Amor Intenso Amor – Capítulo 51

E nossa vida agora seria assim. Nós dois protegendo um ao outro e juntos mantendo nossa Chiara em segurança. Eu tinha uma arma a qual eu mantinha em meu armário, mas raramente a carregava comigo. Quando voltei para a Itália, eu fiz a licença para o porte de arma, um pensamento me veio em mente, ele sendo baleado na missão que participou meses atrás. Eu fico tentada a ir buscar a minha arma, ele também precisa de proteção e eu tenho que encarar a realidade, tenho que ter coragem, mas ele me interrompe o pensamento.

_ Desculpe querida, mas você sabe que é melhor estarmos preparados, sei que você não gosta…

_ Na verdade, eu estava pensando que devo começar a carregar a minha arma comigo, afinal eu fiz a licença, e poucas vezes a carreguei comigo. Sou consciente que nossa vida será sempre assim, eu preciso estar mais preparada. Eu tenho que ter coragem e proteger Chiara e você, são razões mais que suficientes para isto…

Ele abre um grande sorriso e pega meu rosto entre suas mãos e sua boca em segundos está me devorando lentamente. Eu correspondo o beijo, logo minha mão está segurando seu colarinho e meus dedos se enfiam por baixo da camisa, ele me puxa para mais perto dele. Logo somos interrompidos por uma batida forte no vidro do carro, nos afastamos e Lais sorridente fala.

_ Por favor, vocês tem que ir, existe um avião esperando suponho! Não transem aqui…

Lucca dá uma risada enquanto eu ainda tento recuperar o meu fôlego.

_ Lais, você é terrível.

Lucca dá partida no carro e logo estamos acelerando na estrada, sendo seguidos por vários carros com seus seguranças.

_Ela não deixa ter razão, se continuássemos eu ia querer estar dentro de você sem me importar com quem estive assistindo. _ ele mantém os olhos na estrada, mas ostenta um sorriso em seus lábios.

_ Lobo, lobo você ainda está com fome? _ Eu aliso sua coxa e ele me olha de soslaio

_ Lobo, lobo você ainda está com fome? _ Eu aliso sua coxa e ele me olha de soslaio.

_ Leona, comporte-se estamos realmente atrasados, apesar do avião ser meu, temos uma rota de voo para respeitar. Então não posso parar o carro para te pegar de jeito. Me conte sobre o que você estava falando antes de eu te beijar na frente de casa. Você realmente quer andar armada?

_ Sim, eu quero ser capaz de me defender a altura se alguém tentar algo. Principalmente contra Chiara ou contra você. Eu não quero ficar assistindo você lutar sozinho se isto acontecer.

Ele fica sério e em silêncio por um longo tempo. Eu respeito e fico quieta, provavelmente ele ainda tem em mente os acontecimentos da missão da Interpol onde ele quase morreu. Eu continuo olhando a estrada. Então ele quebra o silencio.

_ A ideia de ter você andando armada me acalma. Saber que você está preparada caso eu não possa protegê-las me deixa mais tranquilo. Estamos em uma boa fase, não temos inimigos declarados. A interpol vai sempre estar por perto enquanto eu estiver vivo, sou valioso para eles pois posso a qualquer momento ser de grande ajuda. Mesmo não sendo mais um agente, conheço bem o esquema dos dois mundos. Eu farei o máximo para ficar longe de tudo, pois quero ficar tranquilo com você e quero poder ver Chiara crescer.

Eu aliso seu rosto. E ele pega minha mão levando até sua boca para beijá-la.

_ Lucca, eu sei que você nunca vai conseguir relaxar por completo, mas acredito que ficaremos em paz

_ Lucca, eu sei que você nunca vai conseguir relaxar por completo, mas acredito que ficaremos em paz. Você fez tudo para ficar em cima do muro, protegido de tudo. E você venceu, meu amor.

Ele parece mais aliviado com minhas palavras. E quando a música na rádio começa, ele olha rapidamente para mim. A mesma música da nossa primeira fuga indo para a Ilha dele, Nek uno di questi giorni.

Finché mi resti addosso il mondo è nostro!
Cadremo e ne verranno di inverni
Abbracciami e dormi

Enquanto você estiver agarrada em mim

o mundo é nosso!

Cairemos e virão os invernos
Me abrace e durma
.

_ Isto foi o destino nos dando um sinal amore mio. È più di un giuramento noi contro tutto

*Meu amor. É mais de um juramento, nós contra tudo*

_ Exatamente Lucca, nós contra tudo.

_ Tu sei stupenda. Sarò per sempre innamorato di te.

*Você é maravilhosa, serei sempre apaixonado por você. *

A música seguinte me faz rir alto quando ele começa a cantar Umberto Tozzi Ti amo. Eu fico olhando seu sorriso, todo este sentimento entre nós, tudo tão intenso, tão nosso. Eu canto com ele e a viagem fica mais leve. Quando a última palavra da música é dita, chegamos no aeroporto. Entramos na parte privada e logo pude ver o avião que nos esperava.

Minutos depois já estávamos sem nossos casacos e acomodados em nossos assentos

Minutos depois já estávamos sem nossos casacos e acomodados em nossos assentos. Um comissário de bordo veio nos servir bebidas e dar informações sobre o voo para Lucca, mas sem dizer a destinação. Ele atendeu o celular e começou a falar, entendi que estava dando instruções a Pietro sobre alguns negócios. Eu o observava e arquitetava um plano em minha mente. Quando o avião decolou, ele estava segurando minhas mãos, estávamos sentados em assentos opostos um de frente para o outro. O sinal do sinto de segurança desligou e eu rapidamente o tirei. Ele surpreso, levantou seu olhar para mim.

_ A tripulação ficará vindo o tempo todo?

Ele me olha divertido e fica me estudando antes de responder.

_ Eles não voltarão mais aqui, até que sejam solicitados. Temos privacidade, se é isto que você queria perguntar, Leona.

 Temos privacidade, se é isto que você queria perguntar, Leona

Ele me faz um sinal para ir até ele. Eu obedeço repassando meu plano em minha cabeça. Ele me puxa para o seu colo, sua boca beija a minha, sua língua desliza me enchendo de desejo. Ele deixa vagarosamente os meus lábios e lambe meu pescoço, suas mãos alisam meu seios por cima do decote, ele os pressiona para cima e logo estou exposta pela tomara que caia. Ele chupa deliciosamente meus mamilos e eu aperto seus cabelos. Ele se afasta e mordisca minha orelha.

_ Você está precisando de mim? Quer ser devorada? Sua buceta está molhada para mim? Mostre para mim, abra suas pernas.

Eu solto um gemido baixo e abro automaticamente minhas pernas, ele sabia que eu não estava usando calcinha, seus dedos se aproximam e ao sentir o quanto estou molhada ele desce os lábios para o meu mamilo novamente, eu seguro ainda mais forte seus cabelos ao sentir seus dentes me mordiscando. O prazer me invade, mas eu não posso falhar agora.

Eu me afasto dele, deslizando entre suas pernas, caindo de joelhos na sua frente. Ele percebe o que estou prestes a fazer e seus olhos são pura luxúria. Eu abro lentamente o zíper de sua calça, ele abaixa mais seus quadris, eu enfio a mão dentro, sentindo o quanto ele está duro e latejante em minhas mãos. Eu mal conseguia fechar minha mão em círculo em volta dele. Eu puxo-o para fora, a gota brilhante na ponta do seu pau me faz salivar. Eu molho meus lábios, as mãos dele vão para o meu rosto e meus cabelos. Eu beijo lentamente a gota de desejo que escorre, ele fica ainda mais excitado, suas mãos apertam meus cabelos. Eu começo a lamber todo seu comprimento, me deliciando com a tortura deliciosa a qual ele estava sentido, eu abocanho.

Engulo lentamente no início, com o movimento de relaxar a garganta levo-o até o fundo. Ele puxa meus cabelos e solta um gemido alto.

_ Cazzo Leona! La mia Leonessa è uscita fuori per giocare… sei meravigliosa… cazzo tu mi fai…

“Cacete Leona! A minha leoa saiu para brincar… você é maravilhosa… cacete você me faz…”

Eu o levo para dentro e fora da minha garganta, os barulhos de engasgo o deixam alucinados e ele não consegue esconder que está perdendo o controle. Lucca, o poderoso Lupo estava tremendo em minha boca, desesperado para que eu desse o alívio, executasse o golpe final. Então decido enlouquecê-lo ainda mais, eu engulo até o fundo e deslizo minha língua para fora, tocando a base do seu pau, lambendo lentamente com ele entalado na minha garganta. Ele tenta me puxar por estar perto, mas eu me mantenho firme, segurando suas coxas.

_ Leona… _ sua voz é um gemido enquanto seus dedos apertam com força a poltrona.

Seus olhos buscam o meu olhar, eu não desvio e continuo engolindo lentamente o gozo dele. Saboreio até a última gota, e o libero dos meus lábios.

_ Mereço saber para onde vamos? Ainda vai insistir para manter segredo? Eu te fiz feliz, ficarei feliz em saber…

_ Me fez muito feliz e quase me matou. Mas devo te advertir que não vou cair na tentação de te dizer nada. Logo você verá, agora vem aqui, sentar-se no meu colo. _ele ainda está ofegante

Eu dou um sorriso travesso e acelero meus passos em direção ao banheiro. Antes que eu pudesse fechar a porta ele estava atrás de mim segurando a porta com o seu pé.

_ Nada disto. Você ajoelhou, me provocou, me derrubou e agora é a minha vez. Você não pode negar o quanto está molhada. Você queria se trancar aqui para se aliviar sozinha?

_ Não, claro que não. Prefiro você me aliviando. Quis apenas atiçar seu lado animal Lupo, afinal você caça sua presa.

Ele diminui o espaço entre nós, ele fecha a porta atrás dele e mesmo sendo um banheiro grande, estamos quase colados. A respiração dele me faz ficar com o coração acelerado. Ele me pega pelo quadril e me levanta me colocando apoiada sobre a pequena bancada da pia.

_ Lucca…

Ele afasta minhas pernas e cola ainda mais seu corpo no meu. Então uma de suas mãos desce alcançando meu clitóris. Um gemido involuntário escapa dos meus lábios e ele aproxima seus lábios do meu rosto, me olhando ele diz:

_ Shhh. Agora a Leoa que encolha as garras. Eu quero a gatinha doce que eu amo tanto quanto a sua buceta encharcada, aquela que vou chupar agora.

Ele me beija lentamente como se quisesse me dar uma amostra do que ele faria a seguir. Ele se ajoelha entre minhas pernas, sua boca beija lentamente minhas coxas, suas mãos as afastam ainda mais. Sua língua passeia por minha pele e quando toca meu clitóris, um reflexo me faz querer fechar as pernas e ele as segura. Ele faz tão lentamente, como se me ver contorcer de desespero fosse extremamente prazeroso.

_ Lucca…_ eu puxo seus cabelos e ele vai ainda mais devagar.

Ele afasta o rosto e começa a beijar minhas coxas eu choramingo e ele volta para lamber profundamente dentro de mim, eu giro meus quadris, ele enfia dois dedos dentro de mim e os flexiona freneticamente, eu aperto com força seus cabelos em minhas mãos, sua boca está circulando meu clitóris e eu estou gemendo desavergonhadamente. Quando estou com as coxas tremendo pela provocação dos seus dedos se movimentando dentro de mim, ele resolve me fazer desmoronar quando chupa meu clitóris ao mesmo tempo que os movimentos de seus dedos se intensificam dentro de mim. O calor familiar me percorre todo o corpo, meus mamilos doem, meu íntimo aperta em seus dedos e eu molho abundantemente suas mãos enquanto tremo com um orgasmo avassalador. Ele continua os movimentos diminuindo a intensidade até me fazer recuperar o fôlego lentamente.

Ele se levanta, eu espero um sorriso convencido, mas ele está cheio de desejo, ele não me provoca, ele invade minha boca e meu sabor em sua língua me faz perder o juízo. Estamos suados com apenas nossos sexos expostos, mas a tensão sexual é a mesma de quando estamos nus. Sinto sua ereção pressionar minha buceta, ele desliza vagarosamente me preenchendo. Suas estocadas não são gentis e logo eu já estou à beira novamente, ele penetra mais uma vez e vai até o fundo, permanecendo quieto enquanto seu gozo me preenche até escorrer por minhas coxas.

_ E pensar que esta viagem está somente começando.

_ Lucca, qual a sua real intensão com esta viagem?_eu sussurro para ele

_ Você vai ver, Leona. _ me responde com um olhar cheio de promessas.

Ele me ajuda a me recompor, ele passa água no rosto, e deposita um beijo em meus lábios e volta para a poltrona. Quanto eu saio do banheiro e volto para o assento, ele me puxa para o colo dele e inclina a poltrona. Eu me agarro nele e adormecemos abraçados. Até um dos comissários de bordo se aproximar para pedir para colocarmos os cintos de segurança. Eu me levantei do colo de Lucca e voltei para o meu assento. Ele ostentava um sorriso lindo no rosto e eu não cabia em mim de ansiedade. Tínhamos voado por mais ou menos uma hora e meia. Eu tinha uma leve desconfiança que se confirmou quando o avião aterrissou e saímos para o carro que nos esperava. Estávamos a Nápoles. 

Olá, agradeço ao carinho que estou recebendo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s