproxima e coloca a taça de chá na minha frente e volta para a cozinha. Penso se devo falar algo sobre os homens me seguindo ou não. Então decido arriscar:

_ Sabe Lucca, acredito que eu já te conheça. Você é tão previsível!

Ele manda um áudio em seguida:

Ele manda um áudio em seguida:

_ Ah! Querida, não se deixe enganar. Você já sabe que eu pedi informações suas. E isto não é de hoje. E sim, eu preciso falar com você e contar tudo a respeito, mas isto será feito com calma Leona. Sei que é difícil para você confiar. Mas é isto. Confie em mim.

Eu mando outro áudio.

_ Você só pode estar de brincadeira, pedindo para eu confiar no Lobo.

Ele responde em seguida:

_ Leona jamais farei mal a você. Eu só tenho minha palavra por enquanto. Mas minhas ações vão te mostrar o que você precisa saber.

Sua voz parece bem seria. Eu penso por um segundo então decido colocar a prova.

_ Eu só preciso que você seja sincero comigo, jamais minta para mim e daremos muito certo nas nossas diversões.

Ele responde rapidamente

_ Eu prometo que sempre serei sincero e jamais vou mentir no que você desejar saber.

Ele está onde quero. Então pergunto:

_ Ótimo. Lucca, aqui vai minha primeira pergunta, seus homens estão me seguindo?

O áudio dele demora para chegar, escuto com as mãos tremulas.

_ Sim Leona. Entenda que mesmo não tendo nada sério, ao menos por enquanto, o fato de eu não esconder meu interesse em você, te faz um alvo. Meus negócios me fazem ganhar muito dinheiro e isto desperta inimizades traiçoeiras. E só uma segurança. Peço desculpas por não ter te avisado, eu não queria assustá-la e não queria que isto fosse um motivo para que você achasse que sou possessivo ao ponto de te fazer correr e não querer mais me ver.

A voz dele demonstra um tom diferente do que conheci até agora. Parece ter medo. E isto me faz curiosa e me leva a provocá-lo. Eu respiro fundo e envio um áudio:

_ Tudo bem Lucca. Eu não digo que estou amando ouvir que você tomou decisões por mim, as quais cabiam somente a mim. Mesmo que queria me proteger, deveria ter me comunicado suas intenções. Mas eu vou ignorar este detalhe que me irrita profundamente e tentar me concentrar no lado bom, que é você se preocupar comigo. Digamos que você não ganhou nenhum ponto comigo. E temos que conversar, se quisermos deixar as coisas acontecerem entre nós.

Ele me liga assim que escuta o áudio. Eu me levanto e vou para o quarto apressadamente. Atendo:

Sim…

_ Faço qualquer coisa para você me dar a chance de me explicar. E para provar para você que valerá a pena para nós dois, nos conhecermos melhor. Eu nunca me importei antes, mas com você é diferente. Eu também pensei que uma noite bastaria, mas você cruelmente, me deixou de joelhos. Soa brega, mas me sinto assim e sou bastante homem para assumir o que quero. E neste momento quero fazer você gozar!

Eu divertida respondo:

_ Bom querido, melhor você se tele transportar e vir aqui me foder.

Ele sorri e me fala:

_Eu ainda tenho uma reunião marcada, daqui uns minutos. Mas daqui uma hora estarei no meu quarto de hotel novamente e poderemos fazer uma vídeo chamada se você quiser, Leona. É o que posso te oferecer hoje. Mas garanto que será bem divertido, confie em mim.

A ideia de ver ele nu, diante da câmera se masturbando para mim me deixa bem excitada. É perigoso, ele ainda é um mistério, mas é uma tentação que tenho dificuldades de recusar. Então respondo:

_ Tudo bem. Mas você terá que seguir minhas regras!

Ele dá uma risada e fala:

_ Eu devia ficar preocupado com este seu pedido. Mas estou disposto a correr os riscos, afinal estou protegido pelos quilômetros entre nós.

Agora é minha a risada:

_ Cuidado querido, eu não disse que isto foi um pedido. Foi apenas uma afirmação da minha parte.

_ Leona, você ama brincar com fogo e eu amo ser seu combustível. Garanto que o inferno sentirá inveja das nossas chamas. Tenho que ir agora. Bacio

_ Bacio, Lucca.

*Bacio-beijo*

Me pego sorrindo enquanto minhas coxas estão molhadas. 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s