Amor Intenso Amor -Capítulo 36

LUCCA

Eu queria matar cada um que estivesse no meu caminho para salvá-la. Eu admirava seu corpo relaxado em meus braços, uma mulher que amo desde minha adolescência sem ter a mínima ideia de qual longe este amor me levaria. Seu peito sobe desce lentamente, ela está visivelmente abalada, a minha morte pode ser um golpe fatal para ela, que já está tão frágil. Eu pretendo combater até o fim, eu pretendo usar todas as minhas armas físicas e mentais para proteger ela, proteger minhas sobrinhas e poder viver sem a porra de um alvo no meu peito. Eu tinha organizado tudo, mas a parte mais difícil estava por vir.

Deixá-la ali, sem nem mesmo poder passar mais tempo para acalmá-la, minha partida será um inferno para nós dois. Eu liguei mais cedo para Paolo, dizendo para ele pedir a Lais para vir ficar com ela, ao menos ela não estará sozinha aqui. Deslizo meu corpo da cama, ela resmunga inconsciente, absorta em um sono profundo. Eu a amo incondicionalmente, mas farei de tudo para salvá-la de tudo e todos que forem um ameaça, se for preciso até de mim mesmo. Eu tiro o anel da gaveta e deslizo em seu dedo. A raiva em meu corpo aumenta, eu daria tudo para me casar com Leona, para ficar com ela pelo resto de nossas vidas. Mas eu estava destinado a um casamento arranjado, para assim entrar nos negócios com os Romenos. Isto me dará a chance necessária para ter acesso de como todo o tráfego acontece, e aí sim agir com a Interpol, ser preso e ficar livre de vez, sem tantos perigos em volta. Eu beijo a mão dela, nenhuma mulher foi minha perdição como esta em minha cama.

Eu termino de escrever o bilhete. Lanço um olhar a mais para o meu mundo em forma de mulher. Fecho a porta e desço para meu escritório onde Pietro já me espera.

_ Pietro, está tudo pronto?

_ Sim a interpol te espera no aeroporto. Você contou para ela Lucca?

A raiva me consome, não contra Pietro, meu braço direito, meu amigo. A raiva era contra estes malditos filhos da puta que eu odiava mais que tudo, por terem colocado Leona nisto tudo.

_ Ela não precisa saber agora.

_ Desculpe-me chefe, mas eu acho que você tinha que contar antes dela saber…

_ Ela não vai sair daqui, e se sair mesmo assim, as chances de a notícia chegar são mínimas. Mas se caso chegarem logo depois do casamento vou ter acesso a lista dos compradores e dos fornecedores do tráfego de pessoas. Então a Interpol vai entrar com tudo e eu vou ficar um tempo na cadeia, ela vai entender que foi necessário. _ Eu tento me convencer.

_ Tudo bem. Eu vou cuidar de tudo como você disse. Mas se precisar, eu vou ficar ao seu lado junto com os outros homens que lá te esperaram.

_ Obrigada Pietro. Se eu precisar sei que posso contar com você, sou grato. Mas no momento preciso que cuide dela, que a proteja como faz comigo. Eu estou deixando você pois é o mais capacitado para cuidar dela.

_ Eu farei Lucca. Você acha que vai conseguir entregar todos eles sem matar nenhum?

_ Impossível não ter um efeito colateral nisto. Vou tentar cumprir o que me foi designado para fazer. Mas já deixei claro a eles que não posso prometer que cumprirei à risca tudo isto.

Coloco o restante das coisas na mala. E Pietro me acompanha até o aeroporto. Os agentes já estavam como abutres a minha espera. Me condecoraram, me transformaram em um deles, mas sabem que a máfia jamais sairá de mim. Morrem de medo de que eu os traia ou os mate durante a operação.

Poucos ali me respeitavam como um deles, a maioria me temia por eu ainda ser um Boss.

Quando já estou dentro do avião com a equipe da Interpol, faço aquela maldita ligação para Dania Netori

Quando já estou dentro do avião com a equipe da Interpol, faço aquela maldita ligação para Dania Netori. Geralmente eu teria prazer em foder uma mulher a algum tempo atrás, se fosse por negócios então, me dava mais prazer. Mas agora eu não suportava a situação. A única que eu realmente queria estar afundando entre suas pernas, era Leona.

Disco o número e ela prontamente atende.

_ Olá querido, você demorou para me ligar. Papai achou que você tinha até mesmo desistido do acordo. Você já saiu da Itália?

_ O Voo vai decolar agora. Diga ao seu pai que o acordo continua em pé. Estarei aí para o casamento em poucas horas, você será minha mulher.

_Que notícia maravilhosa querido. Finalmente nossa lua de mel está próxima, é questão de horas…

Ela dá um suspiro fingindo estar aliviada. Obviamente eu já tinha meus planos de não consumir esta lua de mel. Eu agora queria quebrar meio mundo, eu realmente queria explodir tudo. Mas eu tinha que manter o controle de tudo.

Eu desligo o telefone. O agente Roni me dá um sorriso.

_ Muito bem Lucca. Agora é questão de horas para a operação chegar no ápice. Apenas deve se lembrar de manter o protocolo. Seus homens devem respeitar o acordo, não atirarem até segunda ordem…

Eu me levanto, a minha vontade de socar alguém aumenta. E se eu começar, ninguém me segura, aperto meus punhos e me aproximo do seu assento. Ele me observa tentando manter tranquilidade.

_ Eu tenho cumprido a minha parte, em cada uma das missões a mim designadas. Eu pedi apenas uma única coisa, Leona protegida de tudo, e vocês falharam miseravelmente. Eu estou tentando seguir as regras, mas fiquem avisados que se algo acontecer com ela novamente, o acordo salta. Vocês poderão tirar a minha honra, título de agente, mas antes vou matar um por um dos demônios que provarem a machucá-la. Eu posso cair, mas arrastarei para o inferno um por um. Não serei gentil, não farei uma poker face, deixarei de ser um jogador para assumir minha postura de Rei do inferno, isto valerá para cada um que tentar me impedir.

Poker face:(face) que não demonstra emoções.

A sua testa está suando, ele perdeu lutas para mim durante o treinamento, não foi necessário armas para que eu o quebrasse e eu não estava em fúria quando fui condecorado agente. James se levanta, se aproxima de mim e tenta me acalmar, me levando para longe de Roni.

_Ei Lucca, vamos beber algo, você está precisando. Não somos seus inimigos. Você tem que se acalmar!

Ele me leva para sentar-se à sua frente e chama o comissário de bordo, ele pede nossas bebidas e se vira para me olhar, ele me dá um sorriso fraco vendo que estou disposto a escutá-lo. James sempre me respeitou e sempre me disse que eu não devia me culpar pelo passado e sim seguir o futuro melhor, para um fim diferente do meu pai e irmão. Eu sabia que de qualquer maneira sendo um mafioso ou um agente da Interpol, minha vida poderia ser ceifada nas mãos de alguém.

O que me dava conforto era saber que eliminando o tráfego humano, a máfia de antigamente voltaria a ser respeitada, eles continuariam seus negócios recebendo os dez por cento de todos os comércios nas cidades, obviamente alguns continuariam com as drogas e as propinas para a polícia. Os DiSantis continuariam respeitados pelas outras famílias e estaríamos fora, sobrevivendo dos negócios limpos que ergui. E eu teria uma chance de vida com o amor da minha vida.

Eu estava fazendo dinheiro há muitos anos de forma legal. Os meus lucros triplicaram, com a compra e venda de empresas. E eu poderia sair de tudo, viver como um homem normal, respeitado pela polícia e também pela máfia. Minhas chances de vida aumentariam e ter a Leona do meu lado, fazia realmente eu ter uma luz no meio de todo este inferno. O comissário volta com dois copos de uísque.

_ Traga a garrafa! Vamos precisar! _ James abre um sorriso para mim.

_ Claro Senhor, volto em um instante. _ o comissário se afasta.

_ Saluti Lucca! Alla tua libertà! À sua liberdade.

_ Saluti James! Que eu saia vivo desta porra! Que você saia vivo disto. _ eu levanto meu copo para ele.

Eu passo um tempo bebendo com James. Meus nervos se acalmam dentro do possível. Mas eu ainda tenho pressa, e eu ainda tenho que resolver a história com os russos e os espanhóis. Tudo teria que acontecer ainda nesta semana.

_Lucca, sei que é uma situação complexa a sua. Mas tente se concentrar, até agora nunca falhamos. E não será agora. Você vai voltar para a mulher que você ama e vai se casar com ela como você planejou. Estaremos detonando meio mundo daqui alguns dias.

_ Você tem razão. Eu só lamento a ter deixado em um momento tão fodido, para vir para a missão.

_ Cara, não diga isto a mim! Loren está prestes a dar à luz, talvez meu filho nasça e eu estarei atirando ou levando tiros…

_ Você é um ótimo atirador! Ninguém vai te derrubar!

Ele sorri.

_ Pretende ter filhos com sua Leona?

_ Ela não pode ter filhos. Eu descobri isto quando investigava a vida dela quando ela ainda estava casada. E um homem como eu, com um alvo no peito, não pode ter filhos para os mesmos não correrem risco de serem alvo de uma vingança ou algo do tipo.

_ Lamento. Mas se posso te dizer algo, entendo seu pensamento. Mas você se torna mil vezes mais forte para lutar por aquelas criaturas.

Eu penso nas minhas sobrinhas, no quanto meu irmão deve ter morrido com medo do que poderia acontecer com elas quando o Russo o matasse. O trauma que elas ainda sofrem, vivem fazendo tratamentos para esquecer o assassinato do pai e da mãe que felizmente elas não viram toda a tortura. Eu respiro fundo e bebo meu uísque.

_Sim, você tem razão. E não se lamente talvez seja melhor assim.

Meu celular vibra eu abro uma mensagem de Pietro.

“Descobri que Leona desmaiou no seu quarto após sua partida. Já pressionei a doutora Bossi, mas ela afirma que eles a sedaram para exames. Ela está com aquela amiga atrevida dela, Lais. Está tranquila.”

Ela passou mal por minha causa, que droga. Eu digito rapidamente e espero que ele me responda, faltava pouco para aterrissarmos e eu teria que seguir com meus homens e James para o hotel. Mas por segurança, o meu telefone era outro, sem alguma suspeita.

Quero que ela seja mantida em segurança e se caso ela decidir ir embora, vocês devem protegê-la o tempo todo. Monte um esquema, o que for necessário. E se lembre do nosso código. Pandora.

Algumas horas depois eu seguia para o maldito hotel, esta seria minha última noite ali. Amanhã eu deveria me mudar para a mansão dos romenos e teria Dania Netori colada em mim o tempo todo. Mas eu teria uma conversa com a cara noiva antes do altar. Isto me garantiria uma noite tranquila longe dela. Pietro havia me garantido que Leona estaria ao seguro. Eu estava tentando manter meus nervos congelados.

O meu telefone para a máfia tinha o mesmo número, mas eu não poderia receber e nem ligar para determinados números, para evitar situações de risco. Meu telefone vibra e eu olho o visor.

“Precisamos fazer uma reunião com você, depois de amanhã. Não queremos nenhum dos seus homens, você deve estar desarmado. Se quer ter negócios conosco, além do casamento com Dania e a união das famílias, precisamos esclarecer alguns fatos. Será no armazém da zona leste às dezoito não se atrase.”

Eu mostro o telefone para James. Ele pensa um pouco e me diz.

_Droga! Eles descobriram ou desconfiam de algo. Isto é extremamente arriscado, eles podem ser muitos, você estará desarmado, sem nós por perto. Acho melhor tentar…

_ Sem chances. Se eu demonstrar o mínimo medo, eles perderão o respeito, ou poderão ter a certeza do que buscam. Então não tenho alternativas. Vou enfrentá-los sozinho.

_Vamos preparar um esquema que se eles tentarem não sairão de lá vivos. Colocaremos atiradores de elite posicionados. E vamos mudar o que você vai falar.

Eu aperto meus punhos. Esta noite eu teria que treinar em algum saco de pancada da academia do hotel ou terminaria a noite preso por ter saído do controle.

_Vamos fazer isto. Preciso tentar dormir.

 Preciso tentar dormir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s